A corrida por influência na Ásia

Na incerta seara das relações internacionais – alianças e rupturas movem-se ao sabor da ocasião -, uma parceria mostrou-se sólida nos últimos 70 anos: o “Relacionamento Especial” entre os EUA e o Reino Unido.

Fundada em herança civilizacional comum, e forjada a fogo na Segunda Guerra, tal associação atravessou conjunturas delicadas.

No conflito das Malvinas, Washington ladeou-se com Londres apesar da existência do Tiar (Tratado Interamericano de Ajuda Recíproca). A julgar pela letra de tal acordo, os EUA deveriam apoiar a Argentina.

Os EUA se incomodam com a adesão do Reino Unido a um banco de investimentos asiático, sob controle chinês

Na 2ª Guerra do Golfo, e em nome da parceria transatlântica, Blair sacrificou popularidade e prestígio multilateral para se juntar à coalizão de Bush filho.

Mesmo Churchill nunca disfarçou predileção por gerir o mundo a partir de um condomínio anglo-americano – em vez de se embaraçar na complexa costura de governança com a Europa continental.

Nos últimos dias, contudo, a relação entre americanos e britânicos submete-se a intenso teste de estresse.

Na contramão dos interesses geoestratégicos de Washington, Londres decidiu juntar-se ao Banco Asiático de Investimento em Infraestrutura (AIIB, na sigla em inglês).

A iniciativa, de origem chinesa, é uma das principais cartadas de Pequim na ampliação de sua influência sobre a Ásia.

A China enxerga Banco Mundial e FMI como anacrônicos, fósseis de uma realidade de poder dos anos 1940.

A burocracia das instituições de Bretton Woods na liberação de fundos torna essas agências inoperantes. Nenhuma tem foco e musculatura para saldar fração dos US$ 8 trilhões necessários ao fortalecimento da infraestrutura na Ásia.

E mesmo o Banco Asiático de Desenvolvimento (ADB), fundado nos 1960 e dominado por Japão e EUA, concentra atenção no alívio da pobreza, não no provimento de infraestrutura física para o crescimento econômico.

Doze nações da Ásia-Pacífico já aderiram ao AIIB, mas foi a predisposição britânica em se associar ao banco de liderança chinesa que gerou efeitos colaterais em diferentes quadrantes.

Apesar da aliança de que desfrutam com os EUA, Coreia do Sul e Austrália – até há pouco reticentes em se associar ao novo banco – estão reconsiderando suas posições.

Hoje as exportações de ambos os países à China são bastante superiores aos fluxos comerciais que mantêm com os EUA.

Geralmente laudatória de sua parceria com Londres, a diplomacia americana acusou o golpe.

Alto funcionário do governo dos EUA abriu baterias contra os britânicos, tachando-os de “muito condescendentes” com arbitrariedades de Pequim em termos econômicos ou de direitos humanos.

Mostrar-se contrário à adesão do mais tradicional aliado a uma iniciativa chinesa de tamanho impacto só fez colocar Washington em posição ainda mais constrangedora.

Alemanha, França e Itália acabam de anunciar que também serão sócias do banco.

Xangai sediará a instituição, bem como o banco dos Brics e várias outras agências de financiamento.

Nessa corrida por influência na Ásia, o novo sistema econômico “sinocêntrico” larga na frente.

Fonte: Folha de S.Paulo, 20/03/2015.

RELACIONADOS

Deixe um comentário