Política externa brasileira, presente e futura; o que andou errado, o que se deveria corrigir?

Nunca antes na diplomacia brasileira…

Toda e qualquer política pública apresenta aspectos positivos e outros menos positivos. Com as relações exteriores não deveria ser diferente. A política externa seguida nos últimos doze anos não foi exatamente aquela que o Itamaraty poderia ter concebido como diretriz própria, do contrário não teriam havido tantos editoriais críticos nos grandes jornais, levantando a questão do fim do consenso nacional em torno das opções externas adotadas pelo partido hegemônico nesse período. Os defensores da política externa do lulo-petismo acreditam que ela tenha sido legitimada unicamente em função das vitórias eleitorais em 2003, em 2006 e em 2010. O fato é que nunca houve um debate aprofundado, pré ou pós-eleitoral, em torno dessas opções, nem os eleitores seriam capazes de formular um julgamento claro sobre assuntos tão complexos como os que frequentam a agenda diplomática, apenas com base numa escolha genérica feita em torno de questões eminentemente sociais ou políticas que aparecem nas eleições.

Pode-se, portanto, questionar os rumos adotados pela política externa dos anos do lulo-petismo com base numa avaliação de suas intenções declaradas (e alguns de seus propósitos menos transparentes), tanto quanto sobre seus resultados efetivos. Parece evidente, aos olhos dos observadores mais atentos, que existe uma grande distância entre a velha (mas não superada) diplomacia conduzida pelo Itamaraty, tradicional no bom sentido da palavra, e a diplomacia do “nunca antes”, ou seja, a política externa partidária operada pelos companheiros, defensores de várias causas dúbias, muitas outras perdidas, ou que simplesmente se tornaram anacrônicas desde a queda do muro de Berlim pelo menos (mas provavelmente desde antes também).

Ainda recentemente, um desses iluminados do partido da soberania nacional voltou a agitar o fantasma de uma volta ao passado, referindo-se continuamente ao neoliberalismo, como se um país dirigista e estatizante como o Brasil tenha sido, algum dia, liberal. Não se sabe bem quais traidores da pátria andaram por aqui praticando as artes sempre perversas do neoliberalismo, que parece comprometido com as piores intenções possíveis, a do atraso nacional, por exemplo. Tudo isso revela muita falta de imaginação, ou falta do que falar, justamente, trazendo novamente à pauta o velho fantasma do neoliberalismo. Devia ser numa assembleia da UNE, certamente, essa organização que contribui enormemente, nos nossos dias, para o atraso mental do país.

Os rumos sensatos da diplomacia profissional também foram bastante afetados pelo personalismo presidencial

Não nos esqueçamos que tudo começou pela tentativa de se implantar um Fome Zero Universal, quando sequer o brasileiro deu certo, e foi logo abandonado e substituído pela assemblagem marota de todos os programas sociais existentes desde o governo anterior, apenas rotulando-os com um novo nome e aumentando o poder de fogo do curral eleitoral então criado. Sinceramente, não sei se deveria ser motivo de orgulho nacional o fato de ter mais de um quinto da população do país numa lista oficial de assistidos por esmolas do governo, como se isso fosse um sinal de normalidade no quadro da comunidade internacional.

Os rumos sensatos da diplomacia profissional também foram bastante afetados pelo personalismo presidencial, e tudo passou a girar em torno da figura retumbante do guia genial dos povos, o grande líder das nações oprimidas pelo imperialismo, o homem que iria comandar uma cruzada contra o unilateralismo arrogante dos países hegemônicos, até mudar a relação de forças no mundo e inaugurar uma nova geografia do comércio internacional. Em nome desses objetivos grandiloquentes, várias iniciativas de grande envergadura foram tomadas, para as quais se mobilizaram mundos e fundos, e recursos humanos em abundância, sempre com o objetivo de exaltar a figura do chefe e seus discursos de sindicalista universal.

Em todo caso, cabe confrontar argumentos em torno de alternativas de política externa, preferencialmente em direção de uma que garanta rumos adequados ao país no plano internacional, já que a diplomacia adotada pelos companheiros nos últimos doze anos trouxe fundadas desconfianças de que não serve a um país como o Brasil, que pode ser várias coisas na economia e na política, menos certamente bolivariano. Antes de falar do que poderia ser adequado para a política externa brasileira na próxima década, cabe começar pela simples identificação do que não foi adequado nessa política, durante a última década. A partir daí talvez seja possível corrigir alguns dos erros, os desvios, os muitos equívocos, as deformações, enfim tudo aquilo que, antes dos companheiros chegarem ao poder, nunca tinha sido feito na área diplomática. Vamos iniciar por uma pequena listagem de inadequações e de equívocos diplomáticos cometidos no passado recente, para discutir, em seguida, as bases de uma política externa racional.

Política externa brasileira, presente e futura;o que andou errado, o que se deveria corrigir? – Parte II

Política externa brasileira, presente e futura; o que andou errado, o que se deveria corrigir? – Parte III

Política externa brasileira, presente e futura;o que andou errado, o que se deveria corrigir? – Parte IV

RELACIONADOS

Deixe um comentário