Liberdade, em papel ou eletrônica

Alexandre Barros

Tive recentemente a primeira experiência de ler um livro integralmente na tela. E acho que vale a pena compartilhar com você, leitor.

Li no “Estadão” (19/11/2011) a crítica do livro “Em Casa – Uma Breve História da Vida Doméstica”, de Bill Bryson, um americano que viveu quase 30 anos na Inglaterra e lá comprou uma casa vitoriana. Bryson resolveu estudar a história da casa e acabou produzindo um excelente texto sobre a história das moradias desde a Idade da Pedra até os nossos dias. O principal foco é a arquitetura inglesa.

Busquei o livro na internet e o achei numa biblioteca americana, na qual estou matriculado, de onde poderia tomá-lo emprestado. Até aí, nada de mais. Pedi, então, um exemplar e recebi um e-mail avisando que uma cópia estaria disponível no meu computador (cadastrado na biblioteca) por 14 dias. Em tempo: trata-se de um computador, não de um tablet, mas tudo o que aqui descrevo se aplica ao uso de um tablet (mas não para leitores exclusivos como o Kindle).

Comecei a lê-lo e, como aprendi depois lendo outras obras de Bryson, de quem virei fã, o livro tende a ser agradavelmente enciclopédico e exaustivo, contando as histórias interessantes sobre temas que a maioria dos professores insiste em ensinar da maneira mais enfadonha e ineficiente possível. Quem começa a ler um livro enciclopédico na tela se depara com muita coisa da qual nunca ouvira falar. Se esse livro fala de habitações desde a Idade da Pedra até o século 20, a coisa se complica mais ainda.

Aqui vem o que, para mim, foi inédito – e confesso que nunca havia lido nada sobre usar o computador e a internet para livros do ponto de vista que passo a descrever. Apareciam referências aos mais diferentes estilos arquitetônicos, desde as cavernas até os equipamentos utilizados para tornar as moradias mais confortáveis, mais quentes no inverno e mais amenas no verão, e tudo isso envolvia termos que eu não tinha a menor ideia do que se tratava. Sem pensar, quase instintivamente, quando me deparava com essa situação clicava em meia dúzia de teclas e pulava para o Google (em especial para as imagens) ou, para mais detalhes, para a Wikipédia.

Foi aí que se abriu um mundo novo para este leitor com 69 anos de carreira. Todas as casas, coisas, ferramentas e tecnologias apareciam, aos toques, maravilhosas, em cores, como se eu estivesse lendo um livro infinitamente ilustrado. Simples, não?

Essa foi a mais fantástica descoberta de um uso ainda desconhecido das ferramentas mais básicas da informação na internet. Consegui transformar a experiência de ler uma excelente obra toda em texto, especialmente usando a busca de imagens, num livro exaustivamente ilustrado, que, se fosse de papel, teria consumido, seguramente, três ou quatro vezes mais páginas do que as que foram usadas somente nesse texto.

A ajuda eletrônica para ilustrar a leitura foi uma experiência fantástica. Ignoro quantos leitores já tiveram essa experiência, mas para mim foi inédita e excelente.

Comentei com um amigo, que, ceticamente, me disse ser perfeitamente possível fazer isso lendo um livro de papel e indo ao computador cada vez que precisasse de uma ilustração. Claro que isso é possível, mas a rapidez e o automatismo de estar lendo na tela e com meia dúzia de toques chegar a um mundo fascinante de imagens novas eram inéditos para mim.

Isso para um leitor a quem o máximo de ilustrações permitidas na infância e na juventude foram uns bicos de pena de reis famosos com perucas encaracoladas e as ilustrações da coleção infantil de Monteiro Lobato, que materializavam para as crianças a Emília, o Pedrinho, a Narizinho, a Dona Benta, a Tia Nastácia e o Visconde de Sabugosa. Além disso, só um odioso livro chamado João Felpudo, que mostrava as consequências nefastas dos maus hábitos de higiene e aterrorizava as crianças com as consequências de não cortar as unhas ou o cabelo e não tomar banho.

A qualidade do livro – traduzido do alemão, segundo uma amiga versada na cultura germânica – era discutível quando eu já tinha aprendido tudo o que precisava sobre higiene. O uso do desodorante, se bem me lembro, nem era mencionado… Já aos 20 e alguns anos achei uma velha cópia em casa e percebi que o belo chapéu que eu admirava no João Felpudo era uma vasta cabeleira que o autor chamava de imunda e imprópria, mas, na década de 1960, já havia virado moda, lançada pelo roqueiro Jimmy Hendrix e pela ativista política de esquerda americana Angela Davis.

Em suma, todas essas lembranças são para dizer quão afortunados somos por dispormos de tecnologias fantásticas como as que nos propiciam as novas ferramentas eletrônicas.

Tomara que a campanha liderada pela Wikipédia para barrar de vez a tramitação no Congresso americano dos projetos de lei do Sopa (Stop Online Piracy Act) e do Pipa (Protect Intellectual Property Act) – que pretendem acabar com a pirataria proibindo a difusão do conhecimento – acabe dando certo. Esqueceram-se os autores do projeto da destruição criativa do capitalismo, de Joseph Schumpeter, que (em Capitalismo, Socialismo e Democracia) atribui aos produtores o custo de inovar e descobrir soluções para ganhar dinheiro e sobreviver por meio da competição, fornecendo mais, e não menos, alternativas aos consumidores e deixando a estes, e não à lei, a escolha do que querem ler, ver ou consumir.

Talvez seja a hora de rever o filme “O Povo Contra Larry Flynt”, o herói maldito da liberdade de expressão, que está paraplégico por causa do tiro de um fanático e segue publicando sua revista Hustler – de péssimo gosto, na minha opinião. Isso porque a Corte Suprema dos Estados Unidos decidiu que mais importante do que tudo é a liberdade de expressão – e agora dispondo da nova fronteira eletrônica dos livros, das enciclopédias e da revista Hustler na internet.

Fonte: O Estado de S. Paulo, 30/01/2011

RELACIONADOS

Deixe um comentário

2 comments

  1. Ricardo M. P. Frota

    Sr. Alexandre Barros, o conheci num evento chamado A LIBERDADE EM DEBATE realizado no Rio de Janeiro pelo IM. Admirei-o. És muito eloquente. Concordo com o senhor que a experiência de se ler um livro no tablet possa ser melhor do que a experiência no livro. Não sou uma pessoa presa às formas, acho que é bom haver as duas opções, impressa e digitalizada com inserções de diversos conteúdos ilustrativos. Porém sou contra pirataria! Se a pessoa gosta do formato digital, pode pagar por ela. SIMPLES!

  2. Victor Castro

    Parabéns pelo texto! Me identifiquei bastante.