A verdadeira teoria do imperialismo

Um dos maiores mitos sobre o capitalismo é sua suposta essência imperialista. Diversos autores, seguindo a tradição de Karl Marx, criaram uma teoria onde o processo capitalista implicava numa expansão imperialista. Para esse autor, no sistema capitalista os detentores do capital, ou burgueses, exploram o trabalhador via mais-valia. A base teórica do pensador alemão é o valor-trabalho, iniciado em termos econômicos por Adam Smith. Segundo essa teoria, o valor do produto depende do trabalho aplicado. A mais-valia é a diferença entre o real valor do produto e o realmente pago ao trabalhador, em forma de salário. Assim, essa diferença é a exploração econômica do burguês sobre o operário. Contudo, a teoria do valor-trabalho foi refutada no século XIX pelos três economistas responsáveis pela Revolução Marginalista. Jevons, Walras e Menger elaboraram, independente, e ao mesmo tempo, a teoria do valor-utilidade. Ou seja, o valor do produto é dado pela utilidade que o indivíduo o atribui. A partir disso, a teoria de Marx então estaria refutada, pois toda sua base teórica de exploração depende exclusivamente da noção de valor-trabalho.

Entretanto, seguidores de Marx resolveram ignorar a Revolução Marginalista, atribuindo-a apenas caráter ideológico. Isso reside no fato de que a teoria marxista depende de uma caracterização ideológica de qualquer fato da realidade. Todos os economistas marginalistas na verdade eram agentes da burguesia, e apenas os marxistas detinham o poder do real conhecimento econômico. Assim, John A. Hobson, Rosa Luxemburgo e Lênin desenvolveram teorias do imperialismo. Para esses autores, o capitalismo tinha necessidade de se expandir através da guerra imperialista para explorar mais-valia em mercados externos. O capital financeiro seria o grande conspirador da história, coordenando todos as forças religiosas, patriotas e militaristas com via de atingir o objetivo máximo de exploração. O sistema capitalista necessitava expandir-se porque o mercado interno em algum momento tornava-se insuficiente, e a saída era buscar outras fontes de exploração. Como o capitalismo é guiado pela ânsia irracional do lucro, qualquer ação que seja feita nessa via é caracterizada como essencialmente capitalista. E a colonização então foi só mais um aspecto do desenvolvimento do processo capitalista. Para Hobson, apenas no socialismo não haveria imperialismo.

As teorias desses autores marxistas sofrem de um defeito claro de incompreensão dos conceitos de capitalismo e imperialismo. Por exemplo, para eles é totalmente plausível se falar em “governos capitalistas”. Contudo, o capitalismo é o sistema de organização dos meios de produção em mãos privadas. Ou, usando um termo mais atual, o capitalismo é o estabelecimento da economia de mercado. Isso significa que o capitalismo não é um tipo de governo, e sim um determinado sistema econômico. Claro que isso não quer dizer que a economia de mercado seja compatível com qualquer forma de governo, ou seja, que ela seja independente do regime político. Governos liberais, por sua característica de respeitar os direitos de propriedade, acabam favorecendo o desenvolvimento do capitalismo. Todavia, é importante notar que o processo capitalista acontece entre os agentes privados da economia, e a única ligação que ele possui com o governo é se este último protege ou não as leis de propriedade. E aqui entra outra questão importantíssima do artigo: se no capitalismo é necessário que se respeite as leis de propriedade, então o que falar das ações violentas do governo, mesmo quando usada em prol de algum capitalista? Aqui, entramos numa diferenciação analítica: se um capitalista utiliza sua influência política para fazer com que o governo domine determinada região para que ele possa explorá-la, isso não significa que essa ação está embutida no processo capitalista, ela é apenas uma atitude imperialista. Ou seja, a função analítica de capitalista é diferente da de imperialista. O capitalista é o indivíduo que possui a propriedade dos meios de produção. O imperialista é o que usa da violência para conquistar territórios alheios. Então é condição necessária que o imperialista agrida os direitos de propriedade alheios para conseguir conquistar novas áreas. E se o direito de propriedade é a base econômica do capitalismo, como um curso de ação que agrida esse direito pode ser considerado parte do processo capitalista? Isso significa que os imperialistas não eram imperialistas porque eram capitalistas. Os imperialistas existiam porque o governo intervencionista existia para ser cúmplice nos seus crimes. Um exemplo para esclarecer o leitor: Artur é torce para X time. Ele resolve assaltar um banco. No jornal sai a seguinte matéria: “X time é responsável por incentivos à assaltos a bancos”. Claramente trata-se de uma falácia. E é exatamente isso que fazem aqueles que associam capitalismo e imperialismo.

