Doutora Juliana

esteto_simples__38667_zoom

Há médicos e médicos. Uns trabalham todos os dias para salvar a vida de outras pessoas. Sabem que, ao final, vão perder, mas voltam ao combate após, cada derrota. Convivem diariamente com a morte e, em muitos casos, derramam lágrimas amargas, em algum lugar onde não possam ser vistos, quando um cliente se vai. Essa é a cruz que carregam em sua vida. É, também, a sua honra. Outros têm o mesmo diploma, mas não são a mesma coisa. Suas relações com os pacientes mantêm-se impessoais e, como acontece em tantas outras profissões, seu objetivo prioritário é ganhar dinheiro. Praticam atos duvidosos de autopromoção e dedicam boa pane de seus esforços a atividades de relações públicas. Para alguns, o grande sonho profissional é aparecer na Ilha de Caras e ter atrizes da Globo ou “celebridades na lista de clientes.

Não há nada de útil que valha a pena dizer a respeito desses últimos. Mas há muito que pensar sobre os primeiros, os médicos de verdade, quando o povo vai para a rua gritar que não suporta mais, entre tantas outras barbaridades, os crimes diários que são cometidos pelo governo nos serviços públicos de saúde. Os marqueteiros do Palácio do Planalto não fizeram nenhuma pesquisa para saber quantos deles, nestes dias de revolta, estão fervendo com a mesma indignação que foi para a praça pública; acham que é uma “catarse emocional”. Mas o fato é que dezenas de milhares de médicos em todo o Brasil estão fartos de aguentar calados a prodigiosa incompetência, a mentira em massa e a vadiagem dos responsáveis pela saúde pública brasileira — além de uma ladroagem sem fim na qual se roubam verbas, ambulâncias, sangue e tudo o mais que pode ser rapado pelos amigos do PT e da “base aliada””. O leitor é convidado, aqui, a ouvir uma dessas vozes. É puro TNT. Vamos ver, então, o que a presidente Dilma acha dessa “”catarse”, ou se quer propor um “plebiscito” à doutora Juliana Mynssen da Fonseca Cardoso, cirurgiã-geral no Hospital Estadual Azevedo Lima, no Rio de Janeiro. E ela a autora do relato abaixo, publicado na internet com o seguinte título: “O dia em que a “presidenta” Dilma em 10 minutos cuspiu no rosto de 370 000 médicos brasileiros”.

Dezenas de milhares de médicos em todo o Brasil estão fartos de aguentar calados a prodigiosa incompetência dos responsáveis pela saúde pública brasileira

“Há alguns meses eu fiz um plantão em que chorei. (…) Eu, que carrego no carro o manual da equipe militar que atendia “na guerra do” Afeganistão, chorei. (…) Na frente da sala de sutura tinha um paciente idoso internado. Numa cadeira. Com o soro pendurado num prego similar aos que pregamos samambaias. Ao seu lado, seu filho. (.-*) Seu pai estava há mais de um dia na cadeira. Ia desmaiar. Tudo o que o rapaz queria era uma maca. Não um quarto, nem um leito; só uma maca. Teve um momento em que ele desmoronou. Se ajoelhou no chão, começou a chorar, olhou para mim e disse: “Não é para mim. É para o meu pai”. Saí, chorei, briguei e o coloquei numa maca na ala feminina. (…) Nestes últimos dias de protestos nas ruas e nas mídias, brigamos por um país melhor. (…) Não tenho palavras para descrever o que penso da “presidenta” Dilma. (Uma figura que se proclama “presidenta” já não merece a minha atenção.) Mas hoje, por mim, por você, pelo meu paciente da cadeira, eu a ouvi. (Ela) disse que importará médicos para melhorar a saúde do Brasil… Melhorar a qualidade? Sra. “presidenta”, eu sou uma médica de qualidade. (…) O médico brasileiro é de qualidade. Os seus hospitais é que não são. O seu SUS é que não tem qualidade. O seu governo é que não tem qualidade. O dia em que a sra. “presidenta* abrir uma ficha numa UPA, for internada num hospital estadual, pegar um remédio numa fila do SUS e falar que isso é de qualidade, aí conversaremos. Não cuspa na minha cara. Não pise no — meu diploma. Não me culpe da sua incompetência.”

