Independência da CGU em debate

10/09/2015. Crédito: Rodrigo Nunes/Esp.CB/D.A Press. Brasil. Brasília - DF. Entrevista com Gil Castello Branco, fundador e secretário-geral da Associação Contas Abertas.

A fusão da Controladoria Geral da União (CGU) com o novo ministério da Fiscalização, Transparência e Controle e sua dissociação do poder Executivo, anunciada pelo presidente interino Michel Temer, gerou preocupação quanto a capacidade de investigação da controladoria. O economista Gil Castello Branco, da ONG Contas Abertas, concorda que a rigor o órgão que audita deveria estar em uma instância superior aqueles que serão auditados. “Acho extremamente importante que se busque o ideal, que é ter a CGU como uma espécie de agência independente”.

Por outro lado, ele lembra que o fato de estar ligada a presidência da república não impediu que nos últimos anos a CGU viesse sofrendo graves restrições no que diz respeito ao orçamento. Gil Castello Branco também destaca outros aspectos que contribuiriam para transformar a controladoria em um órgão de estado e não de governo como: a blindagem contra influências políticas, ter um bom plano de cargos, bons salários e treinamentos constantes.

Ouça!

Deixe um comentário