Uma verdadeira teoria do imperialismo tem que se pautar na origem desse tipo de ação violenta: roubar a propriedade alheia para si. Ou seja, o imperialismo é apenas uma parte da teoria do intervencionismo. É a junção de governo com empresários que resolvem não competir apenas no mercado, mas também obter renda roubando. Então a teoria do imperialismo tem o seguinte formato: foge de explicações de processo de mercado capitalista, ou seja, com produção e trocas voluntárias, e cai na análise política de explorar outros países pelo roubo. A renda obtida ao vender produto no mercado é diferente daquela obtida com conquistas imperialistas. O erro de teóricos como Hobson, Luxemburgo e Lênin é não compreender a diferenciação analítica da função do capitalista e do imperialista.

Agora que sabemos a real natureza do imperialismo, cabe perguntar: então o que representa o imperialismo como ação do governo? A planificação estatal máxima nas relações internacionais. O governo toma para si o direito de subjugar outros povos e estabelecer seu poder como legítimo em novos territórios. E isso só é possível se o governo não respeita os direitos de propriedade. Os regimes socialistas são imperialistas por natureza, e o maior exemplo foi a União Soviética, que usou do poder militar para implantar a planificação estatal em vários países. Contudo, países intervencionistas ou de economias mistas também podem ser imperialistas. Os EUA são mais liberais que outros países em vários aspectos, mas possuem uma política externa imperialista, com poder militar em todo o mundo. O capitalismo, ou economia de mercado, é apenas uma forma de organização econômica dos meios de produção, as ações imperialistas devem ser estudadas à luz de um processo de intervenção estatal, pois representam um processo de roubo de renda alheia, ou seja, de agressão aos direitos de propriedade.

Thiago Bezerra Gomes é estudante de Economia da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE – CAA).

RELACIONADOS

Deixe um comentário

12 comments

  1. Vinicius

    Cuidado Thiago, você anda lendo muito as matérias do Instituto Millenium! Pare de perder tempo com isso e vá estudar um pouco de história e filosofia. Não acredito que na UFPE existam alunos assim, completamente tomados pela onda pós-moderna. Espero, e torço muito, que você seja apenas uma exceção.

  2. Thiago B. Gomes

    Obrigado pelo comentário, Vinícius. No próximo, se houver algum argumento, terei o prazer em responder.

  3. Ariel

    Olá Thiago.
    Eu discordo de vc, pois quando diz que é uma falacia associar Imperialismo com capitalismo, vc se esquece do lucro, da mais-valia. É necessário que o capitalismo use de atitudes imperialistas, pois precisam conquistar território, terra, area para exploração de recursos, de forma a manter a maquina funcionando, para que não diminua seu capital, seu lucro. Esta tomada da terra é por meio da força (violência, exclusão), opressão.
    Agora , me diga, como pode o Capitalismo ser algo bom, com tanta desigualde, violencia e morte que ele perpetua?
    Não quero julga-lo , nem diminui-lo, mas parece que vc não entendeu Marx nem Engels. Espero que vc realmente tenha lido os textos destes.

  4. Thiago B. Gomes

    Oi, Ariel, obrigado pelo comentário.

    Noto que você julga que entendeu a teoria de Marx. Logo, com certeza sabe que a teoria do valor-trabalho (TVT) é a base da explicação da exploração do capitalismo. Com o uso da TVT, Marx deduziu uma exploração econômica do capitalista sobre o operário, pois uma parte do trabalho não seria paga. No primeiro e segundo parágrafo eu cito essa teoria de Marx e também, principalmente, sua refutação. A TVT não é cientificamente válida: no século XIX os três marginalistas (Jevons, Walras e Menger) refutaram a TVT e introduziram o conceito de valor-utilidade.

    Se eu possuo uma Teoria T que depende inteiramente da Premissa P e essa última é refutada, a única inferência lógica possível é que a Teoria T não corresponde à realidade. Ou seja, como a TVT não é válida, NÃO existe mais-valia.

