Gradual e subitamente

Costuma-se citar Hemingway sempre que problemas de endividamento aparecem. “Como você faliu?” – a resposta: “De duas formas: gradualmente, e, em seguida, subitamente”. O Brasil atravessa aguda crise de excesso de endividamento, e não se trata apenas do setor público ou dos Estados em calamidade financeira. A síndrome de Hemingway atinge também as famílias e as empresas, isto é todos os setores da economia brasileira, à exceção dos bancos e instituições financeiras.

Crises de excesso de endividamento são complexas. Como mostra vasta literatura teórica e empírica sobre o tema, quando há dívidas em demasia, elas travam o sistema produtivo, entopem as artérias do consumo, paralisam o governo, que perde capacidade de ação – governos excessivamente endividados não podem recorrer à prática de absorver as dívidas do setor privado em seus balanços, pois já não têm mais espaço para tanto.

Nesse aspecto, a crise de excesso de endividamento brasileira é mais grave do que a crise de excesso de endividamento que culminou na débâcle de 2008 nos EUA: naquela altura, famílias e instituições financeiras estavam sobreendividadas, mas o governo dispunha de espaço em seu balanço para absorver parte do problema. Por isso o pacote quase trilionário de assistência aos bancos. Por isso, também, as medidas de estímulo fiscal adotadas na ocasião. No Brasil atual, a possibilidade de que o governo seja a tábua de salvação para um setor privado asfixiado não existe, pois ele próprio submerge em obrigações excessivas.

Ainda que o governo brasileiro tivesse a capacidade de absorver as dívidas dos outros, o processo de desalavancagem e limpeza de balanços é lento, a recuperação de uma crise de excesso de dívidas é demorada. Basta ver o exemplo dos EUA, novamente, o tempo decorrido desde a crise e como demorou para que famílias e instituições financeiras arrumassem seus balanços, permitindo a retomada do consumo e do crédito. Como no Brasil não há alívio que o setor público possa prover de imediato, o horizonte da retomada é maior e mais incerto. Mais incerto já que o governo, além de endividado, enfrenta a reincidência agressiva de câncer não extirpado – a corrupção e a crise política a ela vinculada.

O Brasil apodreceu por dentro e não há nada que possa reverter esse processo, nem no curto, nem no médio prazo. O curioso é que tenha demorado tanto para que alguns analistas e técnicos do governo tenham entendido o óbvio, o estado lastimável dos balanços setoriais. Enquanto escrevo, sequer tenho a sensação de que o governo entendeu a gravidade do problema imediato dos balanços destruídos.

Matéria publicada pelo jornal Valor Econômico sobre fala recente de Henrique Meirelles reporta que o ministro teria dito que “a crise tem sido prolongada pela alta dos spreads bancários”, além dos aumento dos gastos públicos que abalaram a confiança. Além disso, teria ressaltado o ministro, houve “má alocação de investimentos em setores cuja demanda diminuiu, como o automobilístico, o naval, o petrolífero, motivada por incentivos que elevaram a capacidade de produção de forma não condizente com a realidade”. Por isso a taxa de investimento teria caído de 22% do PIB para os míseros 16% constatados, explicou.

Meirelles também teria salientado, segundo a reportagem, que o lucro das empresas está em queda, mas que a margem não recuou, o que significa que a retomada da atividade, quando vier, será acompanhada de recuperação do nível de investimentos”. A fala de Meirelles deixa claro que o ministro acredita ser a ausência de fluxos o principal problema brasileiro, não tanto os estoques alarmantes de passivos.

Se os spreads bancários estão elevados, talvez seja porque os bancos precificam os passivos excessivos e o maior risco de tomadores endividados. Se o investimento caiu, talvez seja porque empresas asfixiadas por dívidas não têm espaço para nada além da desalavancagem – o Refis, que não é bala de prata, certamente poderia ajudar ao suavizar os pagamentos das obrigações para com o governo. Se a crise é de sobreendividamento, a aposta de melhora rápida do investimento dificilmente ocorrerá. O consumo ficará a ver navios enquanto famílias amedrontadas pelo desemprego não tiverem condições melhores para pagar suas dívidas.

O governo vai anunciar pacote em meio ao agravamento da crise. A síndrome de Hemingway, entretanto, não permite grandes esperanças.

Fonte: O Estado de S.Paulo, 14/12/2016.

RELACIONADOS

Deixe um comentário