Especulações diversas, inclusive uma sobre um ajuste fiscal natalino

Os jornais de hoje começam a ventilar a possibilidade de Lula tomar “medidas duras” na economia, para poupar Dilma de um desgaste logo no início de seu governo.

O cardápio a ser servido antes do Natal incluiria corte de gastos, revisão do orçamento de 2011 e redução da meta de inflação para 4% ou menos.

No início do ano, os jornalistas  que cobrem os chamados “bastidores” informaram que Dilma havia rispidamente descartado uma proposta mais ou menos nessa linha que lhe apresentara Palocci .

Com Lula se dispondo a assumir o custo político e Palocci de volta ao primeiro plano, as peças aparentemente se encaixam.

O que precisa ser visto é  se, uma vez decretado esse ajuste natalino, Lula vai dar por cumprida a sua tarefa, ou  vai continuar tutelando a presidente-eleita .

Esta será uma das principais, se não a principal, questão institucional e política dos próximos anos.

Ninguém acredita, nem se ele jurar de pés juntos, que Lula vai vestir seu pijama e ficar quieto. É óbvio que ele vai continuar falando pelos cotovelos. Mesmo limitada a eventuais entrevistas e declarações,  sua atuação sempre embutirá dificuldades e riscos para o novo governo, dado o peso político de Lula e a peculiar origem da candidatura Dilma.

Mais que tutelar, há quem acredite que Lula pretenderá de fato mandar no governo Dilma. A recomendação de manter no governo os ministros Mantega (Fazenda), Meirelles (Banco Central), Jobim (Defesa) e Haddad (Educação) seria o primeiro passo nessa direção.

Há também quem diga o oposto, isto é, que Lula manterá uma estudada distância em relação à sua pupila. Já se preparando para voltar em 2014, ele não se deixará contaminar pelo inevitável desgaste dela ; inevitável, desde logo, em vista da popularidade estratosférica de Lula.

Excusado lembrar que tudo isso é especulação. Lula continua presidente, Dilma Rousseff ainda nem tomou posse.

Hipóteses como essas que alinhavei acima cumprem, quando muito, uma função de mapeamento inicial do novo terreno político.

RELACIONADOS

Deixe um comentário