Limites na negociação

Não era previsível que os Estados Unidos assumissem a defesa do Estado Palestino de acordo com as fronteiras anteriores à Guerra dos Seis Dias, em 1967. Vários países já haviam tomado essa posição, inclusive o Brasil, e essa atitude foi considerada uma maneira de encaminhar eventuais negociações a partir de uma reivindicação- chave da causa palestina, o que certamente limita a margem de manobra de Israel se e quando as negociações começarem.

No domingo, durante um debate de que participei no Copacabana Palace em comemoração aos 63 anos de Israel, promovido pelo consulado israelense do Rio, tive oportunidade de falar sobre esse tema, justamente enfatizando que tentar iniciar uma negociação impondo limites não seria o caminho mais lógico para se chegar a um acordo realmente viável.

Era previsível, portanto, a reação do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, que considerou a proposta de Barack Obama “indefensável”, embora até mesmo analistas israelenses tenham encontrado nas palavras do presidente americano pontos favoráveis a Israel.

“O sonho de um Estado judeu e democrático não pode ser cumprido com a ocupação permanente”, disse Obama, para justificar o estabelecimento de limites de 67. Mas, em troca do estabelecimento de um Estado Palestino baseado nas fronteiras de 1967, Obama falou em “troca de terras acordadas” entre palestinos e Israel, o que está sendo interpretado como um apoio a reivindicações de Israel.

Obama também foi enfático ao desencorajar os palestinos de uma tentativa de criação unilateral de seu Estado: “As ações simbólicas para isolar Israel nas Nações Unidas em setembro não vão criar um Estado independente.”

Outro ponto que debatemos no domingo foi o significado da união entre o Hamas e o Fatah. Tendo a concordar com o ex-presidente americano Jimmy Carter em que somente com a representação palestina unida seria possível uma negociação com Israel.

A questão é saber qual das lideranças será preponderante, e me juntei aos que consideram mau sinal a exigência do Hamas de substituição do premier da Cisjordânia, Salam Fayyad, considerado o dirigente palestino mais respeitado no Ocidente, que faz uma revolução econômica na região capaz de criar um sistema de segurança que, segundo o “New York Times”, inspira confiança até mesmo em Israel.

O presidente Barack Obama mandou nesse sentido um recado para os palestinos: “Os líderes palestinos não vão alcançar a paz ou a prosperidade se o Hamas insiste em um caminho de terror e da rejeição. E os palestinos nunca vão atingir a sua independência, negando o direito de Israel a existir.” Será preciso, portanto, que o Hamas abdique de ações militares contra Israel e retire de seu estatuto o objetivo de destruir o Estado judeu.

Mas Obama também chamou a atenção para o fato de que “a atividade de construção nos assentamentos israelenses afastou os palestinos das negociações”.

Obama lembrou que a América está comprometida com a segurança de Israel e que isso é “inabalável”, mas acrescentou que, “precisamente por causa da nossa amizade, é importante que se diga a verdade: o status quo é insustentável, e Israel também deve agir com ousadia para promover uma paz duradoura”.

O presidente Barack Obama chegou o mais perto que pôde de um pedido de desculpas pelo papel dos Estados Unidos nos últimos anos no Oriente Médio, apoiando ditadores e criando “uma espiral de divisão entre os Estados Unidos e o mundo árabe” que ele quer ver revertida.

“Depois de décadas de aceitar o mundo como ele é nessa região, temos uma chance de perseguir o mundo como deveria ser”, disse Obama, admitindo implicitamente que os Estados Unidos agiram até hoje na região buscando seus próprios interesses, aceitando pragmaticamente o que supostamente seriam hábitos e costumes locais, que não incluíam a adoção dos direitos humanos como valores universais.

A partir das transformações que estão surgindo nos países árabes desde que na Tunísia e no Egito os ditadores pró-ocidentais foram derrubados por rebeliões populares, valores como liberdade de expressão, justiça, dignidade humana passaram a fazer parte das reivindicações naquela região, e os Estados Unidos viram-se na contingência de admitir que não foram eles que colocaram o povo nas ruas contra as tiranias, e assumiram um papel de coadjuvantes nas revoltas, embora seu apoio continue sendo fundamental.

Foi o que reafirmou Obama ontem: “Nós apoiamos um conjunto de direitos universais. Esses direitos incluem o livre discurso; a liberdade de reuniões pacíficas; a liberdade de religião; a igualdade para homens e mulheres sob a égide da lei; e o direito de escolher os próprios líderes, viva você em Bagdá ou Damasco, Sana (capital do Iêmen) ou Teerã.”

O anúncio de que o FMI e o Banco Mundial financiarão projetos de desenvolvimento nos países da região – o que já está sendo chamado de “Plano Marshall para o Oriente Médio” – é um passo importante nesse apoio ao que ele classificou de “a reforma política e econômica no Oriente Médio e no Norte da África que possa satisfazer as aspirações legítimas das pessoas comuns em toda a região”.

A questão da implantação da democracia é também delicada, já que é provável que, se tudo der certo, os sistemas institucionais que surgirão naqueles países não apenas diferirão entre si como também podem ser diferentes do que conhecemos como democracia no Ocidente.

O próprio Obama admitiu essa possibilidade em seu discurso: “Nem todos os países seguirão nossa particular forma de democracia representativa, e (…) haverá momentos em que nossos interesses de curto prazo não se alinharão perfeitamente com nossa visão de longo prazo da região.”

São os riscos inerentes de um processo que é novo e ainda não está bem definido. Mas o presidente Barack Obama está fazendo o que lhe compete: servindo de indutor das soluções, sem as impor, mas estimulando o debate com vistas à criação do Estado Palestino sem que a existência do Estado de Israel seja colocada em questionamento. Por isso os limites de 67 não deveriam ter sido mencionados, mesmo que o objetivo fosse esse.

Fonte: O Globo, 20/05/2011

RELACIONADOS

Deixe um comentário

1 comment

  1. Que tal abordar o assunto sob a premissa de que interesses poderosos ao redor do mundo não querem a criação de um estado da Palestina, embora lhe deem apoio?