Domingo, 4 de dezembro de 2016
Mantenedores mantenedores

Governo unido é governo dividido

Se tudo estivesse indo às mil maravilhas, a presidente Dilma Rousseff não precisaria ter se dado ao trabalho de eliminar alguns ministérios nem ter passado pelo desgaste de substituir auxiliares até outro dia considerados essenciais. Isso é óbvio. Mas, diante do cenário de fim de feira que tomava conta de uma administração que ainda não completou um ano de vida, a reforma se impôs e foi definida pelo apetite de “aliados” que, se não recebessem os afagos exigidos em suas birras, insistiriam nas pirraças até tornar o ar irrespirável.

Vaga em ministério deixou de ser uma escolha estratégica para se transformar em um objeto de barganha

As causas da reforma, à primeira vista, foram essas. E as consequências? Bem… Nas avaliações mais otimistas, a mexida no ministério espantaria três coelhos com uma cajadada só. Em primeiro lugar, silenciaria os críticos ao reduzir de 39 para 31 a quantidade de pastas e, ainda por cima, eliminar cargos e reduzir os salários da presidente e de seus ministros. Na sequência, acalmaria os “aliados” mais inquietos ao entregar cadeiras estratégicas (e com orçamentos gordos) a acólitos dos mandachuvas do Congresso. Tudo isso cortaria as asas daqueles que exigiam a cabeça de Dilma e afastaria o risco de impeachment. Simples, não?

A crise necessária

Nada disso. A expectativa que o próprio governo criou em torno da reforma foi tanta que as mudanças anunciadas na sexta-feira passada parecem tímidas e insuficientes. Logo, logo, a crise que se tentou extinguir com a dança das cadeiras na Esplanada ressurgirá com toda força. Isso mesmo: crise é parte integrante (e até necessária) do modelo de partição de cargos desenhado e é até hoje administrado pelo ex-presidente Lula e que poderia ter como lema algo como “governo unido é governo dividido”. Por esse modelo, o governo só é capaz de se relacionar com os senadores e deputados se houver, senão uma crise grave, um clima de tensão permanente no ar.

Vaga em ministério deixou de ser uma escolha estratégica para se transformar em um objeto de barganha ao alcance de qualquer político que se disponha a dar uma mãozinha ao governo. Tornou-se o brinquedinho que, acenado na frente da criança birrenta: faz com que ela pare de resmungar e se comporte. É prêmio mas pode ser, também, punição. Se o menino não ficar dócil, vai para o castigo e tem a mesada cortada. Simples assim.

Da mão para a boca

Esse modelo, concebido para atender interesses imediatos, funciona da mão para a boca. Pode garantir a vitória do governo numa votação marcada para a semana que vem, na aprovação do orçamento ou na criação de um novo imposto. Mas é extremamente ineficaz quando se observa a verdadeira função de um ministério: sua ação em benefício da saúde do Estado e do futuro do país.

Diante de tudo isso, as escolhas e as substituições anunciadas por Dilma na semana passada, somadas aos nomes que já estavam e permanecerão na Esplanada, formam aquela que é, sem dúvida, a mais medíocre equipe de ministros já reunida no Brasil desde 1822. Alguns dos que estão lá, é bem verdade, não comprometem. Bem assessorados, podem até fazer o seu trabalho sem que sobre eles pese a suspeita de estar no cargo apenas para atender interesses rasteiros e suspeitos. Mas quando se olha para o conjunto da obra e para o ministério que resultou da reforma, a única conclusão possível é: o que já era ruim ficou pior.

Fonte: Hoje em Dia, 04/10/2015.

Escreva um comentário

Seu e-mail não será publicado.