“A coisa mais rara de se encontrar é o fato de existir quem alie a razão ao entusiasmo.” (Voltaire)

Costumam dizer que quem não é socialista na juventude não tem coração, e que quem é socialista na idade adulta não tem cabeça. Exageros à parte – até porque eu teria que assumir não ter tido coração – acredito que a frase captura bem uma regra, qual seja, que os mais jovens tendem a abraçar utopias, enquanto os mais velhos acabam mais céticos. Os jovens são aqueles que vão revolucionar o mundo!

Existem várias possíveis explicações para este fenômeno. Os mais jovens estão numa fase de busca por identificação, separação dos pais, da autoridade, e precisam questionar tudo e todos. Além disso, a visão de mundo costuma ser mais simplista, e a crença em panacéias, em soluções “mágicas”, mais comum. Com o passar do tempo – e com as diversas experiências na vida – a tendência é substituir esta fé mais ingênua por “soluções” imperfeitas.

O furo, entretanto, permanece. Não há explicação para tudo, tampouco um modelo único e simples de justiça ou sociedade, que vai trazer o “paraíso perdido” à Terra. Os mais velhos normalmente ficam mais céticos, mais desconfiados em relação às respostas prontas, simples. Passam a crer em “trade-offs”, sabendo que cada escolha pressupõe alguma possível perda de outro lado. Em suma, começam a enxergar um mundo bem mais complexo do que aquele da visão infantil.

Quem conseguiu expressar com maestria esta característica foi o escritor Oscar Wilde, quando disse: “Não sou jovem o suficiente para saber tudo”. Bingo! Os mais jovens quase sempre acham que sabem “tudo”, que compreenderam o mundo, a sociedade, e que sabem as respostas para as perguntas mais complicadas, aquelas que angustiaram os principais pensadores desde sempre, incluindo os mais sábios dos sábios. A juventude não gosta de conviver com as faltas. Aliás, ninguém gosta! Mas quanto mais jovem, maior a probabilidade de essa angústia levar ao desespero. O tempo acaba ajudando a aceitar certos buracos – ou seriam crateras? – em nossas vidas.

Claro que estou falando sempre em termos gerais, numa possível regra que necessita de exceções para ser validada. Além disso, não se trata da idade apenas cronológica, pois todos estão cansados de conhecer adultos que mais parecem crianças crescidas. As rugas nem sempre trazem consigo a maturidade. Também não pretendo falar desse ímpeto juvenil na busca pelas “verdades absolutas” com um tom totalmente negativo. Acredito que os questionamentos ousados, os desafios às tradições mais estabelecidas, esse espírito revolucionário até, possuem suas vantagens. Diria mais: eles podem ser fundamentais para o contínuo progresso da civilização.

São os jovens que, com suas perguntas incômodas e seu ponto de vista mais fresco, forçam novas reflexões sobre o mundo. Aplaudo esta postura, mas não posso ignorar seus riscos. E estes surgem justamente quando as utopias simplistas viram crenças fanáticas, quando os jovens acabam vítimas de oportunistas de plantão, que utilizam o romantismo típico da juventude como massa de manobra para seus objetivos pérfidos. Tanto é assim que os demagogos são os primeiros a defender o direito de voto dos mais jovens, que são inimputáveis para certos crimes, mas “responsáveis” na hora de escolher o governante.

O simplismo pode ser útil para a retórica ideológica, mas os debates sérios exigem mais humildade, item escasso quando se trata da juventude. O pensador libertário H. L. Mencken colocou de forma precisa: “Para cada problema complexo, existe uma resposta que é clara, simples e errada”. Carl Jung também atacou o simplismo: “Os maiores e mais importantes problemas na vida são, num certo sentido, insolúveis; eles nunca podem ser resolvidos, mas apenas superados”. Eis algo que os mais jovens não costumam apreciar muito. Eles querem as soluções, e querem logo!

O curioso é que, apesar do maior tempo de expectativa de vida, são justamente os jovens os mais impacientes. E como os erros cometidos em vida ainda não foram grandes o suficiente para forçar mais humildade, cautela e sabedoria, eles realmente acham que sabem tudo. Darwin constatou que “a ignorância traz muito mais certezas que o conhecimento”. O jovem, geralmente, possui muitas certezas.

Dito tudo isso, fica a questão: como conciliar as vantagens do idealismo juvenil com as vantagens da experiência e ceticismo dos mais velhos? Ou, dito de outra maneira: como evitar que as desvantagens do simplismo romântico dos jovens estraguem suas qualidades essenciais? Essa é a pergunta do milhão, e longe de mim!, eu pensar que sei a resposta. A frase da epígrafe, de Voltaire, demonstra que o filósofo francês também gostaria de saber a resposta. Mas ele foi realista o suficiente para reconhecer que era muito raro encontrar num mesmo indivíduo a razão e o entusiasmo.

RELACIONADOS

Deixe um comentário