“Parei minha moto no shopping, roubaram a tampa da válvula do pneu. Tinha uma ótima tesoura Tramontina para tosar cachorros, mas alguém que esteve na minha casa a trocou por uma de pior qualidade. O médico me mandou tirar radiografia desnecessária só para gastar dinheiro do plano de saúde. Minha revista semanal sumiu na portaria do prédio.”

A prosaica semana de um leitor carioca, tão banal e parecida com a de milhões de brasileiros de todas as classes sociais que são vítimas constantes de pequenos (e grandes) roubos e malandragens públicos e privados, mostra como isto está arraigado na nossa cultura, atravancando o crescimento do nosso IDH, por mais que se invista em educação, tecnologia e infraestrutura.

Será que estamos condenados para sempre a essa cultura nefasta? Ou já foi pior e aos poucos está mudando por força da lei, da polícia e da Justiça? E dos bons exemplos que se espalham na mídia e nas redes sociais, embora os piores exemplos venham justamente dos que têm por obrigação a conduta exemplar: os políticos que fazem do Congresso uma das instituições mais desmoralizadas diante da população.

Tudo bem, o Brasil está rico, poderoso, solidário, mas 43% dos alfabetizados não sabem ler, mais da metade das cidades não tem esgoto tratado, 1/3 das Câmaras Municipais – e do Congresso Nacional – estão nas mãos de processados ou condenados pela Justiça. Não é uma questão de ideologia, é de uma cultura, que não muda com leis, programas ou verbas, mas com o tempo e os exemplos que vêm de cima e de fora, em casa e no trabalho. Moralismo otário? Ou exigência do desenvolvimento social?

Nos anos 60, acreditava-se que a revolução castrista não só transformaria a política, a economia e a cultura em Cuba, mas criaria o “novo homem cubano”, limpo, livre e solidário, mas hoje os furtos, transgressões e malandragens se tornaram um modo de vida na ilha, pela nobre causa de comer todo dia.

Não bastam a economia, a educação e a tecnologia, é o exercício dessas leis não escritas – porque todos conhecem – que vai tornar melhor, ou pior, viver em um país rico e sem miséria. Na moral.

Fonte: O Estado de S. Paulo, 15/23/2013

RELACIONADOS

Deixe um comentário

1 comment

  1. Alberto Machado

    Concordo em gênero e grau com Nelson Motta. Não sei qual a idade deste conhecido e conceituado jornalista, mas me parece, pela sua foto, ser das gerações “do tempo antigo” – como me acusou minha neta…; porque hoje, realmente, não se vê mais ninguém que pratique a verdadeira moral oriunda- como disse já Caio Tulio Cícero, na justiça, “aquela verdade imanente da natureza, que diz o que está certo e condena o que está errado.