A riqueza inglesa e a pobreza brasileira

inglaterra1-iloveimg-resized-iloveimg-cropped

Em recente viagem de nove dias à Inglaterra, procurei prestar atenção nas diferenças que explicam por que o Brasil, sendo rico de recursos naturais, é tão pobre e a Inglaterra é rica. Após a recessão dos últimos anos e com o aumento da população, a renda por habitante brasileira está na faixa de US$ 10,2 mil ao ano, enquanto na Inglaterra está em US$ 38 mil/ano. Ou seja, a renda per capita brasileira é pouco mais que um quarto da inglesa.

O produto nacional de um país deriva de quatro fatores essenciais: capital físico, capital humano, recursos naturais e conhecimento tecnológico. O produto total anual dividido pela população dá o valor da renda por pessoa. Qualquer estudante de economia diria que a resposta começa no fato de que, na Inglaterra, o capital físico comparado com a população é muito maior e mais moderno que no Brasil. Isso daria boa explicação, mas não é tudo.

Na Inglaterra, o conhecimento tecnológico incorporado ao sistema produtivo e o grau de qualificação profissional dos trabalhadores são maiores e melhores. Somando esses dois fatores com o capital físico e comparando todos lá e cá, a explicação primária para a diferença de desenvolvimento está dada. Entretanto, a pergunta não respondida é outra: por que razão o capital, o trabalho e o conhecimento tecnológico na Inglaterra são tão superiores ao Brasil?

Não há resposta fácil. Embora a compreensão dessa problemática tenha raízes na história, na cultura, na política e na sociologia, uma razão importante está na ética do trabalho, na disciplina social e num aspecto que quero destacar: o valor do indivíduo, a relação com o outro, o respeito ao semelhante e a importância da vida humana.

Que fique claro: a Inglaterra está longe de ser um país perfeito, mas, comparada conosco, eles já conquistaram patamares de avanço que estão muito à frente do Brasil. Não tenhamos ilusões: o Brasil é muito pobre. Não estamos falando de uma diferença de renda por habitante de 40% ou 50%. A renda por pessoa daquele país é quase quatro vezes a do Brasil. É uma diferença gigantesca em termos de possibilidades de padrão de vida.

Pensando no assunto, me veio à mente a passagem do filósofo e educador austríaco Martin Buber (1878-1965), em sua obra mais densa e bela, intitulada “Eu e Tu” (1923), em que ele trata da filosofia do diálogo, da relação com o outro. Buber nos fala da relação dialógica não apenas como as relações fundadas no diálogo verbal, mas da relação com o outro em termos integrais. Ele definiu duas atitudes distintas do homem diante do mundo e de seu semelhante. Uma delas é a atitude do “Eu-Tu” (relação), que é o encontro entre dois parceiros em atos de reciprocidade e confiança mútua.

A forma como nos relacionamos com nosso semelhante, com a sociedade, com a natureza e com o Estado – isso a que chamamos de “cidadania” – dá a medida de nossa ética e nossa capacidade produtiva coletiva. Na Inglaterra, séculos de história criaram uma cultura de respeito pelo espaço público, pelo dinheiro público, pelas regras de convivência coletiva e, principalmente, de respeito pelo outro.

Lá, a violência social e o número de crimes é coisa pequena, e as pessoas andam sem medo por qualquer rua a qualquer hora da noite. Eu mesmo fiz isso várias vezes. Alguém dirá que acabamos de ver um atentado terrorista em Manchester. Mas isso é outra coisa. Não se compara com as 60 mil pessoas que morrem assassinadas no Brasil a cada ano – nenhuma por atentado terrorista.

Fonte: “Gazeta do povo”, 26 de maio de 2017.

RELACIONADOS

Deixe um comentário