Por que inovamos tão pouco?

O número de patentes geradas a cada ano não é a única forma de medir o que um país produz em termos de inovação. Quando, no entanto, se trata de pedir registro de novas patentes à OMPI (Organização Mundial da Propriedade Intelectual), os números são embaraçosos.

Em 2012, os EUA entraram com 50 mil novos pedidos; China, 17 mil; Coreia do Sul, 11.000. Brasil? Pouco mais de 600.

Por que o Brasil vai mal em inovação intensiva em tecnologia quando o mundo nos vê criativos e empreendedores?

Nossa criatividade voltada ao mercado é bem-sucedida: o aclamado design das Havaianas e os cosméticos ecologicamente corretos da Natura são bons exemplos.

Ademais, o Relatório de 2010 do Global Entrepreneurship Monitor aponta o Brasil como o mais empreendedor dos países do G20.

Por que então não surgem mais startups brasileiras com potencial para virarem novos Googles ou Teslas? Bem, “criatividade não é suficiente”, estipulava Theodore Levitt. Para esse lendário guru de Harvard, “criatividade é pensar coisas novas, inovação é fazer coisas novas”.

A inovação brasileira é do tipo “adaptação criativa”, não a schumpeteriana “destruição criativa”, que reinventa setores e inaugura ciclos econômicos. É a isso que convida a política industrial de substituição de importações dos últimos dez anos.

Inovar vem da interação entre capital, conhecimento, empreendedorismo e um ecossistema que catalise tudo isso. Seria possível esperar do Brasil grandes inovações quando investimos apenas 1% de nosso PIB em pesquisa & desenvolvimento (P&D)? A média nos 20 países mais inovadores é de 2,3%.

Produção científica brasileira gera cada vez mais artigos, mas poucos produtos inovadores

O Brasil concentra 80% dos gastos com inovação em instituições governamentais. A maioria dedica-se à ciência pura. Interação com empresas não faz parte de seu ethos.

E nas universidades públicas muitos professores e alunos demonstram feroz resistência ideológica a laços estreitos com empresas.

A presidente Dilma Rousseff busca estimular a inovação por meio do “Ciência sem Fronteiras”. Ainda que louvável, o programa apenas tangencia a P&D orientada a mercado, o que requer do Brasil ambiente de negócios conducente à inovação.

Resultado: a “produção científica” brasileira expande-se com mais e mais artigos publicados em revistas indexadas, mas poucos produtos inovadores.

Mas se seu papel é chave, por que o setor privado investe tão pouco em inovação?

Abismo entre universidades e empresas. Políticas que sufocam a concorrência. Complexidades burocráticas, trabalhistas e fiscais a exaurir recursos que poderiam ser destinados a laboratórios e cientistas.

Eis os fatores que arrastam o Brasil à 56 ª posição no mais recente Relatório de Competitividade Global.

Nosso subdesempenho inovador tem menos que ver com deficiências na ciência, criatividade ou capacidade empreendedora e mais com camisas de força microeconômicas e institucionais. Os obstáculos que coíbem a inovação empresarial são os mesmos que bloqueiam nosso caminho à prosperidade.

Fonte: Folha de S. Paulo, 18/10/2013

RELACIONADOS

Deixe um comentário

1 comment

  1. Victor Venancio Aráoz

    “Ciência sem Fronteiras”, sinto pelos casos que vejo e pelas reportagens que recebo que muitos meninos/as estão sendo convidados para doutorados após o termo dos seus cursos. Corremos o risco de perde-los!!! Ficar no primeiro mundo ou no Brasil, eis a questão. Até nisso temos que competir: fazer o país digno do acadêmico optar por ele.
    Sucesso para todos nós.