A privatização é, de novo, tratada como a Geni

Pode-se discutir se a referência feita na última sexta-feira pela presidente Dilma Rousseff ao programa de privatização posto em prática pelo presidente Fernando Henrique Cardoso tem ou não tem caráter eleitoral. Em cadeia nacional de televisão, Dilma disse que o modelo foi “questionável”, o que despertou a ira do presidente do PSDB, Sérgio Guerra.

Tenha ou não tenha tido a intenção de dar uma força à cambaleante campanha de Fernando Haddad e de outros petistas que tentam vencer eleições consideradas vitais pelo partido do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o fato é que a presidente tocou numa das feridas mais mal cicatrizadas da administração pública brasileira.

A desestatização que foi proposta pelo ex-presidente Fernando Collor, começou a ser implementada por Itamar Franco e prosseguiu nas mãos de Fernando Henrique Cardoso é, sem favor algum, um dos mais importantes e bem sucedidos programas não de governo, mas de Estado, já vistos no país.

A ele pode ser atribuído o crescimento de companhias que marchavam para a bancarrota até serem salvas e ganharem força sob controle da iniciativa privada, como é o caso da Usiminas, da CSN, da Embraer ou das empresas telefônicas. Até mesmo a Vale ganhou com os novos acionistas uma dimensão que jamais teria como estatal. Todas elas ajudaram a dar um novo vigor à economia do país.

A despeito de seu sucesso, a privatização se transformou em borduna eleitoral nas mãos do PT. Na disputa de 2006, foi desancada por Lula sem que um único tucano saísse em defesa de FHC. O programa ficou, assim, parecido com a Geni, da música de Chico Buarque. Todos a hostilizam. Mas, na hora que a situação aperta, é a ela que recorrem para resolver seus problemas.

A privatização se transformou em borduna eleitoral nas mãos do PT

O fato é que a privatização feita pelo PSDB foi muito mais bem sucedida do que o modelo adotado pelo PT – e nem diante dessa evidência os tucanos conseguem defendê-la com decência. Veja o caso das rodovias. Compare, por exemplo, a Dutra (que liga São Paulo ao Rio de Janeiro) privatizada por Fernando Henrique Cardoso com a deplorável Fernão Dias (que liga São Paulo a Belo Horizonte), privatizada por Lula.

Enquanto a Dutra é uma estrada decente, que melhorou depois da privatização, a outra é uma vergonha com seus pedágios caça-níqueis. No entanto, os petistas criticam a Dutra e os tucanos sequer têm a coragem de apontar o dedo na direção da outra. E os aeroportos? Por que os tucanos não batem na reestatização proposta para Confins e Galeão?

Dilma criticou, sim, a privatização de FHC e talvez não devesse ter feito isso. Mas se ela e seu partido sentem-se tão à vontade para questionar o tal modelo, a culpa é dos tucanos que nunca tiveram (quando ainda havia tempo para isso) a coragem de mostrar a cara para defender um programa que lhes rendeu tantos votos no passado.

Fonte: Brasil Econômico, 10/09/2012

RELACIONADOS

Deixe um comentário

3 comments

  1. Marcelo de Souza

    Privatizar é Precarizar e Encarecer para o povo para dar lucro para os poucos empresários. Não a toa as estatais, bancadas pelo papai estado europeu, ganharam tanto nas privatizacoes da América Latina comprando nosso patrimônio vendido a preços tucanos.

  2. Carlos U. Pozzobon

    As privatizações no governo FHC foram as principais reformas feitas no Brasil. As dívidas eram enormes, todas elas corroídas pelas administrações pusilânimes do regime militar e que se repetem na era petista com a mesma cadência do populismo devastador. O que Marcelo Souza afirma sobre os “preços tucanos” não passa de uma difamação, pois toda a empresa privatizada foi vendida com o comprador assumindo as dívidas, todas elas geradas pelo mesmo modelo político. Considerem, por exemplo, o caso da Petrobras, que tinha dívida de 27 bilhões em 2007 e já está com 130 bilhões atualmente. Pagará algum dia suas dívidas com o aumento cada vez maior do endividamento? Claro que não, dentro em breve a dívida será maior do que o valor da empresa e ela terá que ser privatizada a preço de banana. E quem a transformou em bananal? A mesma gente que contesta as privatizações de FHC.

  3. MARCELO

    ANTES, POUCA GENTE TINHA TELEFONE, ERA ARTIGO DE LUXO, MAS O SERVIÇO ERA BARATO. AGORA, TODO MUNDO TEM TELEFONE, INCLUSIVE CELULAR, MAS A TARIFA É CARÍSSIMA, O SERVIÇO É RUIM E AS EMPRESAS DE TELEFONIA ESTÃO ENTRE AS QUE MAIS RECEBEM RECLAMAÇÕES. VAMOS COMBINAR: AS PRIVATIZAÇÕES TUCANAS FORAM MUITO MAL FEITAS, SERVIRAM APENAS PARA ENGORDAR O CAIXA DO PARTIDO, QUE, MESMO ASSIM, COM DINHEIRO NO BOLSO PARA DAR E VENDER, PERDEU A RELEVÂNCIA POLÍTICA, TORNANDO-SE UMA AGREMIAÇÃO COM O MAIOR NÚMERO DE POLÍTICOS IMPEDIDOS PELO FICHA LIMPA, COMO PUBLICOU RECENTEMENTE A FOLHA DE SÃO PAULO. NÃO É PRECISO DIZER MAIS NADA, NÉ?