Mentirosos têm memória curta

O que eu mais temia sobre a visita de Ahmadinejad às Nações Unidas era a ideia dele ser entrevistado pelas redes de notícias dos EUA. Tanto que deixei o seguinte comentário no meu status do Facebook :

“Ouvi dizer que Larry King vai entrevistar Ahmadinejad em Nova Iorque novamente. Se for verdade, alguém pode dizer a esse idiota para não fazer este monstro parecer uma celebridade fofa fazendo perguntas bobas a ele e, em vez disso, pesquisar um pouco sobre o que está acontecendo no Irã?”

Se julgarmos por precedentes, uma viagem típica de Ahmadinejad às Nações Unidas será uma oportunidade de propaganda para este tirano mostrar seu governo como o “eixo da justiça” e todos os governos ocidentais como os verdadeiros violadores dos direitos humanos, seguida por uma entrevista a algum âncora americano burro que não vai se preocupar em pesquisar antes sobre o que acontece no Irã e lhe fará algumas perguntas inócuas, o que irá lhe angariar ainda mais popularidade com mais “idiotas úteis”, que aceitarão seus convites de jantares para tirar fotos ao seu lado. E, no final ele retornará ao Irã com a mídia estatal dizendo que a viagem foi um grande sucesso que trouxe muitos aliados para o Irã!
Logo depois que coloquei aquela atualização de status no meu Facebook, soube que não seria Larry King, mas Christiane Amanpour, que já entrevistou Ahmadinejad na ABC News durante esta viagem dele. Amanpour nem mencionou o nome de Sakineh ou o nome do advogado de acusação de Teerã diretamente, mas Ahmadinejad fez uma afirmação espantosa durante a entrevista, a de que Sakineh Mohammadi Ashtiani nunca foi sentenciada a apedrejamento!

Vamos supor que todos aqueles do lado da oposição, assim como o advogado de Sakineh e os filhos dela, todos estiveram mentindo e esta pobre mulher nunca foi condenada a ser apedrejada. Então por que a declaração pela embaixada iraniana em Londres, divulgada após o apedrejamento de Sakineh chegar às manchetes do “The Times”, não negou que ela tivesse sido condenada a apedrejamento?
Quando Mottaki, Ministro de Relações Exteriores do Irã, foi entrevistado pelo Spiegel, ele também nunca disse explicitamente que Sakineh não tinha sido condenada a apedrejamento, mas tentou apelar para os números dizendo que apedrejamentos ocorrem muito raramente na República Islâmica.
Quando o antigo fantoche de Saddam, George Galloway, entrevistou Ahmadinejad no Irã e tentou cair nas boas graças de Ahmadinejad contando a ele que eu e outro apoiador do Movimento Verde o ‘atacamos’ na House of Commons, ele pediu a Ahmadinejad sua pergunta final : ‘Volta e meia aparece um assunto que é tomado pelos inimigos do Irã, amplificado e transformado num problema sério, e um deles é o castigo marcado originalmente contra uma mulher condenada por adultério, o chamado caso do APEDREJAMENTO..”. Novamente, Ahmadinejad não negou que Sakineh teria sido condenada a apedrejamento, mas respondeu que “o número de tais pessoas é muito, muito insignificante”
Quando o presidente Lula, do Brasil, ofereceu asilo a Sakineh, novamente ninguém no governo iraniano ou judiciário sugeriu que Sakineh nunca tivesse sido sentenciada a apedrejamento.

Quando o chefe do Judiciário do Azerbaijão Oriental, Malek Ezhdar Sharifi, foi questionado pela Agência de Notícias do Irã oficial (IRNA) sobre o apedrejamento de Sakineh, ele não disse que ela nunca tinha sido condenada a apedrejamento, mas respondeu: “O castigo dela foi suspenso pelo chefe do Judiciário e não será levado adiante, mas se o chefe do Judiciário decidir ser oportuno, será executado independente das pressões e propaganda ocidentais”.
E mesmo assim, quando Ahmadinejad viaja a Nova Iorque, de repente ouvimos dele que Sakineh nunca foi condenada a ser apedrejada e que tudo foi uma grande mentira! Soa como as histórias eternamente mutáveis dos oficiais e TV estatal da República Islâmica sobre Neda. Quando o bicho pega, os agentes da República Islâmica simplesmente cortam e alteram sua história e criam mentiras atrás de mentiras.
Todos os “idiotas úteis” que vão continuar a ignorar o bom senso e justificar este regime de mentiras vão fazê-lo porque eles mesmos são uma fraude. Fraudadores que fingem apoiar a paz, a libertação dos oprimidos, o progresso e outras palavras bonitas, mas não fazem nada alem de prolongar a vida de ditadores e a miséria daqueles que sofrem sob estes regimes brutais.

Publicado no blog de Potkin Azarmehr
Tradução: Anna Lim (annixvds@gmail.com)

RELACIONADOS

Deixe um comentário