Privatize já!

Milton Friedman alertava que se o governo fosse colocado para administrar o deserto do Saara, em cinco anos faltaria areia no local. O que aconteceria se o governo fosse o empresário em um país com abundância de fontes baratas de energia?

Sabemos a resposta: apagões frequentes, necessidade de importar combustível e energia cara para os consumidores. É importante notar que este resultado não depende tanto assim de qual partido está no poder, ainda que a capacidade de o PT causar estragos maiores não deva jamais ser ignorada. Mas o principal ponto é que o mecanismo de incentivos na gestão estatal é totalmente inadequado.

Quando o empresário depende do lucro para sobreviver no livre mercado, a busca por excelência passa a ser questão de vida ou morte para ele. Manter a elevada produtividade de sua empresa e atender bem à demanda de seus clientes é crucial para ele prosperar. Para tanto, ele terá de estimular seus bons funcionários, e punir os incompetentes.

Já nas estatais, os “donos” somos nós, sem poder algum de influência em sua gestão, que fica sob o controle de políticos e burocratas cujos interesses diferem dos nossos. A troca de favores políticos para a “governabilidade”, o uso da empresa como cabide de empregos para apaniguados ou instrumento de política nacionalista, o descaso com o “dinheiro da viúva”, estas são as características comuns nas estatais.

Não é coincidência a enorme quantidade de escândalos de corrupção que é divulgada na imprensa envolvendo estatais, tampouco o fato de os setores dominados pelo Estado serem os mais precários. Portos e aeroportos, os Correios, os transportes públicos, as escolas e os hospitais administrados pelo governo, o Detran, os presídios, enfim, basta o Estado intervir muito para estragar qualquer setor da economia.

Quando um partido com mentalidade mais estatizante assume o governo, a situação tende a piorar bastante. A arrogância de que o governo pode fazer melhor do que a iniciativa privada acaba levando a um nefasto modelo “desenvolvimentista”. É o caso do governo atual. A presidente Dilma acredita que é realmente capaz de administrar os importantes setores de nossa economia.

Quando um partido com mentalidade mais estatizante assume o governo, a situação tende a piorar bastante

Isso explica a quantidade assustadora de intervenções arbitrárias que tanto mal têm causado ao país. A Petrobras virou símbolo de incompetência, com crescimento pífio da produção e enorme destruição de valor para seus milhões de acionistas. Seu valor de mercado já caiu pela metade desde 2010, mesmo com o preço do petróleo estável no mundo. Enquanto isso, o valor da Ambev quase dobrou no mesmo período e chegou a ultrapassar o da estatal.

Os bancos públicos se transformaram em instrumentos de populismo, fornecendo crédito barato a uma taxa de crescimento irresponsável, que vai acabar produzindo uma bolha imobiliária no Brasil, tal como vimos nos EUA, na Irlanda e na Espanha. A Caixa expandiu sua carteira em 45% nos últimos 12 meses!

O BNDES virou um megaesquema de transferência de recursos dos pagadores de impostos para grandes empresas próximas ao governo. Grupos como JBS, Marfrig e EBX, do bilionário Eike Batista, receberam bilhões em empréstimos subsidiados.

A Eletrobras já perdeu cerca de 70% de seu valor de mercado apenas este ano, pois o governo resolveu usar a estatal como centro de custo para sua meta de reduzir as tarifas de eletricidade na marra, em vez de cortar os impostos (que correspondem a 45% da tarifa final). Como o cobertor é curto, vai faltar recurso para novos investimentos, prejudicando o futuro do setor.

Existem outros exemplos, mas o ponto está claro: o governo costuma ser um péssimo empresário, e isso se deve a fatores estruturais. Quando um partido convencido de sua suposta clarividência chega ao poder, o estrago por meio das estatais tende a ser ainda pior. Estamos vendo exatamente isso na gestão Dilma. Suas medidas estancaram o crescimento econômico, mas a inflação continua elevada.

O Brasil, para usar um termo dos psicólogos, é hoje um caso borderline. O governo sofre do transtorno de personalidade limítrofe. Ele ainda não sabe se quer fazer parte do grupo dos vizinhos mais decentes, como Chile, Colômbia e Peru, ou do “eixo do mal”, com a Venezuela, Argentina, Bolívia e Equador. Pelos sinais emitidos até aqui, ele parece gostar é do fracasso socialista mesmo.

Fonte: O Globo, 27/11/2012

RELACIONADOS

Deixe um comentário

4 comments

  1. Jheneyson denis

    A Companhia Paranaense de Energia é uma empresa de economia mista cujo sócio principal é o Governo do Paraná.Nos últimos anos ganhou diversos prêmios de qualidade no fornecimento pela associação Brasileira de Distribuidoras de Energia (Abradee)na frente de empresas privadas do setor,além disso foi eleita pela Revista isto É a melhor do setor elétrico em ranking da Isto é Dinheiro 2012.Além da Copel temos a Cemig que também tem muito sucesso.Como se explica alguns casos de sucesso de estatais a frente de alguns setores e outros fracassos?No caso ambas estatais estão na mão do Psdb. Gostaria de uma resposta pois sou estudante de administração e estudo esses assuntos e uma o opinião como a sua seria importante.

  2. Naldinho Silva

    Depois da crise de 2008 os liberais tem que ser muito cara de pau e hipocritas para falar em privatizacao… o papai estado salvou o capitalismo, salvou banco, no brasil o maior milionario eike e todas as empresas mamam na teta do bndes. o resto é delírio desse intelectual de orkut. falar em eixo do mal, mania de perseguicao e polemismo rasteiro, a la bush

  3. Carlos

    Jheneyson Denis, a resposta é que você está lendo fontes ruins. Esse Constantino deveria se limitar às especializações dele, e olha lá! Um cara que se diz ‘economista’, dizer que teremos uma ‘bolha imobiliária no Brasil’.., sendo que o crédito imobiliário hoje corresponde à cerca de 7% do PIB brasileiro (compare 110% dos EUA, 70% da Espanha.. e 5% no BRasil..) Vá ler outra coisa que não esse rapazola que acabou de sair da faculdade e já se acha guru, metendo o bedelho em tudo.

  4. Leônidas Costa Andrade

    Tudo bem que o garotinho rico aprendeu com o papai que quanto pior pros pobres melhor pra eles, entendo, mas para não cair na tentação de falar asneira achando que vai convencer alguém sugiro que o baby leia outros autores mais sofisticados: http://www.conversaafiada.com.br/politica/2013/02/26/edu-fhc-e-um-blefe-segundo-o-pig/, o problema dos liberais está exatamente em insistir na tese de que governar um país é como administrar uma empresa, não é, a começar pelo fato de numa empresa quem manda é o diretor (sócio majoritário) ou o presidente (nas S/As), mas, é também um grande equívoco dos liberais querer fazer crer que a corrupção só existe nas instituições públicas, mentira, eu tenho mais de 40 anos de serviço só em empresas privadas e já vi até empresas falirem de tanto roubo, ademais, o agente público é corrompido por empresário da iniciativa privada, onde se sustenta a tese de que o setor privado é santo?.