E aí, presidente Dilma — gostou? E aí, ex-presidente Lula (que diz ter criado no Brasil “um dos melhores serviços de saúde do mundo”, mas se trata no Sírio-Libanês de São Paulo), gostou? Se não gostaram, deveriam ter a coragem de ir para a televisão e debater esses fatos com a doutora Juliana, na frente de todo mundo. Se não toparem, passam um atestado público de covardia. Podemos esperar sentados. Dilma teve medo até de ir ao Maracanã, numa final disputada pela equipe do país que preside. Lula fugiu para a Etiópia. Nem sequer vão ler a história acima, pois não vão gostar, e tudo aquilo de que não gostam está automaticamente errado. Acham que se trata de sentimentalismo barato, ou choro de classe média alta, ou algo assim. E o leitor, em quem acredita? Em Dilma, em Lula ou na doutora Juliana?

Fonte: revista “Veja”

RELACIONADOS

Deixe um comentário

10 comments

  1. Márcio

    Sem comentários a Dra disse tudo !!

  2. Rose

    Parabéns Doutora Juliana. O povo sabe que é exatamente como colocou os fatos e espera por providências urgente para amenizar o sofrimentos de tantos brasileiros.

  3. Dulce Luz

    Parabens Doutora, pela coragem de expor as feridas dos brasileiros e defender a classe medica que trabalha sem nenhuma condicao de exercer com alguma eficiencia o seu trabalho. Mas quero lembrar que os brasileiros votaram duas vezes no Sr.Lula e acataram a indicacao do mesmo para sucede-lo. Eh sabido que a atual presidente fracassou, umas decadas atras, quando montou uma loja com produtos de 1,99 cent.Logo de quem eh a culpa por tudo que estah aih….

  4. Nilda S.Souza.

    Doutora Juliana, a senhora expressou o sentimento real de abandono do povo brasileiro,no que tange a SAÚDE PÚBLICA .Sei que temos médicos ótimos no Brasil,FALTAM MELHORES CONDIÇOES DE TRABALHO. É FUNTAMENTAL O RESPEITO PARA COM O SER HUMANO.PARABÉNS DRA.JULIANA.

    OBS.TAMBÉM QUERO A PRESIDENTA DILMA USANDO O SUS.JA!!!!!!!!!!!!!!!!!

  5. Raimundo Soares

    Muito bem Doutora, se pessoas como você que tem prestígio e é de classe social mas elevada se juntasse com a grande massa tenho certeza o Brasil mudaria,só precisou de um primeiro movimento pra eles, os políticos ficarem desorientados mas se a coisa for pra valer tenho certeza que surtirar os efeitos que a gente que.

  6. Joana

    Que tal extinguir o artigo 199 da Constituição Federal? Não seria ótimo um Sistema de Saúde de fato Único? A exemplo da Inglaterra. Não seria justo um sistema de saúde com excelência para todos? Um sistema em que a Atenção Primária resolvesse 90% da necessidade de saúde da população? Ah, mas isso fere o direito de alguns de lucrar com a desgraça alheia… Quanta hipocrisia!

  7. Aldir Libório

    Doutora Juliana,
    A ´presidenta´Dilma cuspiu no rosto de 370000 médicos brasileiros, mas a Senhora Doura Juliana deu uma bofetada de uma só vez na ´presidenta´Dilma Rousseff, no ex-presidente Lula e nessa corja de políticos ladrões do erário público.
    Parabéns pela sua ousadia de expor sua indignação com a saúde pública do povo brasileiro.
    O PT não é um partido político, e sim uma quadrilha de ladrões!

  8. ROSANA GOMES

    SENSACIONAL DRA JULIANA!ESTAMOS JUNTAS NESTA DURA HISTÓRIA!OBRIGADA POR FALAR POR NÓS.EM POUCAS PALAVRAS VC RESUMUI TUDO!EU GOSTARIA MUITO DE CONHECE-LA!É UMA HONRA PARA MIM!VOU FICAR AGUARDANDO SEU RETORNO,OBRIGADA F C DEUS!SUCESSO SEMPRE COM DEUS!

  9. rosemari

    Sou mae de medica,sogra de medico e avo de 2 médicos, e vivencio o sacrifício e o sacerdócio de todos eles,porisso apoio com todas as letras o seu depoimento.PARABENS.ROSEMARI MALUCELLI THA 15-07-2013

  10. Bárbara Keissy

    Excelente artigo. Parabéns ao autor J.R Guzzo e a Dr. Juliana.