Nem Dilma nem o Brasil merecem isso

Este artigo não é partidário nem pessoal. Desde já, o meu respeito e a minha solidariedade à ministra Dilma Rousseff e a todos os portadores de câncer, passados, presentes e futuros.

Ignoro se há acordo explícito, tácito ou sigiloso entre os membros da classe política para não falar da doença da ministra Dilma. Talvez sim, talvez não. É possível que muitos não queiram falar do assunto para preservar seu próprio interesse e benefícios ou malefícios que podem ter caso ela venha, ou não, a ser presidente.

Nossa História está cheia de casos de interrupção de mandatos presidenciais nos últimos 60 anos: Getúlio suicidou-se, Jânio renunciou, Jango foi deposto, Costa e Silva morreu durante o mandato, Tancredo adoeceu fatalmente antes da posse, Collor foi compelido a renunciar. Resultados diversos, mas o fato de cada um desses presidentes não haver terminado o mandato teve enormes custos para todos os brasileiros e para o País.

Não nos iludamos, investidores, empresários e governos estão discutindo e pensando nisso hoje. Eles montam estratégias e tomam decisões que afetam o futuro dos brasileiros pensando na próxima Presidência. Construir fábricas ou não, criar ou não empregos, financiar grandes obras ou não: essa é a agenda dos investidores agora. Só no Brasil não se fala no assunto. Fingimos que não existe.

Durante o governo Fernando Henrique Cardoso fiz uma palestra para o conselho mundial de um banco multinacional. Tinha 12 minutos para falar sobre política e cenários brasileiros e 5 para perguntas e respostas. Quando terminei, um dos presentes me perguntou: “O que aconteceria no Brasil se o presidente Fernando Henrique morresse durante o mandato?”

Respirei fundo. Pensei dois segundos, que pareceram uma eternidade. “Nada, o vice-presidente Marco Maciel assumiria e continuaria tudo sem nenhuma mudança significativa em política ou economia.” Percebi micromovimentos de relaxamento em todos os rostos e corpos. O ar ficou mais leve. O mesmo senhor que fez a pergunta agradeceu a resposta: “Muito obrigado. Era isso que precisávamos saber.” E a reunião foi encerrada, para alívio geral.

Não vi isso numa bola de cristal e claro que aqueles senhores e senhoras não tomaram a decisão de investir mais no Brasil apenas pelo que eu disse. Reuniram-se com muita gente e fizeram a mesma pergunta a outros interlocutores.

O fato concreto é que a possibilidade de morte de qualquer chefe de Estado é uma preocupação fundamental para todos. Não interessa à maioria das pessoas que eles morram durante o mandato. Qualquer mudança não prevista de mandatário principal, no mundo moderno, gera incertezas, com custo altíssimo para todos. Por isso governos gastam fortunas para proteger governantes contra assassinatos e atentados. Sua morte custa caríssimo, pelo menos até que a nova situação se estabilize.

A versão de Carlos Heitor Cony está em Quem matou Vargas, na hesitação do analista John Bathurst-Pithard, em 8 de outubro de 1951, quando, finalmente, marcou no quadradinho de seu formulário “MAU”, para o Brasil. A versão cinematográfica está em O Poderoso Chefão (parte 2), quando Al Pacino, empresário do jogo e do crime, passa pelas ruas de Havana no fim do governo Batista, vê protestos e pessoas sendo presas violentamente por patrulhas militares.

Tanto Bathurst “viu” a morte em Getúlio numa foto em que aparecia seu guarda-costas Gregório Fortunato como Michael Corleone “viu” que alguma mudança não planejada estava no ar em Cuba. Ambos mudaram seus planos de investimento.

Quanto a Tancredo, não se sabe se ele escondeu ou se esconderam dele que poderia terminar numa mesa de operação em breve. O fato é que foi eleito e estava, tecnicamente, pronto para tomar posse. A derrocada de Collor começou com a entrevista de seu irmão Pedro à revista Veja, em que ele dizia coisas pouco airosas do presidente. Em ambos os casos, muitas pessoas, talvez a maioria, não queriam que eles saíssem do governo antes do fim do mandato previsto.

O fundamental em análise de risco político é ter clareza para ver a diferença entre o que queremos (ou não queremos) que aconteça e aquilo que realmente tem alta probabilidade de vir a ocorrer.

As interpretações são diferentes. No episódio da queda de Collor e ascensão de Itamar Franco, pelo menos um grande investidor leu as mesmas coisas que todos, conversou com as mesmas pessoas, mas previu que a bolsa de valores iria subir muito durante o governo Itamar. Sua aposta estava certa, mas isso não era o que a maioria pensava.

O fato concreto é que, independentemente de nossos sentimentos, crenças e desejos, ou do que vai ou não vai acontecer com a candidata e eventual presidente Dilma, nenhum partido ou líder tem o direito ético de empurrar 185 milhões de brasileiros para o possível desperdício dos sacrifícios que todos fizemos durante os mandatos de Sarney, Collor, Itamar, Fernando Henrique e Lula, em nome de interesses pessoais, partidários, caprichos, desejos ou crenças.

O que está em jogo não são as qualidades ou os defeitos da ministra Dilma, sua competência maior ou menor ou a admiração que tenhamos ou não por ela. Trata-se dos custos que a evolução da saúde da ministra poderá ter para todos os brasileiros.

Correremos o risco de viver anos em sobressalto, porque crises, depois que começam, adquirem dinâmica própria. Nem sempre sabemos quando e como elas começam. E nunca sabemos quando nem como terminam.

Crises acontecem. Algumas são previsíveis; outras, não. Algumas podem ser evitáveis; outras, não. Levar adiante a candidatura da ministra Dilma Rousseff pode ser entrar numa crise previsível, de desfecho completamente desconhecido, mas que pode ser muito caro para todos os brasileiros.

(O Estado de S. Paulo – 29/05/2009)

RELACIONADOS

Deixe um comentário