Sábado, 3 de dezembro de 2016
Mantenedores mantenedores

Último ato da tragédia grega

O drama grego adquire contornos ainda mais dramáticos com o referendo de hoje (domingo,5/7), no qual o governo submete à população pacote de ajuda da União Europeia condicionado a ajustes econômicos. É uma situação bizarra onde o premiê faz campanha pelo não ao acordo e promete que, se ganhar, fechará acordo em 48 horas. Já com a vitória do sim ao acordo, o governo promete renunciar.

É característica de governos populistas tentarem simplificar as questões à população, transformando problemas complexos e profundos em soluções fáceis e mágicas.

O problema vai muito além de gastar mais ou menos, aumentar ou diminuir a idade e o valor das aposentadorias. Ele passa por uma economia cartorial com alta proteção a setores econômicos e profissionais. Cada um tem e quer manter o seu privilégio. O dono de uma farmácia, por exemplo, é protegido por leis que restringem concorrentes na região mesmo que sejam mais capazes de atender aos consumidores. E passa também pelo não pagamento de impostos por boa parte das empresas e da população, o que compromete programas sociais relativamente mais generosos que os dos países ricos do norte europeu.

As saídas para a crise existem e já foram testadas

Mas o governo populista grego passa ao largo dessas questões, centrando a discussão na necessidade de gastos sociais e no sofrimento do povo, que é real.

A triste ironia aparece com força nas grandes filas de aposentados desesperados diante dos bancos fechados. Esse desespero não é causado pela imposição de programas de ajuste, mas pelas atitudes do governo, que levam a um confronto com a União Europeia e ao risco de saída do euro, além de terem interrompido recuperação incipiente da economia. A população supostamente beneficiária dessa postura do governo teme suas consequências e fez saques maciços dos bancos quando pôde.

Há solução ao drama grego. Na própria zona do euro, países como Espanha, Portugal e Irlanda enfrentaram crises duríssimas, mas começam a retomar o caminho do crescimento sustentável com reformas por mais competitividade, austeridade e ajuda europeia. Já o Reino Unido adota reformas ambiciosas para reajustar o tamanho do governo e elevar a competitividade e a capacidade de crescer. Nos EUA, o caminho da recuperação foi o mesmo. Reformas pela competitividade e ajuste nos gastos públicos (na época, acusado de levar o país a um abismo fiscal) recuperaram a força da maior economia do mundo.

As saídas para a crise existem e já foram testadas. O sofrido povo grego tem a chance de trilhar esse caminho, mas são necessárias reformas para a economia poder crescer e criar empregos, abandonando o foco exclusivo em gastar ou não gastar recursos públicos.

Fonte: Folha de S. Paulo, 5/7/2015

Um comentário

  1. A saída é gastar menos economizar mais e como não se pode faltar investir.

Escreva um comentário

Seu e-mail não será publicado.