Mensalão, o musical

Políticos com ternos brilhantes, gravatas medonhas e cabelos acaju invadem a cena cantando para Lula e Jefferson: “Ei você aí/me dá um dinheiro aí/me dá um dinheiro aí”

Com grandes espetáculos, cenários luxuosos, elencos competentes e salas lotadas em longas temporadas, os musicais se tornaram o sucesso do momento no teatro brasileiro. Em tese, qualquer tema pode inspirar um musical, bastam boas musicas e letras e uma historinha para costurar tudo. Até o mensalão daria um musical.

A abertura seria a cena verídica, relatada por José Casado, do encontro de Lula e Zé Dirceu com Roberto Jefferson para celebrar o acordo do PT com o PTB. Com bons vinhos e largos sorrisos, eles chegam para o jantar festivo na casa de Jefferson. Depois do lauto repasto, dos risos e das garrafas vazias, passam à biblioteca para o café, conhaque e charutos.

Desabado no sofá vermelho, com o olhar já meio turvo, Lula é surpreendido por Jefferson, que começa a cantar acompanhado ao piano por sua professora de canto lirico:

” Eu sei que vou te amar/ por toda a minha vida eu vou te amar/ Em cada despedida eu vou te amar/ desesperadamente eu sei que vou te amar …”

Os convidados emudecem, a voz do baritono ressoa na sala, com gestos largos e interpretação grandiosa, olho no olho de Lula, Jefferson canta a música inteira com intensa emoção e termina com a voz embargada, enquanto uma lágrima furtiva rola pela face de Lula.

Trinta politicos de vários partidos, com ternos brilhantes, gravatas medonhas e cabelos acaju, invadem a cena cantando e dançando para Lula e Jefferson: “Ei voce voce aí/ me dá um dinheiro aí/ me dá um dinheiro aí”.

Segue dueto de Jefferson e Zé Dirceu em “Vou festejar”:

Jefferson: “Chora, não vou ligar/ chegou a hora/ vais me pagar/ pode chorar, pode chorar.”

Dirceu: “É o teu castigo/ brigou comigo/ Sem ter por quê”.

Jefferson: “Eu vou festejar/ vou festejar/ o teu sofrer/ o teu penar.

Os dois juntos: “Voce pagou com traição/ a quem sempre lhe deu a mão.” (bis)

Dirceu canta “Segredo”, de Herivelto Martins, para Jefferson: “Teu mal é comentar o passado/ ninguem precisa saber do que houve entre nós dois/ o peixe é pro fundo das redes/ segredo é pra quatro paredes/ primeiro é preciso julgar pra depois condenar.”

Joaquim Barbosa bate o martelo. Black out.

RELACIONADOS

Deixe um comentário