Domingo, 4 de dezembro de 2016
Mantenedores mantenedores

Eleições na Argentina: Macri ou Scioli?

Neste domingo 32 milhões de argentinos escolherão seu novo Presidente. As pesquisas mostram vantagem de Macri, do PRO, sobre o peronista Scioli.

Macri teria uma vantagem média de oito pontos. Mas os partidários do PRO não se acomodaram. Continuam atentos, especialmente para a guerra suja que a Argentina pode enfrentar. A possibilidade de fraude em favor de Scioli é algo que preocupa. Urnas impugnadas, cédulas em duplicidade, ameaça a funcionários públicos – tudo isso gera ansiedade. O PRO acredita que se a eleição for limpa, Macri vence.

O que mais se comenta é o fato de que com a vitória de Scioli ou Macri, o kirchenerismo sai de cena, uma vez que o peronista não era o candidato preferido da
Presidente Cristina, que teve que aceitá-lo. Talvez a história não seja bem assim, uma vez que o governo trabalha duro para que Scioli vença. Até a turma do marketing de João Santana, que elegeu Dilma, desembarcou por aqui.

Mesmo enfretando a estratégia do medo, como foi feito no Brasil por Santana, Macri resistiu e pode ser o homem que mudará o curso político da América Latina, se vencer. Julio Sanguinetti, ex-Presidente do Uruguai, escreveu artigo este sábado no La Nación que fala sobre o ocaso do neopopulismo. Neste caso, a Argentina pode apontar uma direção para a região.

Será importante observar o número de votantes e dos indecisos. Estes estão entre 4-11 pontos. Estima-se que o voto em branco fique em 2,5%. Maior participação em tese ajuda Macri, como vimos no primeiro turno.

O resultado no momento possui tendência pró-Macri, que está liderança em todas as pesquisas. Mesmo com conversão dos indecisos em favor de Scioli, ainda chegaríamos em uma improvável situação de empate técnico.

Mas todo cuidado é pouco. Hoje acompanhei a entrega das cédulas e urnas pelos correios da Argentina sob forte proteção policial. A possibilidade de tumultos e possíveis fraudes é acompanhada com atenção, em especial pelo PRO e pela UCR, que também apóia Macri.

sabe que a tendência é pró-Macri, difícil de reverter, mas o peronismo tem a máquina, fortes sindicados e capacidade de mobilização. Macri, que para vencer precisava chegar no dia da eleição diante de uma margem confiável, conseguiu. Agora é tomar cuidado para que o pleito seja limpo e seguro.

Fonte: Blog do Márcio Coimbra, 22/11/2015.

Escreva um comentário

Seu e-mail não será publicado.