A filiação de Marina Silva ao PSB de Eduardo Campos tem por objetivos apresentar à sociedade brasileira um programa capaz de sepultar de vez a Velha República, criar uma alternativa à polarização entre o PT e o PSDB, acabar com o chavismo que se instalou no Brasil e mudar as nossas práticas políticas, explica a ex-senadora. A coligação democrática com a Rede Solidariedade contribui para que o Brasil efetivamente mude, para que possamos enterrar a velha política no país. Vamos semear a boa política. Vamos renovar as nossas práticas. Ninguém vai melhorar este país se não melhorar a política , diz o governador de Pernambuco. É uma boa notícia: pela primeira vez desde que retomamos as eleições diretas, em 1989, a reforma de degeneradas práticas políticas é apresentada como plataforma eleitoral nas eleições presidenciais.

O momento é oportuno, pois as expectativas de mudanças acabam de sofrer um duro golpe com o inocente voto útil do ministro Celso de Mello. A última decisão do Supremo tribunal Federal agrava a atmosfera de descrédito com as instituições. A indicação de dois novos membros do STF pelo governo, após rumores de conversas com candidatos para comprometê-los com um comportamento brando no julgamento do Mensalão, exemplifica a contaminação da pureza jurídica pelas pressões políticas, registra o ex-presidente FHC, que patrocinou em benefício próprio emenda constitucional pela reeleição, com uma receita tucana aperfeiçoada pelos petistas: suspeitas alianças com vorazes conservadores em nome da governabilidade, adiando para sempre as reformas.

O falso despertar do Judiciário, apesar dos históricos esforços do ministro Joaquim Barbosa, devolve a iniciativa de mudanças das práticas políticas à candidatura presidencial do PSB. Seria uma alternativa à feroz disputa entre o PT e o PSDB pelo nicho ecológico da política convencional, de práticas inaceitáveis sob o pretexto da governabilidade. Cessariam as guerras de extermínio entre espécies igualmente incapazes de resolver os problemas da corrupção e do baixo crescimento econômico, as duas faces de um Estado do Antigo Regime que alianças espúrias entre despreparados social-democratas e conservadores oportunistas não souberam nem ousaram reformar.

Fonte: O Globo, 07/10/2013

RELACIONADOS

Deixe um comentário

1 comment

  1. Francisco de Assis Torres de Oliveira

    Imaginar que Marina Silva formada pela ideologia petista e Eduardo Campos(ou seria Arraes?)aliados históricos do petismo poderão se o”novo”na política não passa de ingenuidade política.Quem muda o país é a população e não políticos demagogos e oportunistas como esses que estamos cheios no Brasil e para todos os gostos ideológicos(será que ainda existe ideologia?).
    FHC,Lula,Marina,Eduardo Campos,Aécio não são solução e sim parte do problema que carece muito mais de uma populaçao participativa e menos de messianismo eleitoral.