Nem bom, nem mau; só feio

Nos western spaghetti, gênero que produziu algumas obras-primas, nada supera a hora do duelo em que oponentes se encaram longamente, na tentativa de antecipar o momento em que o outro vai sacar o Colt do coldre. A câmara salta de um rosto a outro, olhos semicerrados, expressão tensa, o braço uma mola à beira da explosão.

Já na Europa, palco desses filmes, o duelo parece surpreendentemente tranquilo. A Grécia e seus parceiros da zona do euro caminham para o enfrentamento aparentemente relaxados. Relaxados demais, na verdade.

Os credores não aparentam estar particularmente preocupados com as consequências de um calote grego

O governo de extrema-esquerda (Syriza), que assumiu o poder na Grécia no começo deste ano, fez uma aposta ousada: reverteu boa parte do ajuste que havia sido feito pela administração anterior em nome da soberania grega, mas, ao mesmo tempo, ainda quer tomar emprestado de seus credores algo como € 7,5 bilhões nos próximos meses.

Seu ministro das Finanças, Yanis Varoufakis, um especialista em teoria dos jogos, parece ter partido da crença de que os credores estariam dispostos a tudo para impedir que a Grécia deixasse o euro.

Fosse a Grécia o único país a enfrentar problemas, o pressuposto poderia até estar correto. Apesar, porém, de sua especialidade, Varoufakis provavelmente se equivocou em sua avaliação de quanto os credores imaginam ter a perder num cenário de saída da Grécia (Grexit) relativamente ao custo de ceder às pressões helenas.

Por um lado, os credores não aparentam estar particularmente preocupados com as consequências de um calote grego, já que a exposição dos bancos europeus à dívida grega foi significativamente reduzida, atenuando um dos canais de transmissão da crise. Por outro, temem que novas concessões à Grécia acabem por levar a movimentos similares por parte de outros países em condições semelhantes, solapando seu esforço em prol da austeridade fiscal.

Assim, as propostas gregas têm sido solenemente rejeitadas desde o início do processo, indicando que o país não teria acesso aos novos desembolsos sem se comprometer com o mesmo processo de ajuste que o Syriza prometera jamais adotar.

Desde então se perderam meses em discussões sem avanços substantivos e se aproxima a hora em que a Grécia, cujas contas fiscais só pioram, há de ficar sem recursos para servir sua dívida. Daí para o Grexit a distância é perigosamente modesta.

Isto dito, a atitude blasé dos credores soa insensata. É verdade que o canal bancário de transmissão da crise foi reduzido, mas, ainda assim, a saída do euro por parte de um de seus membros revelaria que a moeda única é um contrato muito mais fraco do que se acredita, apenas mais uma instância de taxas fixas de câmbio, cujo histórico de abandono é para lá de extenso.

Isso tenderia a recolocar pressões sobre os elos mais fracos da corrente europeia, com consequências inimagináveis para o projeto mais ousado deste século caso mais um ou dois desses elos também se rompam.

Já para a Grécia, ao menos no curto prazo, a recessão seria provavelmente ainda maior do que a vivida até este momento. Em que pese a possibilidade de retorno do crescimento à frente, esse dano seria também irreparável.

Não há como saber o resultado do duelo, mas me acalmaria caso os participantes se mostrassem um tanto mais preocupados.

Fonte: Folha de S.Paulo, 13/05/2015

RELACIONADOS

Deixe um comentário