O pacote e a dúvida

A ameaça da desindustrialização disparou um novo pacote em defesa dos setores mais atingidos pela concorrência dos importados. O governo aprofundou sua estratégia de desoneração da folha de pagamento em indústrias convencionais, como têxtil e vestuário, couro e calçados, hotéis, móveis, plásticos, material elétrico, autopeças, ônibus, naval e aeronáutica.

Os excessivos encargos trabalhistas e previdenciários são armas de destruição em massa de empregos nacionais. São 50 milhões de brasileiros sem carteira assinada, condenados à baixa produtividade dos mercados informais. Esses encargos são, na verdade, impostos sobre o uso da mão de obra, atingindo principalmente os trabalhadores menos qualificados, os jovens sem experiência de trabalho, ainda em busca do primeiro emprego, e os trabalhadores mais idosos que se desatualizaram.

Apesar desse esforço defensivo em meio à guerra mundial por empregos, deflagrada pela grande crise contemporânea, estamos ainda longe das políticas públicas que assegurem a criação de empregos e o aumento da produtividade do trabalhador brasileiro e da competitividade de nossa indústria. O regime fiscal expansionista há décadas trouxe uma trajetória de juros explosivos e câmbio sobrevalorizado. O manicômio tributário aumentou a taxa de mortalidade das pequenas e médias empresas. A insuficiência de investimentos públicos e a regulamentação inadequada tornaram deficientes nossa infraestrutura e a logística das cadeias produtivas industriais. As fontes de capital de risco e a qualificação do capital humano são insatisfatórias para setores mais especializados. E os encargos sociais e trabalhistas eliminaram os benefícios da mão de obra barata.

A insuficiência de investimentos públicos e a regulamentação inadequada tornaram deficientes nossa infraestrutura e a logística das cadeias produtivas industriais

Há também o risco de uma gradual perda de credibilidade da política macroeconômica. O afrouxamento simultâneo das políticas monetária e fiscal em 2008-2009 foi uma fulminante e bem-sucedida resposta à grande recessão global. O Brasil escapou de um buraco negro da produção e do emprego, crescendo 7% em 2010, coincidentemente um ano de eleições presidenciais. Mas, em 2011, tivemos forte desaceleração econômica, crescendo apenas 2,7%.

Estamos mais uma vez baixando os juros e os impostos simultaneamente em 2012. É uma resposta legítima ao estado anêmico da economia? Ou apenas manifestação dos lamentáveis ciclos políticos, oportunísticas manipulações macroeconômicas pré-eleitorais?

Fonte: O Globo, 09/04/2012

RELACIONADOS

Deixe um comentário

1 comment

  1. maria ines garcia

    Prezado Paulo,

    Leio habitualmente,às 2a.feiras, os seus artigos e o de hoje, particularmente, chamou mais a minha atenção, pois o meu trabalho diz respeito aos arranjos produtivos . As empresas que fazem parte do Polo, do qual acompanho, são , em sua maioria, pequenas e médias empresas do setor textil . Todas as questões abordadas, obviamente, estão sendo sentidas pelo setor. Se eu puder ter a oportunidade de conversar pessoalmente com você, tenho certeza que conseguiria extrair da sua capacidade, conhecimento e experiência , algo inovador a ponto de iniciar um processo contrário a que tudo que se vê , se sente e se lê. A sua contribuição viria ajudar na reflexão sobre como podemos enfrentar os entraves ao desenvolvimento econômico e social da região, onde o Polo está instalado.
    Maria Inês Garcia