O excelente desempenho exportador do país decorre de forças globais, sobre as quais não se tem controle

O Brasil permanece uma economia bastante fechada ao comércio internacional. Apesar do crescimento expressivo nos últimos anos, o comércio representa apenas cerca de um quarto do PIB, deixando o país nas últimas colocações do ranking mundial nesse quesito.

Assim, ao contrário de países como a China, a economia não tem muito do seu impulso atrelado diretamente ao comércio global. Apesar disso, as exportações desempenham um papel relevante, a saber, pagar pelas importações necessárias para sustentar o ritmo forte de aumento do consumo interno. Assim, é fundamental entender o excelente desempenho das exportações brasileiras nos últimos anos.

Há meros dez anos, elas equivaliam a pouco mais de US$ 83 bilhões (a preços de 2011), correspondentes a 0,92% do comércio global. No ano passado, atingiram US$ 256 bilhões, expansão média pouco superior a 13% ao ano, já deduzida a inflação, cerca de três vezes mais rápido que a observada nos dez anos anteriores e também superior ao ritmo mundial. A participação no comércio global chegou assim a 1,42%, a maior desde 1955.

Esse último resultado parece contradizer a noção de que o Brasil teria apenas surfado na onda de prosperidade mundial. Uma decomposição simples do crescimento das exportações brasileiras no período revelaria que quase 30% das novas exportações se originaram do aumento da participação no comércio mundial, 65% provêm do aumento do comércio mundial em si, e os 5% restantes, da interação entre esses dois fatores. De 2009 para cá, o resultado é ainda mais significativo: quase metade das exportações adicionais resultou da crescente participação de mercado.

As razões para o ufanismo, no entanto, começam a se dissipar quando aprofundamos ligeiramente a análise.

Ocorre que há dois canais pelos quais um país pode aumentar sua participação no comércio internacional: as quantidades exportadas podem crescer a um ritmo maior do que as quantidades transacionadas globalmente, ou os preços dos produtos exportados podem crescer mais rapidamente do que os preços globais. No caso do Brasil, o que prevaleceu foi o segundo mecanismo.

Com efeito, entre 2002 e 2011 os preços das exportações brasileiras aumentaram 163%, enquanto o aumento médio global alcançou 65%. Nesse mesmo período, as quantidades exportadas pelo Brasil aumentaram 61%, em linha com o crescimento mundial de quantidades (67%).

A base do crescimento nacional está, pois, alicerçada em fundamentos externos

Não é difícil concluir, portanto, que foi o aumento extraordinário dos preços dos produtos brasileiros no mercado internacional -fruto do crescimento não menos extraordinário dos preços internacionais de commodities- a razão pela qual a participação brasileira no comércio global cresceu de forma tão acentuada.

Assim, ao decompor o crescimento das exportações brasileiras de 2002 a 2011, chegamos ao seguinte: como adiantado, 65% se originaram do crescimento do comércio mundial; 40%, por sua vez, resultaram do aumento dos preços (relativamente aos globais), cabendo aos demais componentes, inclusive o crescimento das quantidades, contribuições negativas para a expansão das vendas ao exterior.

Tais números sugerem que, de fato, o desempenho exportador brasileiro decorreu de forças globais, sobre as quais o país dispõe de nenhum controle.

O aumento dos preços das exportações relativamente às importações, em particular, permitiu que cada unidade exportada pelo Brasil comprasse, em 2011, 36% a mais do que comprava em 2002, possibilitando que o consumo crescesse cerca de 1% a 1,5% ao ano mais rápido que o PIB nos últimos anos.

A base do crescimento nacional está, pois, alicerçada em fundamentos externos. Não por acaso, as exportações têm perdido fôlego em 2012, em linha com o fraco crescimento mundial e a queda no preço das commodities. Sem essa ajuda, o modelo de crescimento baseado no consumo encontra limitações crescentes, aparentes no fraco desempenho de 2012.

Fonte: Folha de S.Paulo, 29/08/2012

RELACIONADOS

Deixe um comentário