São Paulo à la carte

Desconfie de quem ama a humanidade, porque normalmente ele  detesta seu semelhante 

Você sabe o que é a tradição política conhecida no mundo anglo-saxão como “conservative”? No Brasil é quase inexistente. Entre nós, o termo é comumente utilizado para designar (de modo retórico) “pessoas más contra a democracia”. Mentira. Conservadores são pessoas desconfiadas que não gostam de fórmulas políticas de redenção.

Por exemplo, eu desconfio de quem diz que ama a humanidade. Normalmente quem ama a humanidade detesta seu semelhante. Comumente pensa que seria melhor que seu semelhante deixasse de existir para, em seu lugar, “nascer” aquele tipo de gente que o amante da humanidade acha ideal. Prefiro pessoas que são indiferentes à humanidade, mas que pagam salários em dia.

O crítico da revolução francesa, o britânico Edmund Burke (século 18) usa esta mesma frase: “Loves mankind, hates his kindred” (“ama a humanidade, detesta seu semelhante”) para gente como Rousseau (século 18), mentor espiritual da chacina que foi a Revolução Francesa. Proponho a leitura das suas “Considerações sobre a Revolução na França”, pedra filosofal da tradição “conservative”, ao lado de “Democracia na América” de Tocqueville (século 19).

Hoje, na América Latina, a onda fascista cresce travestida de “justiça social”, e por isso sou obrigado a falar de política, caso contrário acabarei caindo na condição de “idiota” no sentido grego antigo: alguém que não participa da política e os outros participam no lugar dele. Sou pessimista com nosso futuro político imediato: a elite deste país “brinca” com o fascismo de esquerda que se delineia no horizonte. Talvez ela acabe na mesma condição da aristocracia alemã e italiana que achava que podia “brincar” com os fascistas de então, e acabou na condição de cúmplice de um massacre.

Qualquer um que conheça a tradição “conservative” sabe que ela é múltipla e heterogênea. Nasce no século 18 como uma reação à agressão da ganância jacobina. Trata-se de uma sensibilidade política de trincheira. Defende-se, entre outras coisas, da mentira que é a crença em se transformar o mundo a partir de “closet theories” (teorias de gabinete), termo de Burke. O conservador reage a essas teorias não porque seja contra diminuir o sofrimento no mundo, mas apenas porque é inteligente o bastante para perceber o estelionato político dos que se dizem amantes da humanidade. Vejamos um exemplo.

Nos últimos anos um “novo” marxismo surgiu na Europa, uma salada mista de marxismo e Lacan. Nomes como Alain Badiou e Slavoj Zizek são as estrelas dessa nova seita fundamentalista, cozida entre consultórios lacanianos e cafés parisienses. Lacan aqui deve servir pra dar um toque “chique” a uma tradição violenta e banal que matou mais gente do que o próprio Hitler: Lênin, Stálin, Mao e Pol Pot.

Nossos gurus fazem uma leitura infame de São Paulo, fundador do cristianismo, em chave fanático-religiosa, como modelo a ser seguido no combate ao humanismo relaxado da sociedade liberal pós-moderna. Para eles, Paulo seria um exemplo ideal do protorrevolucionário marxista que passou por uma “transformação interior” e descobriu a “verdade” e a levou às últimas consequências. Socorro!

Os gurus, em seus gabinetes chiques, chegam a descrever o amor como “busca da verdade”, passo necessário para uma nova “gramática do desejo”. Uma “nova política” criada por seres com “gramáticas eróticas libertárias”. Puro papo furado para crentes.

Amor não é uma experiência política, nem gramatical, mas afetiva e moral. Não quero que me ensinem a amar da forma correta. Ninguém ama corretamente nem politicamente. Amor é sempre errado. Quando a política se “finge” amorosa é para matar o homem real em nome do amor por uma ideia de homem. Pensar em se “reordenar politicamente a libido”, coisa típica dessa seita, é um delírio que autoriza a repressão do desejo concreto em nome de um desejo abstrato, este, claro, definido no gabinete chique do guru. No fundo a seita quer que os homens reais deixem de existir para dar lugar aos homens com “libido politicamente reordenada”. Quem seriam eles? Provavelmente os gurus e seus discípulos, como sempre.

RELACIONADOS

Deixe um comentário

2 comments

  1. Regina Helene

    Pondé,meu celebrar das tristes segundas .
    Vou por lenha na sua fogueira levantando pensares diferentes dos seus expostos.

    Diante das suas afirmações, associações e conclusões:
    -desconfio de quem ama a humanidade ;
    -quem ama a humanidade destesta os seus semelhantes;
    -quem ama a humaniddade não paga salários em dia ;
    -elite brinca com o facismo de esquerda;
    -o amor não é uma experiência política…………,

    venho expor as minhas.

    Amar a humanidade não exclui amar os seus semelhantes.O processo real do amar a humanidade inicia-se antes de mais nada pelo amar a nós próprios(individuação) , a seguir, amar os seus semelhantes próximos,culminando no amor maior que ultrapassa a barreira do Eu , amar o todo.
    Normalmente , quem passa autenticamente por este processo ,terá ações concretas fundamentadas na ética- moral, assim sendo creio que o seu exemplo de pagar o salário em dia ,seja pressuposto deste amar .

    A elite brasileira (maioria) brinca tanto com o facismo de esquerda como o de direita, pelo simples fato de que seu objetivo é sugar a sua pátria e o seu povo , filosofia colonialista do SAQUE A COLÔNIA, IMPERANTE DENTRE este segmento.E óbviamente que terá sucesso de sua intenção quando da perda da liberdade , situação imposta pelos sistemas ditatoriais.
    Veja Sarney e tantos outros , veja as empreiteiras , veja os banqueiros …..foram fortalecidos pela Revolução de 64 e hoje intimamente ligados aos seus perseguidos.

    Amor é a meu ver também uma experiência politica , por não ter padrão , razão, e ser um meio (sentimento) que nos guia e nos conecta as necessidades do externo a nós,sintonizando-nos instintivamente ao outro.
    Amor não é a busca da verdade, mas sim uma entrega irracional (chamado)que nos faz enxergar a imperfeição do outro e a nossa , e mesmo ciente destas ,mergulhamos de cabeça, pois sabemos ser uma experiência imprescindível a nossa integralidade.

    Portanto, vejo o amor a humanidade(quando real e não manipulação de espertos) alicerçando a politica (homem politico)pelas ações geradas por esta mola propulsora . Vejo que o desejo abstrato é a origem do desejo concreto.Vejo que amar o seu semelhante(microcosmo) é um fragmento do amar a humanidade(macrocosmo )e de que a politica nada mais é do que o meio racional de tornar presente e real o sentimento amor (pena que está desvirtuado)possibilitando o que este sentir almeja: o bem do sujeito amado.(cidadãos/humanidade)

    Com você concordo, os gurus nos emburrecem , pois limitam, a nossa interpretação dos fatos, o nossos pensamentos , as nossas realizações, os nossos sentimentos e o pior, o nosso fluir em encontro a nossa essência original.

    Até amanhã com a sua coluna

  2. Regina Helene

    Onde está o meu comentário sobre “São Paulo á la carte”?