O Dia da Liberdade dos Impostos. Só que não!

Dia 20 de maio foi o Dia da Liberdade dos Impostos. Não meu amigo, você não parará de pagar impostos e nem o governo deixará de tentar, dia após dia, arrecadar mais.

Essa data é simbólica. Serve para alertar que, proporcionalmente ao longo do ano, o governo cobrou tanto imposto, mas tanto imposto de você, que é como se ele tivesse ficado com tudo que você produziu, desde o réveillon passado até o dia 20 passado. E que a partir daí, o resto do que você produzirá até o final do ano, será inteiramente seu.

Não meu amigo, você não deixará de emitir aquela enormidade de guias, dos mais variados tipos, que você usa para pagar ICMS, IPTU, IPVA, IRRF, FGTS, ITBI, PIS, COFINS, ENFIM.

(N.R.: “Enfim” não é mais um imposto. É apenas um inofensivo advérbio, para resumir as dezenas de outros impostos existentes. Listá-los todos, seria uma impertinência.)

Eu fico me perguntando, é producente chamar este dia fatídico de Dia da Liberdade dos Impostos? Dia que nunca chega. É como comemorar a Revolução Farroupilha, a Inconfidência Mineira ou a Revolução Federalista.

É a celebração do desejo frustrado de se alcançar a liberdade não conquistada, que foi perdida ou como no nosso caso, que nunca existiu.

Sim meu amigo, é chegado o momento de construirmos o Dia da Liberdade verdadeiro, o Dia da Liberdade dos Impostos, das Autoridades, da Coerção

No Dia da Liberdade dos Impostos que nunca chega, quem celebra, de fato, é o imoral. Aquele que se vale da força bruta do governo, para conquistar aquilo que não ganharia, se tivesse que usar a persuasão para convencer os demais.

No Dia da Liberdade dos Impostos que nunca chega, quem celebra, de fato, é o parasita. Aquele que choraminga, que acha que o mundo lhe deve algo, apenas por ele existir. Não tem auto estima para ir à luta, através do próprio esforço, para produzir para os outros, em troca daquilo que garantirá o seu próprio bem estar.

No Dia da Liberdade dos Impostos que nunca chega, quem celebra, de fato, é o arrogante. Aquele que se acha mais do que os demais, se vê como um eleito, uma autoridade. Por isso crê que pode mandar sem limites, que tem poder sobre todos, inclusive para extorquir, como se a vida dele valesse mais do que a vida de qualquer outro.

Mas não é apenas no governo que há gente assim. Fora dele, os encontramos aos milhares também. A estes, damos o nome de bandidos, foras da lei, agressores dos direitos individuais, gente do mal, mafiosos.

Por outro lado, nem todo mundo que está no governo, é imoral, parasita ou arrogante. Há os que querem defender a liberdade e a propriedade dos cidadãos de bem, inclusive a liberdade e a propriedade deles próprios, de forma objetiva, honesta, justa e racional.

Sim meu amigo, é chegado o momento de construirmos o Dia da Liberdade verdadeiro, o Dia da Liberdade dos Impostos, das Autoridades, da Coerção.

Precisamos lutar para extirpar do governo, as máfias que dele se apropriaram para nos escravizar.

Jamais conquistaremos a liberdade sem um governo decente, que não viole os nossos direitos, que não esteja a serviço dos imorais, dos parasitas e dos arrogantes.

No dia que isto acontecer, ninguém lembrará do imposto, sequer lembrará do governo.

No dia em que o governo fizer apenas aquilo que eu acredito que ele deve fazer, tornar-se-á quase irrelevante. Importante será, se agir apenas, para retaliar quando e contra os que usarem de violência, ao invés de tentarem convencer.

RELACIONADOS

Deixe um comentário

1 comment

  1. TatiSoboleski

    muito bom! recomendo a leitura!