O discreto charme do fracasso

Alexandre Schwartsman

Durante os anos em que vigorou no Brasil o “tripé macroeconômico” (câmbio flutuante, metas para a inflação e um compromisso sério com o superavit primário), cansei de ouvir economistas que prometiam o paraíso caso o país abandonasse o regime.

Não se trata de caricatura. Basta ver o tanto de tinta usado para afirmar que todos os problemas do país se resumiam a dois preços “fora de lugar”: a taxa de câmbio e a taxa de juros; portanto, uma vez “corrigidos” esses preços, o caminho para o crescimento se acharia desimpedido.

Esse desejo de mudança foi atendido. Desde 2009, não sabemos o que é ter inflação na meta (está no intervalo permitido, mas -veja que curioso- sempre na sua parte superior, mais perto do teto que da meta). Já de flutuante a taxa de câmbio só preservou o nome, encaixotada entre R$ 2,00 e R$ 2,10 por dólar. Por fim, em apenas um dos últimos quatro anos a meta de superavit primário foi atingida sem artifícios contábeis.

A valer o que esse pessoal assegurava, a economia brasileira deveria estar crescendo a taxas aceleradas, mas, bem sabemos, não é o caso. Depois de aumento medíocre em 2011, a expansão do PIB (Produto Interno Bruto) não deve ter superado 1% no ano passado e, apesar da nova rodada de promessas dos elfos videntes, provavelmente nos encaminhamos para mais um ano de baixo crescimento em 2013 (cerca de 3%). Não bastasse isso, o investimento cresce como rabo de cavalo, caindo por cinco trimestres consecutivos (provavelmente seis, mas isso só se saberá em março).

A estabilidade não é condição suficiente para o crescimento acelerado, mas não deixa de ser necessária

Economistas sérios se aproveitariam disso para tentar entender o que deu errado. Já o presidente da Associação Keynesiana Brasileira, antro da fina flor dos “keynesianos de quermesse”, prefere inovar. Segundo artigo cometido no jornal “Valor” na semana passada, a culpa pelo baixo crescimento é a “herança maldita”, isto é, o regime de política econômica (“ortodoxa”) que vigorou no país.

Sob outras condições, chegaria a ser engraçado: o mesmo regime não impediu a economia de crescer em torno de 4% ao ano (e o investimento, mais do que isso, vindo de 15% para 19% do PIB), mas, em virtude de alguma mágica não explicitada, seria atualmente o responsável pelo baixo desempenho, e isso durante o período em que foi solenemente abandonado. Segundo tal lógica, a causa da obesidade não é comer muito e se exercitar pouco, mas, sim, ter, anos atrás, comido pouco e se exercitado muito…

Ainda no domínio impecável da lógica, o líder quermesseiro afirma que não se pode comparar o Brasil aos demais países latino-americanos (Chile, Colômbia e Peru) para avaliar o efeito negativo dos fatores externos sobre o crescimento porque se trata de economias “de pequeno porte (…), cujo dinamismo é derivado primordialmente da exportação de commodities e produtos agrícolas”.

Parece ter esquecido que economias desse tipo são precisamente as que mais sofreriam, seja em termos de crescimento, seja de investimento, caso a origem da desaceleração econômica fosse a crise externa. Seu desempenho superior ao brasileiro em ambos os quesitos, pelo contrário, apenas reforça a noção de que os problemas nacionais têm origem doméstica.

A verdade é que a cada dia se torna mais claro que as promessas de aceleração do crescimento pela adoção de um novo regime de política econômica não se materializarão. Mesmo sabendo que a estabilidade não é condição suficiente para o crescimento acelerado, ela não deixa de ser condição necessária, e os custos do abandono do tripé se tornam crescentemente visíveis, em particular no campo inflacionário, piorando o ambiente em que as empresas tomam suas decisões de investimento.

Só o discreto charme do fracasso, na definição precisa de Mário Mesquita, justifica o espaço dedicado àqueles que, mesmo confrontados com o fiasco de suas proposições, ainda se arrogam o direito de negar o que a realidade insiste em revelar.

Fonte: Folha de S.Paulo, 16/01/2012

RELACIONADOS

Deixe um comentário

2 comments

  1. Silmar P. Rodrigues

    Sim. E qual é a proposta do articulista para que o desempenho do PIB brasileiro melhore? Apenas voltar rigidamente ao tripé mencionado?
    O receituário ortodoxo, em linhas gerais, é o que tem sido adotado pelos países europeus em crise. Os resultados são os que vemos. Por exemplo, a Espanha com 23% de desemprego. Por que lá não está dando certo a ortodoxia econômica? Será que ela é o melhor caminho em situações de crise?
    A simples contraposição entre ortodoxia e keynesianismo não leva a nada. Esqueçam-se os rótulos. Precisamos de decisão e ação concreta.
    Com a palavra o articulista: o que fazer?
    Abraço.

  2. Raul Prestes

    Gostei do artigo. Preciso. Sobre o comentário acima: “O receituário ortodoxo, em linhas gerais, é o que tem sido adotado pelos países europeus em crise. Os resultados são os que vemos.” penso que a comparação com países da Europa ou mesmo com USA é inadequada, já que os problemas são totalmente diferentes, quando não opostos. A primeira coisa a fazer , o que esse governo míope não consegue ver, é ATRAIR o máximo que pode em investimentos ( quase tudo falta nesse país!!). Faltam estradas, portos, hospitais, presídios, escolas, universidades de qualidade, tecnologia…O governo trata mal o capital que investe. Ele quer , de forma tirana e populista, dizer quanto o empresário pode ter de retorno. Esse governo é inimigo do investimento privado. Ele quer tudo na mão do Estado e o resultado está sendo o que vemos: baixo crescimento e alta da inflação. Sobre ortodoxia e Keynesianismo, apenas deixe o Banco Central ser independente REALMENTE e fazer seu trabalho : controlar a inflação.