Ciro Gomes em Sampa

A transferência do domicílio eleitoral de Ciro Gomes para São Paulo é o grande fato político da semana que se encerrou e precisa ser devidamente compreendido. Difícil saber o destino final do gesto, se é a eleição para a Presidência da República ou se ao governo do Estado. São cenários diferentes, de impactos diferentes, e provavelmente a decisão final terá por base pesquisas qualitativas, a serem feitas no começo do ano. Entendo que Ciro só sairá para a Presidência se houver chance de ganhar. Ele é a carta na manga se o projeto eleitoral do PT caminhar para o naufrágio. Muitos “ses” a meio do caminho.

O certo é que o gesto de Ciro tem como propósito único, em qualquer um dos cenários: bater no Serra. É inegável que a sua condição de ter nascido em São Paulo e de ter raízes profundas no Nordeste dá a ele a condição de se identificar com a numerosa comunidade nordestina de São Paulo, estimada em mais de dez milhões de pessoas, contando os descendentes. Com a máquina do PT a seu favor Ciro Gomes pode agregar mais votos, de fora da comunidade. E é sabido que há um enorme preconceito para com a população nordestina, que se concentra as camadas mais pobres. Ciro vem para pregar o ódio comunitário e o rancor, algo muito ruim para São Paulo e para o Brasil. Brincar com sentimentos irracionais pode ter conseqüências desastrosas.

Para piorar, José Serra é um sujeito que, em mais de uma ocasião, destilou preconceitos contra os nordestinos, que poderão ver na oportunidade o momento da desforra. Serra encarna a antipatia da comunidade sem precisar abrir a boca. Ciro Gomes pode desequilibrar contra o governador de São Paulo explorando sentimentos melífluos. O quadro eleitoral agora ganhou outro colorido, um enorme ponto de interrogação se ergueu. Tudo pode acontecer.

Se o PSDB não consagrar Geraldo Alckmin para a chapa estadual poderá até correr o risco de perder o Palácio dos Bandeirantes. E, mesmo Alckmin escolhido, o pleito agora ganhou um componente inesperado. As sementes de ódio que Ciro Gomes irá espalhar poderão ter efeitos imprevisíveis. Os prognósticos agora ficaram incertos e confusos.

Ganhar as eleições a qualquer custo tem seu preço.  Partidos como o PT não têm limites éticos, são como os nazistas. Ciro está, por assim dizer, sendo importado da “Áustria”, um cabo eleitoral sob medida. Não gosto disso, liberar energias primitivas poderá sempre causar explosão. Como naquela casa de fogos de artifício que, isolados, são inofensivos. Juntos podem destruir um quarteirão. A explosão pode vir.

Mesmo que nada tenham contra José Serra em matéria de preconceitos contra a comunidade nordestina haverão de inventar. Uma mentira mil vezes repetida pode se tornar uma verdade, como queriam os nazistas. Vivemos tempos equivalentes aos anos 30. Ciro Gomes é a quinta coluna infiltrada para ajudar contra as pretensões de José Serra de chegar ao Palácio do Planalto. Penso que 2010 poderá ser a eleição do rancor. Os presságios são os piores possíveis.

RELACIONADOS

Deixe um comentário

3 comments

  1. PEDRO

    Marcelo Madureira, eh vc mesmo? P q vc nao escreve para o site do Millenium? Precisamos de algum humorista para ajudar a divulgar esses valores… Parabens pelo trabalho! Abracao do seu fa, Pedro.