Sábado, 10 de dezembro de 2016
Mantenedores mantenedores

O Brasil ficou para trás

A OCDE apresentou novas projeções para o crescimento da economia global em 2016 e 2017. Em ambos os períodos o Brasil aparece entre os piores países do planeta, partindo de uma recessão de 3,8% no PIB em 2015 para uma queda ainda maior, 4,0%, em 2016 e sua manutenção em 2017. Isto significa que a crise neste ano tende a ser ainda maior do que a do ano passado.

Os números da consultoria Goldman Sachs são mais “otimistas”, prevendo uma contração de “apenas” 1,6%. Isto significa estar bem atrás da Rússia, que passou por crise semelhante em 2015 mas tem previsão para crescimento de 1,5% em 2016. Também significa que paramos no tempo em relação ao resto do mundo, que crescerá 3,5% carregado pelo bloco emergente – do qual fazemos parte – com projeção de alta de 4,9%.

A culpa é da crise política, vão dizer. Se o judiciário e o Congresso Federal não permitem que o governo faça o seu trabalho, como podemos esperar um resultado diferente? O argumento da situação faz sentido. Instabilidade política e crise econômica costumam andar de mãos dadas. Vejamos só a Argentina que, mesmo com educação e economia de primeiro mundo até a década de 1940, se afundou em crises e mais crises no resto do século XX por não conseguir um pingo de estabilidade política.

O motivo para esta relação é simples: qual empresário vai aventurar seu dinheiro em um país onde não se sabe o que acontecerá no dia seguinte? E sem empresários, quem pagará os salários que, além de qualidade de vida, fazem o consumo e a produção crescerem?

No entanto, a teoria falha em explicar o que vem primeiro, a crise política ou a crise econômica. Não é fácil afirmar se o PT está instável por causa da economia ou se a economia está instável por causa do PT. Explicações razoáveis existem dos dois lados. Nenhuma é definitiva.

O ponto principal é que o mercado (nós, nosso dinheiro e nossa decisão de gastar ou não) não tem ideologia. Um empresário não decide aumentar ou diminuir sua empresa com base na filiação partidária. O mesmo se aplica ao consumo do cidadão. Gastamos dinheiro quando acreditamos que o cenário é favorável e seguramos as contas quando estamos inseguros. Neste caso, tanto faz se quem veio primeiro foi o ovo ou a galinha.

O que é importa é que 2016 tem tudo para ser o ano mais difícil do século XXI. Importa também que o mercado, representando a população, não acredita na competência do Governo Federal para gerir a crise. E finalmente, importa por que perdemos mais uma vez a chance de nos aproximar do mundo desenvolvido.

Escreva um comentário

Seu e-mail não será publicado.