A presidente Dilma Rousseff é uma sentimental. Ela se mostra saudosa dos bons tempos das carroças motorizadas, dos computadores precários e dos bens de capital anteriores aos controles informatizados. Seu coração meigo, propenso a tratar a indústria brasileira como indústria nascente, é mal compreendido e pouco valorizado pelos estrangeiros. Eles estão errados – americanos, europeus, australianos e outros concorrentes incomodados com o crescente protecionismo brasiliense. Deveriam agradecer à presidente, em vez de censurar sua política. Se tudo seguir o curso normal, a indústria brasileira estará mais fraca do que hoje, quando o mundo sair da crise. Se caprichar um pouco mais, o governo poderá abalar também o agronegócio, o segmento mais competitivo da economia nacional. A culpa, como nos bons tempos, será das potências estrangeiras. Esse discurso faz sucesso de novo.

Para justificar a escalada protecionista, em parte legal, em parte contestável, a presidente esbraveja contra o mundo rico. Se o Brasil vai mal, é porque europeus e americanos são incapazes de lidar com a própria crise, produzem um tsunami monetário e com isso minam o poder de competição dos países em desenvolvimento. Há alguma verdade nesse relato, mas a história completa é outra. Só aceita integralmente a versão oficial quem desconhece informações básicas do País e de seu comércio.

De janeiro a setembro, as exportações para a América Latina caíram mais do que as vendas para a União Europeia, enquanto aumentaram os embarques para os Estados Unidos. Quando se examinam os detalhes do comércio, as alegações da presidente se desmontam. Do lado interno, os problemas são inequívocos. A produção geral da indústria aumentou 1,5% de julho para agosto, puxada pela fabricação de bens intermediários (2%) e de consumo (1,2%). A fabricação de bens de capital – meios de produção – aumentou só 0,3%.

No ano, até agosto, a indústria de bens de capital produziu 12,2% menos que de janeiro a agosto de 2011. Mas esses números mostram só uma parte do fracasso da política de investimentos.

O maior obstáculo, todos sabem, é o governo: investe mal e atrapalha o investimento privado

Alguns detalhes são muito úteis para a avaliação do discurso oficial. Até setembro a exportação rendeu US$ 180,6 bilhões, 4,9% menos que um ano antes. O valor importado, US$ 164,9 bilhões, foi 1,2% menor que o dos meses correspondentes de 2011. As vendas à América Latina e ao Caribe foram 10,4% inferiores às de janeiro a setembro do ano anterior. O comércio com a Argentina foi o mais desastroso, com perda de 20,2%. No mesmo período, o Brasil faturou 11% mais com as exportações para os Estados Unidos, um dos mercados mais atingidos pela crise e uma das fontes do tsunami monetário. As vendas para a União Europeia, atualmente a área em pior situação, ficaram 8,1% abaixo das de janeiro a setembro de 2011, com recuo bem menor que o dos mercados latino-americanos. No caso da China, a redução de 3,8% é explicável pela desaceleração econômica do país e pela desvalorização de algumas commodities.

Os números ficam ainda mais instrutivos quando se examina a composição das vendas. Os detalhes disponíveis correspondem ao período até agosto, mas são suficientes para algumas distinções importantes. De janeiro a agosto o Brasil exportou para os Estados Unidos manufaturados no valor de US$ 8,7 bilhões. Esse valor, correspondente a 46,8% das vendas para o mercado americano, foi 19,1% maior que o de um ano antes. Os manufaturados vendidos à União Europeia renderam US$ 11,7 bilhões, compuseram 35,8% da receita e proporcionaram 0,6% mais que no período janeiro-agosto de 2011. Para o Mercosul, a indústria brasileira vendeu pouco mais que isso, US$ 13,6 bilhões, 16,6% menos que um ano antes. Para a China o setor manufatureiro enviou produtos no valor de apenas US$ 1,6 bilhão.

Nenhum dos argumentos habitualmente recitados pela presidente Dilma Rousseff explica esse conjunto de detalhes – até porque ela se esquece, em geral, de apontar o dedo para o país mais conhecido pela manipulação da moeda, a China. A política oficial ainda seria defensável se o seu resultado fosse menos pífio. O protecionismo pode oferecer algum conforto à indústria no mercado interno, mas será inútil para fortalecer o produtor brasileiro no exterior. Se o Banco Central estiver certo em suas novas previsões, o Brasil investirá neste ano menos que no ano passado. Se nada muito mais sério for feito, dificilmente a taxa de investimento passará nos próximos anos de 20% do PIB, embora a meta oficial seja chegar a uns 24% até 2014 ou 2015. Sem um esforço muito maior de formação de capital fixo nenhum protecionismo tornará a economia mais competitiva. O maior obstáculo, todos sabem, é o governo: investe mal e atrapalha o investimento privado.

Fonte: O Estado de S. Paulo, 03/10/2012

RELACIONADOS

Deixe um comentário

1 comment

  1. Gilberto Naldi

    Tudo o que os concorrentes poderiam desejar! Um governante protecionista com viés conservador e avesso ao liberalismo! O Brasil é um pais jovem vestido com uma camisa de força de uma ideologia ultrapassada!