Roberto Campos: Um rebelde com causa

Paulo Roberto de Alemida (nova)

Felizmente, Campos foi poupado do desgosto de assistir à enorme destruição de riqueza causada pela política econômica do governo que ascendeu ao poder em 2003

Se formos reler, hoje, o Roberto Campos dos ensaios econômicos mais elaborados dos anos 1950, o publicista dos artigos semanais nos grandes jornais do Rio e de São Paulo nas décadas seguintes e até o final do século, constataremos que tudo o que ele escreveu, tudo o que ele proclamou, tudo pelo que ele se bateu, insistiu e até conseguiu implementar, pelo menos parcialmente, retornou como um pesadelo a frequentar o cérebro das gerações presentes das formas mais inesperadas e em uma rapidez surpreendente.

Ele foi, “felizmente”, poupado do desgosto de assistir à enorme destruição de riqueza(…) causada pela política econômica irresponsável dos companheiros que ascenderam ao poder em 2003, por haver falecido dois anos antes. Em face dos cenários de terra arrasada, ele teria de reescrever, com poucas mudanças substantivas, seus artigos de décadas passadas, quando alertava continuamente para o perigo do “meio sucesso” ou do “meio fracasso” – uma situação na qual o país não conhece o pleno sucesso da estabilização, que induziria reformas suplementares e criaria o clima de confiança necessário para alimentar um processo de crescimento sustentado, nem a ruína do fracasso completo, que comandaria, sem hesitação, a realização de reformas estruturais radicais.

Roberto Campos é provavelmente único, por suas características pessoais e por suas posições independentes, no seio de um grupo bastante reduzido de intelectuais públicos no Brasil: o dos livres-pensadores. Mais ainda: dentro dessa pequena família, ele se filia a uma espécie ainda mais escassa, a dos rebeldes com causa, a dos que não se prendem a qualquer escola oficial, a dos que se recusam a deixar de exibir pensamento próprio apenas porque são servidores do Estado, a dos que pensam fora dos dogmas oficiais, das verdades estabelecidas e dos lugares comuns.

Roberto Campos nunca se esquivou de denunciar as falácias da demagogia política e do populismo econômico, assim como da repartição de benesses sem apoio no realismo econômico. Não hesitou em renunciar a posições oficiais (a presidência do BNDE e a chefia da embaixada em Washington) quando achou que não podia sustentar posturas irresponsáveis. Ele também foi único, em sendo diplomata, em não hesitar em criticar – até de forma irônica – as tomadas de posição equivocadas do Itamaraty e dos governos militares no plano externo.

Ele foi aquele que viu antes, mais e melhor do que qualquer outro de sua geração ou mesmo das gerações atuais, um intelectual que pensou o Brasil de forma tão completa, tão dedicada e tão racional que ele ainda está presente, integralmente, nas soluções que nossa geração precisa encontrar para os problemas atuais, com base nas mesmas recomendações que ele teve o cuidado de formular décadas atrás.

Ele foi um “profeta responsável”, como se denominou ao final de seu livro de memórias, um empreendimento inigualado na literatura brasileira e que deveria ser leitura quase compulsória para todos os candidatos a integrar a tecnocracia nacional Aos cem anos, Roberto Campos ainda vive.

SERVIÇO:

Obra: O homem que pensou o Brasil
Autor: Paulo Roberto de Almeiza (organizador)
Editora: Appris

RELACIONADOS

Deixe um comentário

1 comment

  1. ohse

    Sua ideias sempre serão lembradas por aqueles que querem modernizar o Brasil.