Educação: gastos e resultados

Muitas mudanças vêm ocorrendo na educação brasileira nas duas últimas décadas. Os gastos com educação aumentaram bastante e a escolaridade dos jovens também aumentou. Mas nossos alunos ainda aprendem muito pouco, especialmente no ensino médio. Afinal, será que o grande aumento de gastos com educação nas últimas duas décadas valeu a pena? Devemos aumentar ainda mais os gastos no futuro?

É preciso lembrar, em primeiro lugar, que nosso principal erro histórico foi termos esquecido de investir em educação na primeira metade do século passado. Isso fez com chegássemos à situação social caótica que vivemos hoje em dia. Enquanto países da Europa e da América do Norte aumentaram substancialmente o acesso ao ensino médio na primeira metade do século XX, nós só fomos fazer isso recentemente, a partir da década de 90.

Como historicamente somente 3% da sociedade brasileira tinha acesso ao ensino médio e superior, isso gerou uma desigualdade muito grande, baixa mobilidade inter-geracional e altos índices de criminalidade, que hoje em dia são muito difíceis de alterarmos por razões de economia política.

Veja também
País amplia gasto por aluno, mas não consegue melhorar nível do ensino
Fabio Giambiagi: O que gera o progresso
João Batista Oliveira: Por uma nova política de formação de capital humano

Mais recentemente, a sociedade brasileira acordou para a importância da educação. Os gastos com educação aumentaram muito nos últimos 15 anos. Entre 2000 e 2014 os gastos totais aumentaram de 4,6% para 6% do PIB. Como o PIB aumentou 58% em termos reais nesse período (de R$ 3,6 tri para R$ 5,7 tri), os gastos com educação dobraram (de R$ 166 bi para R$ 342 bi). Desse aumento, cerca de R$ 33 bi foram para o ensino superior e o restante para o ensino básico. O ensino infantil foi o ciclo que menos se beneficiou do aumento de recursos no período (R$ 24 bi).

Mas como nosso país passou por uma das mais rápidas transições demográficas da história, o comportamento dos gastos por aluno em cada ciclo é muito diferente dos gastos totais. O número de alunos está declinando continuamente no ensino básico, tendo passado de 47 milhões em 2000 para 41 milhões em 2014. Já no ensino superior público o número de alunos dobrou, passando de 1 para 2 milhões nesse período. Assim, o gasto por aluno no ensino básico triplicou em termos reais nesse período, ao passo que no ensino superior o gasto por aluno permaneceu constante. Vale notar que o gasto por aluno no ensino superior é de R$ 22 mil, enquanto no ensino básico é de R$ 6 mil. Essa diferença já foi maior, mas ainda é problemática pois sabemos que a prioridade de gastos deveria estar no ensino infantil.

Esse aumento de gastos trouxe resultados? O principal resultado foi justamente o aumento da escolaridade média dos jovens que entram no mercado de trabalho. Em 2000 somente cerca de 45% dos nosso jovens de 22 anos alcançavam pelo menos o ensino médio e hoje em dia são mais de 75%.

Parte desse aumento de R$ 45 bilhões nos gastos do ensino médio foi necessário para absorver esses jovens no sistema escolar. Além disso, parte do aumento dos gastos com ensino superior foi utilizado para dobrar o número de alunos nesse ciclo. Mesmo quando levamos em conta o fato da qualidade de ensino estar estagnada no ensino médio, os anos médios de escolaridade dos nossos jovens aumentaram 33% entre 2000 e 2014 (7,6 para 10,1). Ou seja, gastamos R$ 176 bilhões para aumentar a escolaridade média dos jovens em 2,5 anos de estudo. Será que valeu a pena? Precisamos aumentar os gastos ainda mais?

A educação tem retornos elevados para a sociedade em várias dimensões. Assim, o aumento de gastos realizado para incluir novos alunos é plenamente justificado, especialmente no ensino infantil. Além disso, no primeiro ciclo do ensino fundamental o aprendizado aumentou 24% no período, ou seja, o aumento dos gastos por aluno foi acompanhado de aumento de qualidade necessária para aumentar o aprendizado nos outros ciclos. Porém, no final do ensino fundamental e no ensino médio os gastos por aluno triplicaram em termos reais sem aumentos de aprendizado. A não ser que os novos alunos sejam muito mais difíceis de ensinar dos que os antigos ou que a expansão esteja ocorrendo em áreas mais caras, é difícil justificar o aumento de gastos além do necessário para atender os novos alunos.

Para fazer uma comparação internacional de gastos educacionais, a melhor medida são os gastos por aluno divididos pelo PIB per capita de cada país, pois ela leva em conta o tamanho da população e a quantidade de recursos disponíveis. Por essa métrica, o Brasil gastava por aluno o equivalente a 14% do seu PIB per capita em 2000 e passou a gastar 24,5% em 2014. Em termos de comparação, a OCDE gasta em média 26%, a Coreia gasta 30%, o Chile 18% e o México 15%. Vale notar que todos esses países têm um desempenho no Pisa (que mede o aprendizado aos 15 anos de idade) melhor que o nosso.

Em suma, com um século de atraso o Brasil acordou para a importância da educação. Nos últimos 15 anos, aumentamos bastante os gastos com educação e já alcançamos o investimento realizado por países que tem aprendizado bem melhor que o nosso. Além disso, a transição demográfica fará com que os gastos por aluno aumentem mesmo se não aumentarmos mais os gastos como proporção do PIB.

Desta forma, agora é hora de deixar os gastos constantes como proporção do PIB e melhorar a gestão dos recursos. Para isso é necessário reconhecer os esforços das redes bem-sucedidas, divulgar detalhes de gastos e resultados de todos os municípios para evitar desvios de recursos, incentivar a adoção de práticas educacionais que já se mostraram efetivas para melhorar o aprendizado e apoiar as centenas de municípios pequenos que não têm nenhuma capacidade de gestão. Já avançamos o suficiente nos gastos, agora é hora de melhorar a gestão.

Fonte: “Valor econômico”, 20/10/2017.

RELACIONADOS

Deixe um comentário