Não choro por ti, Argentina

O jornal “Valor Econômico” publicou, no último dia 30 de maio, um caderno especial sobre a crise que assola a Argentina. As políticas populistas do governo bolivariano de Cristina Kirchner estão levando o país ao caos, principalmente por conta de uma inflação galopante, cujo nível exato ninguém sabe, uma vez que os índices oficiais vêm sendo manipulados há tempos.

Pela reportagem, ficamos sabendo que até mesmo o famoso sanduíche Big Mac, carro chefe da rede McDonald’s, sumiu das prateleiras. Explica-se: o Big Mac está na lista de itens que compõem o índice oficial de inflação do INDEC e, por isso, a exemplo de inúmeros outros produtos, foi incluído num acordo informal entre várias empresas e o governo, a fim de manter os preços desses produtos congelados, ainda que não oficialmente.

Lamento informar, mas tudo isso será em vão.

A inflação, como bem dizia Milton Friedman, “é um fenômeno exclusivamente monetário”, causado pelo aumento da quantidade de moeda e/ou crédito sem o respectivo lastro. A inflação, portanto, agora nas palavras de Ludwig Von Mises, “não é um ato de Deus, uma catástrofe da natureza ou uma doença que se alastra como a peste. A inflação é uma política deliberada”, adotada por governos irresponsáveis que, para nosso azar, são também os maiores beneficiários dela.

Não há qualquer fundamento científico em apontar como causas da inflação a ganância dos empresários, os circuitos de distribuição ou a falta de responsabilidade social das empresas. Com o conhecimento econômico hoje existente, não é mais possível culpar os agricultores, os pecuaristas, os frigoríficos, os açougues, os comerciantes, os sindicatos ou o comportamento vil dos empresários sempre que os preços sobem ou há escassez de um ou outro produto.

O governo da Sra. Kirchner tem travado uma batalha sem trégua, porém inútil, na tentativa deter, na base da caneta, o dragão da inflação. Assistindo ao que acontece hoje por lá, não dá para não traçar um paralelo com o nosso passado: pacotes, tabelamentos, pactos sociais, congelamentos, “tablitas”, confiscos, fiscais do Sarney, caça ao boi no pasto e mais uma infinidade de bobagens heterodoxas para acabar com a inflação no porrete. Quem não tem memória curta sabe que essas estratégias, mais cedo ou mais tarde, fracassarão. E fracassarão simplesmente porque estão focadas não nas causas do problema, mas nos seus efeitos; não nos verdadeiros inimigos, mas nas próprias vítimas.

(Como bem dizia o velho Mário Henrique Simonsen: “Para conceber um congelamento – ou tabelamento – não é preciso um doutorado em Harvard ou no MIT: basta não entender nada de economia”.)

Depois da crise econômica do início da década, os argentinos escolheram a pior maneira para sair da falência. Após operar um calote de proporções oceânicas – efusivamente aplaudido por toda a esquerda mundial e cantado em prosa e verso como a salvação para todos os países emergentes –, o governo daquele país optou por estimular a recuperação da economia através do velho artifício da elevação dos gastos públicos. Estes, por seu turno, eram financiados, principalmente, pelo uso do imposto inflacionário, via despejo de moeda sem lastro no mercado, e ancorados na manutenção de taxas de juros em patamares artificialmente baixos.

No curto prazo, a estratégia foi um retumbante sucesso. O governo gastou a vontade, sem que precisasse aumentar tributos. O povo, satisfeito com o crescimento de curto prazo e, como sempre, acreditando que existe almoço grátis, se habituou a pensar no Estado como senhor de recursos ilimitados à sua disposição.

Tal política, no entanto, é como uma droga, injetada diretamente na veia do cidadão comum e, principalmente, dos seus representantes eleitos – já que as obras públicas e outras benesses sociais costumam satisfazer os primeiros e tornar extremamente populares os segundos.

Num primeiro instante, os investimentos estatais impulsionam a economia e a criação de empregos, gerando uma falsa impressão de prosperidade. Mais cedo ou mais tarde, no entanto, a inflação sempre cobra o seu preço e, infelizmente, castiga com mais rigor justamente os mais fracos.

Quando o dinheiro começa a desvalorizar-se de forma acelerada, os que mais perdem são aqueles que não dispõem de meios para proteger os seus rendimentos.

Mas eu não choro por vocês, hermanos. Vocês estão colhendo exatamente aquilo que plantaram quando escolheram seus governantes e, principalmente, o modelo econômico que desejavam.

Fonte: Diário do Comércio, 12/06/2011

RELACIONADOS

Deixe um comentário

2 comments

  1. 1berto

    Uma verdadeira aula de economia em um único artigo. Lamento somente que depois de tantos fracassos usando as mesmas fórmulas ainda existem pessoas que comemora esta estratégia.

  2. Timotheo A. Penedo

    O modelo estatista argentino é atrasado. O melhor modelo é o brasileiro, afinal aqui Eike Batista, Carlinhos Cachoeira, Odebrecht, Delta etc e o que melhor temos do nosso setor privado tomam a função pública que é do estado e fazem acontecer, gerando bastante lucro a sociedade. Logo com essa tomada ´privada do interesse público o modelo brasileiro é excelente ao permitir que as empreiteiras financiem 50% ou mais do congresso e assuma diretamente a gestão das cidades, como Eike quer fazer, sendo dono do Maracana, do Aterro do Flamengo, quem sabe das Lagoas etc. Os argentinos, enfim, são corruptos ao invés de não permitirem que no livre mercado os empresários comprem os governadores, como Sergio Cabral e Perillo. Eles também são anti-democratas porque querem fechar os meios de comunicação que apoiam essa liberdade, tipo a Veja, que defende o modelo privado brasileiro ao lado de Cachoeira, Demostenes e o conjunto das forças liberais-conservadoras no Brasil.