O detrator de Vargas Llosa

O escritor argentino Alberto Manguel, um ilustre e afamado que se diz também canadense, teve a ousadia de afirmar, na Feira Literária Internacional de Pernambuco, que o escritor peruano recém laureado com o Prêmio Nobel, Mario Vargas Llosa, é “imundo”.

Tive um choque. Vargas Llosa imundo? Só podia ser um  engano ou má fé. Tenho do escritor peruano, de quem li quase toda obra e por quem nutro admiração, a melhor das imagens: um homem íntegro, elegante, criativo, de corte político-ideológico o melhor possível no mundo de hoje, liberal clássico. Imundo? Não, certamente tal adjetivo depreciativo não se aplica a ele. Vargas Llosa, além de tudo, foi contemplado com honra ainda mais superior do que o Prêmio Nobel: foi escalado para fazer o prefácio principal da edição comemorativa ao quarto centenário do Dom Quixote, de Miguel de Cervantes, patrocinada pela Casa Real espanhola. Tomou o lugar de algum espanhol que, de sangue e de direito, poderia ter tal honra. E o fez por seu talento e  sua erudição cervantina, mestre que é da língua  espanhola. Seu texto no prefácio é um primor de crítica literária.

Imundo? Impossível, alguém imundo não teria tido acesso a tal honra e nem poderia ter a intimidade e afinidade com a obra de Miguel de  Cervantes. Nunca li nada do famoso Alberto Manguel, que publicou vasta obra, muitas delas traduzidas para o português. Claro que é uma lacuna  clamorosa minha não ter lido nada de tão notável escritor. Mas tenho uma  boa desculpa para tal: gasto meu tempo com a obra de Vargas Llosa e de Cervantes, meus autores preferidos na ficção espanhola. Não tive tempo de  procurar aquele que chamou Vargas Llosa de imundo.

Imundo? Só pode ser  birra, já que engano não foi. Pesquisei na internet e descobri uma antiga entrevista, disponível no blog de Tania Menai, a entrevistadora, dada por Manguel. É de 1999. Foi-me útil para me informar sobre  o que pensa o prestigioso escritor argentino, agora canadense. E o que li? Lugares comuns enfileirados um após outro, todos de acordo com o politicamente correto. A tirar a obra pela entrevista penso que não perdi  grande coisa deixando-a de lado. A começar pelo título: “Ler é poder”. Ah, não posso  concordar com tão douta proposição. Para mim, ler é saber. E saber é algo  bastante perigoso e subversivo. O que tenho visto é que os homens de poder mais das vezes são inimigos das letras. Nosso Brasil deu ao mundo um maravilhoso exemplo disso ao eleger o apedeuta  Lula presidente. E repetiu o feito a eleger a semi-apedeuta Dilma sua sucessora. E elegeu o palhaço Tiririca, o mais bem votado dos deputados. Esses três, se conseguissem ler algo, certamente prefeririam um Manguel a um Vargas Llosa. Os grandes homens das letras de todos os tempos quase sempre entraram em conflito com  o poder, a exemplo de Miguel de Cervantes, que deu com os costados na  prisão. E do próprio Vargas Llosa, que se colocou contra o que há de pior  na política internacional: o genocida Fidel Castro, seu séquito em todos  os países latino-americanos e também o próprio ditador peruano Alberto  Fujimori, que governou o Peru por longo período.

Alberto Manguel até tentou ser espirituoso: “Que esse prêmio seja destinado a um ser humano imundo, não quer dizer que não seja um  grande escritor”. A propósito, a frase está muito mal construída, para um escritor de tanto prestígio. Só Lula para acompanhá-lo nessa. Ou Tiririca. Ao menos pareceu reconhecer os  méritos literários evidentes do peruano. Imundo? Ora, com a vida  organizada que tem, com o temperamento de nobre britânico que tem, com a finess reconhecida que é sua marca registrada a  tal imundícia a ele atribuída certamente não é derivada de sua vida  privada. Nem de sua obra, aclamada até pelo Manguel. Então só me resta crer que o escritor  argentino, agora canadense como se apresenta, atribui a tal imundícia às posições políticas de Mario Vargas Llosa.

É assim que a  esquerda se comporta. Se alguém não reza pelo seu credo é inimigo e, ainda que talentoso e laureado, lançará sobre o dissidente o opróbrio mais  depreciativo, sempre que possa. Desconfio que o famoso escritor argentino  e canadense Alberto Manguel foi apenas um  portador de recado da malta fiel a Fidel. Vargas Llosa jamais terá  perdoada a sua ousadia de combater o castrismo, o comunismo e todas as formas de totalitarismo. Mas não será um afamado argentino-canadense, cuja obra ninguém leu, que conseguirá atingir o grandioso naquele que é realmente grandioso.

Vargas Llosa não foi  engrandecido pelo Prêmio Nobel. Deu-se exatamente o contrário: seu nome  elevou o laurel sueco. Aos homens menores, mas honestos, caberia aplaudir.  Aos menores desonestos e despeitados, bem, a estes cabe enxergar imundície onde reluz o ouro mais puro. São aqueles que atentam não apenas contra a inteligência, mas também contra os bons costumes. São os imundos por  antonomásia.

RELACIONADOS

Deixe um comentário

1 comment

  1. graciliano

    Nivaldo insiste em dar palpites sobre Política? Depois de seu artiguete sobre “a derrota total do PT”, que só ele viu acontecer, deveria mudar de assunto.
    Sabem por que a esquerda avança no Brasil e na América Latina? Porque a direita tem “intelectuais” desse nível, que pensam com o fígado, e não enxergam um palmo adiante do nariz.
    Nivaldo e Reinaldo do Esgoto são protótipos desse padrão que prioriza o ódio e o fundamentalismo sobre a mais primária análise de fatos.