    Nos três últimos parágrafos expliquei a diferenciação analítica entre uma função imperialista e capitalista. Logo, sugiro que releia, não irei me repetir. Agora, se o argumento a respeito do direito de propriedade não ficou claro, tentemos o seguinte: é errado iniciar agressão a qualquer pessoa, pois toda pessoa tem direito a usar seu corpo como bem entender. Agora tente argumentar contra o direito de propriedade: impossível, você estará usando suas cordas vocais. Então tente encontrar alternativas para uma sociedade sem propriedade privada: ou teremos a propriedade coletiva, todo mundo dono de todo mundo, ou um modelo aristocrático, com alguns donos do resto. A primeira é impossível, pois para se mexer você teria que pedir permissão resto, a segunda não passa no teste de universalidade. O que se pode concluir disso? Que o direito de ter propriedade privada é o direito de não ser agredido, qualquer outra alternativa implica em violência e/ou impossibilidade. Mais detalhes sobre a ética hoppiana, leia “A Ética e a Economia da Propriedade Privada”.

    Agora me diga: se um imperialista conquista um território, qual inferência lógica tiramos disso? Ele agrediu a propriedade privada, que é a base de funcionamento do processo capitalista. Logo, o imperialismo é incompatível com o capitalismo. Empresários que se beneficiaram com o imperialismo eram intervencionistas (para se aprofundar sobre intervencionismo, sugiro Ludwig von Mises).

    Concluindo: (a) o capitalismo não perpetua desigualdade, violência e morte. O primeiro porque trata-se de um processo de produção. O segundo e terceiro porque é incompatível com sua natureza de processo. (b) Marx foi um teórico fraco. Levantou boas questões, mas não conseguiu responder nenhuma delas. E toda sua teoria foi refutada por vários autores (Menger, Mises, Hayek etc). (c) Sugiro a leitura de livros de introdução à economia para entender o valor-utilidade, que é utilizado hoje nos cursos de economia. Os únicos que acreditam na TVT são os marxistas (por motivos óbvios), mas acreditam por pura crendice, não há nenhum motivo científico.

    Um forte abraço

  5. Regina Helene

    Palmas!!!!!para o Thiago.

  6. Samir

    Não entremos no mérito de ser ou não refutada a teoria do valor (que se refere ao valor de troca gerado pelo trabalho). Mas analisemos seu ataque a teoria do imperialismo.
    “a função analítica de capitalista é diferente da de imperialista” Sim, mas apenas em parte. Mas continuemos…

  7. Samir

    “Então é condição necessária que o imperialista agrida os direitos de propriedade alheios para conseguir conquistar novas áreas. E se o direito de propriedade é a base econômica do capitalismo, como um curso de ação que agrida esse direito pode ser considerado parte do processo capitalista? Isso significa que os imperialistas não eram imperialistas porque eram capitalistas.”
    Aqui você apresenta erros gorsseiros, por pensar que todo capitalista é um liberal respeitador da propriedade privada…

  8. Samir

    Os governos ditos democráticos representativos, estão recheados de ideologias. E parte dela é o imperialismo a desbravar novas terras (especialmente na África) destituindo povos e culturas alheias (com um discurso civilizador embustido) afim de expandir os ganhos do capital.

  9. Barlavento

    Quanta asneira… garotos, vão ler Zizek, Meszaros, Bauman, …. etc, etc…. e façam o devido update de seus conceitos marxistas….

    -1
  10. André Martins

    Não sabia que Hobson era seguidor de Marx.

  11. Fábio

    A falta de conhecimento e conteúdo teórico no texto é por demais evidente…natural para um aluno de curso de graduação que ainda está engatinhando na árdua tarefa de pensar o mundo. Leia mais, meu caro, e procure entender o que leu, sobretudo acerca da coplexidade do pensamento marxista. Sugiro começar por Hegel: A fenomenalogia do espírito. Talvez depois, que tal A Ideologia Alemã, O 18 brumário de Luis Bonaparte, Crítica da filosofia do direito de Hegel, A guerra civil na França, Lutas de Classes na Alemanha, A sagrada família, Sobre a questão judaica, Sobre o suicidio e finalizar com Grundrisse. Aí sim, vc estará em condições de entender O Capital.

    Abraço,

    Fábio

  12. paulo

    Cara parabéns ótimo texto
    É preciso divulgar mesmo mais a teoria do valor marginal , pois muitos de nós ainda estamos perdidos em conceitos antigos e ultrapassados , principalmente o pessoal da esquerda.
    Sou a favor de politicas que reintegrem TODOS na sociedade , mas não aguento mais ouvir as balelas ultrapassadas dessa gente.

    Abraços e Parabéns pelo Texto