Um episódio recente da série The West Wing, que trata dos bastidores da Casa Branca, mostrou um debate entre dois candidatos à presidência dos EUA. O republicano foi representado por Alan Alda, veterano de M.A.S.H. e presente em alguns dos melhores filmes de Woody Allen, e o democrata ficou a cargo de Jimmy Smits, cujo papel de maior destaque foi nos episódios recentes de Guerra nas Estrelas. Apesar de o debate não ter passado de uma encenação, muitos comentaristas da imprensa americana observaram que foi mais interessante do que os debates verdadeiros, que girou mais em torno das reais diferenças ideológicas entre republicanos e democratas do que das platitudes cuidadosamente preparadas para não desagradar a ninguém. Em um dado momento, o mediador do debate perguntou ao candidato republicano: “Quantos empregos o senhor pretende criar se for eleito?” A resposta, clara e direta, foi a seguinte: “Não vou criar nenhum emprego. Quem tem de criar empregos são os empresários. Eu tenho só que não atrapalhar.” Aí está ilustrada toda a diferença entre a mentalidade que forjou a riqueza americana, privilegiando a iniciativa individual e o direito à propriedade, e a mentalidade estatista que, ao transferir todos os problemas para o Estado, espera que o governante “crie” (e sim, o verbo em inglês foi create) empregos. Ora, como poderia um governante “criar” empregos senão através de concursos públicos? E quem paga os salários dos funcionários públicos, senão o setor produtivo da sociedade, aquele que não dispõe de estabilidade nem de privilégios? Além da inusitada franqueza do personagem de Alda, que espantou até os americanos, podemos perguntar se algum candidato à presidência do Brasil teria a mesma coragem de expor as coisas assim. E, se ocorrer a algum a tentação, pode ficar sabendo que a recompensa pode vir até na forma de votos: segundo as pesquisas, o candidato republicano cresceu nada menos do que nove pontos percentuais na preferência do conjunto total dos telespectadores pesquisados, e quase vinte entre os mais jovens.

Deixe um comentário