A dança Berlim-Brasília

marcos troyjo - nova

Quando Angela Merkel visitar o Brasil em agosto próximo, o país passará a integrar as “Consultas Intergovernamentais de Alto Nível” que a Alemanha mantém com grandes potências, entre elas EUA e China.

Em meio ao deserto no qual se transformou a política externa dos anos Dilma, a elevação do patamar com Berlim não é desprezível. O Brasil será o primeiro latino-americano a integrar esse grupo.

Seu impacto sobre comércio e investimentos, no entanto, é pouco relevante. Um aumento significativo do intercâmbio econômico depende de algo mais do que a dança diplomática Berlim-Brasília.

Ele só ocorrerá com melhoria do horizonte econômico brasileiro, a facilitação do ambiente de negócios em setores como a indústria automobilística ou mesmo mais clareza no regime de concessões. Todos esses fatores dependem mais unicamente do Brasil do que da dinâmica das relações bilaterais.

A grande joia da coroa no relacionamento com a Alemanha reside na assimilação da tecnologia germânica e na excelência dos princípios e da prática alemã de governança corporativa.

Um aumento significativo do comércio entre Brasil e Alemanha depende de algo mais que o jogo diplomático

Nesse aspecto, a Alemanha tem muito a contribuir para a melhoria do grau de “institucionalização” da economia brasileira. Bom ressaltar que isso também é função da perspectiva de obtenção de lucro por parte das empresas alemãs, e não apenas do arranjo burocrático entre Chancelarias.

Há muitas amarras impostas pelas regras da União Europeia e do Mercosul para que, individualmente, Alemanha e Brasil pudessem explorar o potencial do relacionamento bilateral. Isto torna imprescindível o Acordo entre os dois agrupamentos, a não ser que Alemanha ou Brasil decidissem romper com a lógica negociadora a partir do bloco em que se inserem.

Isso é impensável para a Alemanha, país que mais tem a perder com um eventual malogro da União Europeia. Tampouco deve se esperar maior independência negociadora por parte do Brasil em relação ao Mercosul, o que lhe limita em negociações que permitiriam ao país maior participação nas cadeias globais de valor.

Acumulamos no ano passado um déficit de US$ 7 bilhões em nosso comércio com a Alemanha. Assim, o Brasil quer aumentar suas exportações de maior valor agregado. Mais fácil falar do que fazer. Para isso seria necessário vigorosa intensificação dos esforços de promoção comercial – o que é difícil imaginar perante as atuais restrições orçamentárias que se impõem ao Itamaraty.

A torcida então é pela conclusão, neste ano, do acordo UE-Mercosul, cujas negociações foram lançadas no longínquo ano de 1999. Isso vai depender de quão rapidamente a Europa possa ceder espaço em sua política agrícola comum (PAC) e em que medida Bruxelas considerará satisfatória a proposta de maior abertura dos setores industriais do Mercosul.

As economias do Cone Sul estão subperformando, com possível recessão para seus dois maiores integrantes – Brasil e Argentina. E a Europa é hoje a região do mundo que menos cresce. Nesse contexto, a conclusão do longo processo negociador seria uma ótima notícia.

Fonte: Folha de S. Paulo, 20/2/2015

RELACIONADOS

Deixe um comentário