Segunda-feira, 5 de dezembro de 2016
Mantenedores mantenedores

Reduzir meta fiscal destrói a economia

O Ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, disse hoje, em audiência pública no Senado, ser essencial para a recuperação da economia que o Governo tenha uma atuação ativa e pujante através de gastos públicos. De acordo com o orçamento proposto pelo Governo na modificação da LDO de 2016, o Governo poderia rodar com déficit primário de 97 bilhões de reais.

Agora vamos recapitular a atuação do Governo Dilma nos últimos anos.

Em 2014, tivemos uma revisão de meta para um déficit primário de 34 bilhões de reais, com resultado de déficit nominal de 120 bilhões de reais.

Em 2015, tivemos uma revisão de meta para um déficit primário de 119 bilhões de reais, gerando um prejuízo final de 497 bilhões de reais.

Agora, em 2016, o Governo projeta, em março, um défict primário de 97 bilhões de reais, para um provável resultado final de prejuízo de 420 bilhões de reais.

Se considerarmos que as metas pioraram ao longo dos anos anteriores, não poderemos estranhar se o Governo revise essa meta, em dezembro, para um déficit primário de mais de 200 bilhões de reais. Estaria o Governo buscando um resultado final com que nível de prejuízo? 700 bilhões? Um trilhão?

Agora vamos ver os resultados dessa política de gastos. Em 2014, estagnação de 0,1% de “crescimento” do PIB. Em 2015, encolhimento de 3,6%. Para 2016, projeção de 4% negativos. Parece que essa política, pelos próprios números, não é boa.

E isso ocorre porque não é gasto público que aumenta riqueza. O que cria riqueza é um ambiente seguro de negócios, com instituições sólidas, governo estável e responsável, poupança nacional robusta que suporte aumento dos investimentos e abertura comercial.

É exatamente o contrário de tudo o que esse Governo produz. O aumento de gastos públicos arrebenta com todos os quesitos citados para pujança econômica, fazendo do país uma terra inóspita para investimento.

A crença keynesiana no efeito multiplicador do gasto público multiplica consumo insustentável no curto prazo, falta de investimento no médio prazo e colapso econômico no longo prazo.

E aí é como o próprio Lord Keynes diz: “no longo prazo, todos estaremos mortos”. Com esse tipo de pensamento, fica claro quem foi o genocida que matou a todos.

Fonte: Instituto Liberal, 29 de março de 2016.

Escreva um comentário

Seu e-mail não será publicado.