Merval Pereira

O chamado Triângulo das Bermudas da política brasileira, formado pelos estados de Rio de Janeiro, Minas Gerais e São Paulo, reúne 42% do eleitorado nacional e, diante das mudanças na geografia política do Norte e do Nordeste, deve ser o centro das batalhas decisivas da eleição presidencial de 2014.

Minas e São Paulo têm forte predominância do PSDB estadual, mas o PT vem ganhando força em São Paulo, com a recente vitória para a prefeitura da capital que, paradoxalmente, pode mostrar-se uma fragilidade para a candidatura de Alexandre Padilha, com a administração criticada de Fernando Haddad até o momento.

No Rio e em São Paulo, a ex-senadora Marina Silva teve grandes votações em 2010, e pode atuar como ativa apoiadora de Eduardo Campos, no caso de vir a ser confirmada como sua candidata a vice.

Se em 2010 a presidente Dilma elegeu-se com uma votação espetacular no Norte e no Nordeste, onde tirou mais de 11 milhões de votos de diferença para o candidato tucano no segundo turno, este ano há alterações importantes que indicam que a votação naquelas regiões pode ser diluída entre os três principais adversários, mesmo que ela continue com vantagens.

Com a candidatura de Eduardo Campos pelo PSB, a oposição está mais forte no Nordeste, além de Pernambuco, enquanto o PSDB deve ter melhor desempenho na Bahia, devido à aliança com o DEM do prefeito de Salvador ACM Neto em aliança com o PMDB local, e no Amazonas, devido à liderança do prefeito de Manaus, Arthur Virgílio.

Nesses estados, Dilma teve quase seis milhões de votos de diferença a seu favor, o que não deve acontecer este ano. Em Minas e em Pernambuco, o PSB e o PSDB já acertaram alianças com palanques duplos nos dois estados, o que retira a força da candidatura Dilma.

O Rio, onde a presidente teve uma vitória com 3,7 milhões (43,8%) no 1º turno, e 4,9 milhões (60,5%) no 2º, a situação continua sendo amplamente favorável ao governo federal, mesmo que o governador Sérgio Cabral esteja enfraquecido politicamente.

A reeleição de Dilma tende a ter o apoio não apenas do PMDB local como dos possíveis candidatos Garotinho, do PR, Marcelo Crivella do PRB, e do PT com o senador Lindbergh Farias. PSB e PSDB estão à procura de um candidato que represente o novo na política, na tentativa de explorar a grande rejeição que atinge todos os favoritos. O ex-prefeito Cesar Maia deve ser, como candidato do DEM, o único oposicionista com algum peso.

O senador Aécio Neves articula a candidatura do treinador da seleção brasileira de vôlei Bernardinho, dentro dessa tentativa de apresentar ao eleitor carioca uma alternativa nova. Ao mesmo tempo, coloca em sua balança a possibilidade de que um racha entre o PT e o PMDB de Cabral possa provocar uma dissidência informal que leve parte da máquina partidária a trabalhar em favor de sua candidatura.

O PSB tem em Marina Silva seu principal trunfo no Rio, onde ela obteve uma grande votação em 2010. Por isso, a candidatura própria é a alternativa, podendo optar pelo deputado federal Alfredo Sirkis, ex-PV que se filiou ao PSB, ou o ex-ministro da Cultura de Lula, Gilberto Gil.

O deputado federal Miro Teixeira, que esteve com Marina na formação do Rede Sustentabilidade e se filiou ao PROS, é uma alternativa tanto para o PSB quanto para o PSDB, mas ambos os partidos temem que compromissos do PROS com o governo federal impeçam uma aliança oposicionista. Miro Teixeira tem conseguido autonomia no estado para fazer alianças e se mantém como uma peça importante no xadrez político do Rio, com a simpatia de Marina.

Uma eventual candidatura do ministro Joaquim Barbosa a uma vaga para o Senado pode ser fator novo na disputa, influenciando a corrida pelo governo do Rio. Há pequenos partidos oferecendo legenda para o presidente do Supremo disputar o governo estadual, mas nada indica que esteja inclinado a mais essa aventura, como classificou o ex-presidente Fernando Henrique a possibilidade de Barbosa vir a ser candidato à Presidência da República.

Fonte: O Globo, 05/01/2014

RELACIONADOS

Deixe um comentário