Como apaziguar um tigre

O meu filho do meio, o Ricardo, anda indignado. Todos os dias ele abre os jornais, inteira-se dos novos e cabeludos escândalos que surgem em nossa República e constata que acabam por não dar em nada. Como gosta de política, recentemente dei-lhe um livro sobre o Carlos Lacerda. Um homem que por vezes acertava, por vezes errava, mas nunca se omitia. Era o terror das autoridades de plantão, que tremiam de medo à simples menção de seu nome.

Direta ou indiretamente, Lacerda foi o responsável pela queda de três presidentes da República: Getúlio, Jânio e Jango – e o primeiro acabou por se suicidar. Alguns resistiram às suas demolidoras investidas, porém à custa de grande parte de seu prestígio pessoal. Foi o caso de Juscelino, que o processou (e perdeu) na Câmara dos Deputados, e de Castelo Branco, que nunca conseguiu atraí-lo para o seu lado. Na política nacional, a década de 1950 e parte da de 1960 foram marcadas pela sua mordacidade, quer no Parlamento, quer no seu jornal, A Tribuna da Imprensa, quer nas emissoras de televisão, que sempre lhe deram espaço porque suas revelações eram realmente bombásticas.

Muitos de seus apartes na tribuna da Câmara, de tão arrasadores, acabaram por fazer parte do folclore político nacional. Nos anais da Casa consta que certa vez uma deputada o desafiou: “Senhor Lacerda, não perderei o meu tempo com Vossa Excelência porque todos aqui sabem que o senhor é o purgante da política brasileira”.

“Eu sou o purgante e a senhora é o efeito dele.”

Em outra ocasião, o líder do governo foi escalado para defender a política econômica então em curso. “Senhores deputados”, iniciou o discurso, “de acordo com as leis do mercado, de autoria de Adam Smith…”.

“Senhor líder, pode me conceder um aparte?”

“Por favor, nobre deputado Lacerda.”

“Eu peço vênia a Vossa Excelência para uma pequena correção. Como deve ser de seu conhecimento, as leis do mercado não são de autoria de Adam Smith, como se diz, mas sim do grande matemático Thomas Windows, que o precedeu.”

“Vossa Excelência está coberto de razão. Segundo as leis do mercado, de autoria de Thomas Windows…”

“Vossa Excelência me concede outro aparte?”

“Pois não…”

“O senhor líder do governo acaba de demonstrar, de maneira cabal, que realmente não entende nada do assunto que pretende abordar. As leis do mercado são mesmo do escocês Adam Smith, enquanto windows não passam de janelas em inglês.”

Lacerda era tido como o homem mais inteligente e culto da política brasileira. Como ele mesmo admitia, havia se preparado a vida inteira para, um dia, vir a exercer a Presidência da República. Os fados do destino, porém, falaram mais alto e ele terminou os seus dias cassado e esquecido.

É difícil fazer uma leitura fria sobre sua trajetória de vida. O fato é que ele arrumou inimigos demais. Brigou com os getulistas e, mais tarde, com os generais. Mas o que se pode dizer a seu favor é que nem antes nem depois de sua passagem pela política brasileira alguém exerceu a oposição com tamanha maestria.

O inconformismo de meu filho tem razão de ser. E eu ainda acrescento mais: não é que oposição no Brasil, hoje em dia, seja frouxa ou inapetente. Ela simplesmente não existe. Recordo-me de, na época do “mensalão”, ter redigido um artigo contundente com o título Que falta que nos faz um Lacerda. Pois bem, todas as condições estavam postas, naquela época, para se apresentar, com êxito, o impeachment do então presidente Lula, haja vista que Collor fora apeado do poder por muito menos. Lula estava acuado e aceitaria qualquer solução minimamente honrosa.

Mas na “leal oposição a Sua Majestade” só havia cavalheiros. Não existia ninguém que se dispusesse, então, a acabar com aquela agonia, cravando de vez a estaca de madeira no vampiro. Surgiu até uma tese misericordiosa: deixá-lo sangrando para depois vencê-lo nas urnas. Pois bem, passados os momentos críticos, Lula restabeleceu-se e venceu com facilidade as duas eleições seguintes, com ele e com Dilma Rousseff. E hoje eles dominam politicamente o Brasil. Quem não está ao lado deles gostaria, no seu íntimo, de estar. Ninguém ousa criticá-los, nem sequer apontar seus erros.

Ora, é de todo improvável que estejamos sendo governados por uma legião de anjos, ou mesmo que não esteja ocorrendo nada de errado ou condenável no Brasil. Isso contraria a própria natureza dos fatos. O mais provável, isso sim, é que não haja ninguém nos meios políticos que se proponha a enfrentar os nossos governantes. A não ser, como acabamos de ver no caso do “mensalão”, a imprensa e a magistratura. E, mesmo assim, após enorme pressão da camada esclarecida da opinião pública.

Cabe o registro de que não foi toda a imprensa nem a unanimidade da magistratura que assim agiu. Houve, nas duas instituições, quem torcesse por um desfecho diverso e muito mais ameno. E cabe lembrar que o julgamento em questão ainda não se encerrou – há quem acredite que jamais se encerrará.

O argumento que tem mobilizado vários segmentos das esquerdas é o de que juízes togados – que passaram a maior parte de sua vida em gabinetes – carecem de legitimidade para julgar autênticos “revolucionários”, como José Dirceu e José Genoino, que teriam supostamente arriscado a vida em nome de uma nobre causa. Embora seja notório e sabido que os fatos não se deram bem assim, são esses os “heróis” de que nossa esquerda dispõe.

No mais, parece que os parlamentares brasileiros – não sem amargura – já assimilaram a antiga lição: no jogo bruto do poder, não há como apaziguar um tigre. A não ser, talvez, deixando-se devorar.

Fonte: O Estado de S.Paulo

RELACIONADOS

Deixe um comentário

1 comment

  1. lgn

    É difícil se compreender como políticos tradicionais, verdadeiras raposas do jogo político, se prestam a jogar o jogo dos partidos de esquerda revolucionária. Imaginam que as regras do jogo serão mantidas quando se percebe que elas estão sendo ameaçadas a todo instante. São balões de ensaio que a esquerda radical vai lançando e especulando sobre a hora correta para alterar regras do tabuleiro, por enquanto, democrático. Ainda existem os três pilares da democracia, a mídia respira, ainda que com um ar meio estranho, há eleições, etc. Mas convém que os homens que definitivamente adotam os princípios democráticos e o Estado de Direito, coloquem suas barbas de molho. Como diz uma amigo, há cheiro de enxofre no ar.