Sábado, 10 de dezembro de 2016
Mantenedores mantenedores

Por quem os juros sobem

O fato de o Banco Central subir os juros enquanto a economia está em recessão gera muita controvérsia. A razão da alta é simples: a inflação está elevada e, muito importante, as expectativas estão acima da meta para este e os próximos anos.

Para este ano, alguns analistas já esperam inflação de 9% por causa do impacto da correção dos preços administrados, que ficaram represados por anos. A inflação, entretanto, já estava alta devido a um desequilíbrio entre oferta e demanda, razão básica de elevação de preços. Os incentivos ao consumo não foram acompanhados por aumento dos investimentos visando maior oferta de bens, o que gerou desequilíbrios.

Mesmo em ambiente recessivo, subir os juros é necessário pelo simples fato de a inflação estar alta

Para controlar a inflação, o Banco Central vem subindo os juros desde outubro, apesar do ambiente já recessivo. Essa conjuntura realimenta dúvidas antigas, populares no Brasil e na América Latina, mas ultrapassadas nas economias mais desenvolvidas, sobre a eficácia da alta de juros contra a inflação. Busca-se, assim, justificar a aplicação de métodos alternativos, já testados e fracassados em várias regiões, inclusive no nosso país.

A política monetária clássica de alta de juros, transmitida à economia por canais como o crédito, o câmbio, a expectativa de inflação e outros, é inequivocamente a forma eficaz de combater a elevação de preços. Mesmo em ambiente recessivo, subir os juros é necessário pelo simples fato de a inflação estar alta.

E um dos fatores que mais alimentam a inflação é o fato de os formadores de preço -como dentistas, advogados, indústrias e varejistas – esperarem que ela siga acima da meta de 4,5% estabelecida pelo governo. Assim, esses agentes reajustam preços baseados na expectativa de inflação alta no futuro.

Isso traz grandes custos à sociedade, como desemprego e recessão, já que, para trazer a inflação à meta, a queda da demanda e da atividade econômica tem de ser maior do que se a expectativa estivesse na meta. Por isso, o controle das expectativas é um dos fundamentos do controle de inflação no sistema de metas adotado pelo Brasil.

Independentemente de controvérsias, é necessário, portanto, que as medidas contra a inflação sejam suficientemente fortes e comunicadas com clareza para que haja queda consistente das expectativas para 2016 e 2017. Se convergirem à meta, permitirão redução considerável dos juros e retorno do crescimento.

A economia brasileira só voltará a crescer de forma vigorosa e sustentável com reformas estruturais. Mas, quanto mais rápidos e eficazes forem o ajuste fiscal, o acerto dos preços administrados e a contenção da inflação, mais condições o país terá para retomar o crescimento e melhorar o padrão de vida de toda a população.

Fonte: Folha de S. Paulo, 14/6/2015

Escreva um comentário

Seu e-mail não será publicado.