Não é preciso criar nenhuma lei nem fazer qualquer debate ou votação. É mais prático e direto do que uma reforma eleitoral, sem financiamento público e voto em listas, nem riscos para o estado de direito e a democracia.

Muito pelo contrário.

Basta fazer como democracias civilizadas e definir, julgar e punir o “caixa 2” pelo que ele é: um crime mais grave do que o roubo para uso próprio. Porque lesa não só uma pessoa física ou jurídica, mas toda a sociedade, para fraudar o processo eleitoral e corromper a vontade dos cidadãos, desmoralizando as instituições democráticas e afrontando a lei e a Justiça.

O “caixa 2” é um delito mais grave do que um simples roubo público ou privado como os que enchem os noticiários.

Alguns desses ladrões são presos e o produto dos crimes pode ser recuperado. Mas os que roubam para fraudar o processo eleitoral, alegando que não é para uso próprio (embora às vezes seja), mas pela “causa”, não são presos, não devolvem o dinheiro, nem pagam os irreparáveis prejuízos à democracia, são heróis da impunidade em seus partidos.

“Ah, é só caixa 2”. Alguém imagina o Obama dizendo isto? Nem Berlusconi ousaria. Aqui, presidentes de partidos e até da República dizem, considerando como atenuante o que é agravante. Seu corolário “todo mundo faz” minimiza e absolve o delito, e pereniza o atraso
político.

Por que Estados Unidos, Inglaterra, França e Itália julgam crimes políticos como mais graves do que os comuns, com cadeia e multas pesadas por conspiração contra o estado democrático e suas instituições? Talvez porque eles não têm esse jeitinho brasileiro de ser democrata, esse hábito de nivelar por baixo e de se contentar com pouco. Construíram democracias em que a lei é para todos, onde não há causa, por melhor que seja, que justifique a sua transgressão. Em ditaduras, leis espúrias podem e devem ser transgredidas na luta pela democracia, mas, quando finalmente a conquistamos, isto só a corrompe e avilta.

Enquanto formos escravos desse passado, não há esperança de vencermos o medo de viver em uma democracia que seja realmente de todos.

Fonte: Jornal “O Globo” – 07/05/2010

RELACIONADOS

Deixe um comentário

2 comments

  1. Cristiana Castro

    Ah que gracinha, Chpeuzinho Vermelho dissertando sobre caixa 2. Chega a ser tocante. Meu anjo, converse com seus patrões sobre caixa 2 e depois venha conversar com o mundo…

  2. Cristiana Castro

    Mas para provar minha boa vontade, façamos o seguinte, cadeia e perda de bens para TODOS os que se valerem desse expediente. Vc recolhe as assinaturas do seu grupo e eu recolho no meu.Aqui na rede,bem transparente. Ok?