O manifesto dos pioneiros da educação nova

Fernando de Azevedo, Afrânio Peixoto, A. de Sampaio Dória, Anísio Spínola Teixeira, Manuel Bergströn Lourenço Filho, Roquete Pinto, J. G. Frota Pessoa, Júlio de Mesquita Filho, Raul Briquet, Mário Casassanta, Carlos Delgado de Carvalho, Antônio Ferreira de Almeida Júnior, J. P. Fontenelle, Roldão Lopes de Barros, Noemi M. da Silveira, Hermes Lima, Atílio Vivacqua, Francisco Venâncio Filho, Paulo Maranhão, Cecília Meireles, Edgar Sussekind de Mendonça, Amanda Álvaro Alberto, Garcia de Resende, Nóbrega da Cunha, Pascoal Leme e Raul Gomes lançaram, em 1932, manifesto que teve larga repercussão em todo o país e foi reproduzido na Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos (1932). Esse grupo, que desde a década de 1920 lutava pela renovação do ensino no país, dirigia-se ao povo e ao governo, retomando o que já dissera Miguel Couto, em 1927, e assinalando mais uma vez que:

Na hierarquia dos problemas nacionais, nenhum sobreleva em importância e gravidade ao da educação. Nem mesmo os de caráter econômico lhe podem disputar a primazia nos planos de reconstrução nacional. Pois, se a evolução orgânica do sistema cultural de um país depende das condições econômicas, é impossível desenvolver as forças econômicas ou de produção, sem o preparo intensivo das forças culturais e o desenvolvimento das aptidões à invenção e à iniciativa que são os fatores fundamentais do acréscimo de riqueza de uma sociedade. No entanto, se depois de 43 anos de regime republicano, se der um balanço ao estado atual da educação pública no Brasil, verificar-se-á que, dissociadas sempre as reformas econômicas e educacionais, que era indispensável entrelaçar e encadear, dirigindo-as no mesmo sentido, todos os nossos esforços, sem unidade de plano e sem espírito de continuidade, não lograram ainda criar um sistema de organização escolar à altura das necessidades modernas e das necessidades do país. Tudo fragmentário e desarticulado. A situação atual, criada pela sucessão periódica de reformas parciais e frequentemente arbitrárias, lançadas sem solidez econômica e sem uma visão global do problema, em todos os seus aspectos, nos deixa antes a impressão desoladora de construções isoladas, algumas já em ruína, outras abandonadas nos alicerces, e as melhores ainda não em termos de serem despojadas de seus andaimes…

Na hierarquia dos problemas nacionais, nenhum sobreleva em importância e gravidade ao da educação

Seguia-se uma série de considerações sobre as diversas reformas de ensino aprovadas pelo governo em diferentes épocas. A distinção entre os valores mutáveis e os valores permanentes era salientada. Antigas e controvertidas questões, como a da laicidade, gratuidade, obrigatoriedade e educação . Desenvolviam-se considerações sobre o processo educativo, destacando o Conceito e os fundamentos da educação nova. Também se analisava conceito moderno da universidade e o problema universitário no Brasil. A formação de professores constituía uma das partes mais relevantes do manifesto e, subordinado ao título democracia um programa de longos deveres), tinha no documento importantes observações.

Abordavam-se não alimentamos, decerto, ilusões sobre as dificuldades de toda ordem que apresenta um plano de reconstrução educacional de tão grande alcance e de tão vastas proporções. Mas temos, com a consciência profunda de urna por uma dessas dificuldades, a disposição obstinada de enfrentá-las, dispostos, como estamos, na defesa de nossos ideais educacionais, para as exigências mais agitadas, mais rudes e mais fecundas em realidades, que um homem tenha vivido desde que há homens, aspirações e lutas. O próprio espírito que o informa de uma nova política educacional, com sentido unitário e de bases científicas, e que seria, em outros países, a maior fonte do seu prestígio e em nome do nacionalismo, persiste em manter a educação, no terreno de uma política empírica, à margem das correntes renovadora.
Os primeiros frutos resultantes das ideias pregadas no manifesto surgiram, logo a seguir, sobretudo nas reformas do ensino no Distrito Federal durante a administração de Pedro Ernesto Batista, que contou com o precioso auxílio de Anísio Teixeira e, em 1934 e 1935, na fundação das Universidades de São Paulo e do Distrito Federal, respectivamente.

Fonte: Correio Brasiliense, 11/06/2012

RELACIONADOS

Deixe um comentário