Sábado, 3 de dezembro de 2016
Mantenedores mantenedores

Lugar sagrado

Jovens invadem e depredam aquele que deveria ser o mais sagrado dos lugares.

Não é uma igreja, não é um palácio, não é um estádio, é uma escola.

Escolas são lugares sagrados, não no sentido divino ou religioso, mas compreendido como um lugar a ser venerado porque ali se busca o saber, o conhecimento.

É ali que se exercita a razão, nossa única ferramenta para a preservação da vida.

Escola não é lugar onde se produz e difunde dogmas, como numa igreja; não é lugar onde se possa produzir coerção, como num palácio; não é lugar para se deixar mover pela paixão, como num estádio.

Escola é lugar para a descoberta da verdade. Não é um lugar para se aprender a obedecer os outros, é um lugar para se aprender a usar a razão, para se aprender a conhecer a realidade, aprender a lógica, descobrir a natureza.

Escola não é um lugar de doutrinação, de catequese, de cooptação, de arrebatamento.

Escola é um lugar para se construir mentes livres e independentes, capazes de gerar valor com base no entendimento.

Entendimento de como as coisas funcionam e como se pode cooperar para aprimorá-las.

Escolas, igrejas, palácios e estádios são lugares simbólicos, cada um com o seu significado.

Todos podem abrigar pessoas com boas ou más intenções. No entanto, não há lugar onde a ação humana tem maior e mais duradoura repercussão do que numa escola.

É ali que se investe no futuro, é ali que se constrói, quase que irreversivelmente, a próxima geração.

Escolas deveriam ser mantidas, pedagógica, operacional e financeiramente, como as mentes de seus frequentadores, livres e independentes, longe dos dogmas, longe da coerção, longe das paixões.

Escreva um comentário

Seu e-mail não será publicado.