São Paulo quer mais um Tiririca

Guilherme Fiuza

O eleitorado de São Paulo, como se sabe, é dado a ataques de tédio. Volta e meia inventa um Enéas, um Clodovil, um Tiririca – e assim cria grandes fenômenos de votação pelo sim­ples prazer de ver um palhaço tocar fogo no circo. Na eleição de 2012, os paulistanos estão ameaçando mais uma travessura.

Apesar do enorme destaque em torno do julgamento no STF, a tragédia do mensalão não tem sido bem com­preendida pela opinião pública. Frequentemente o caso é classificado como um dos maiores escândalos de corrup­ção da história da República. O eleitor precisa entender que o roubo de dinheiro público é só um dos aspectos do mensalão. E não é o mais grave.

Na maioria dos casos de corrupção envolvendo governos, a equação básica é o uso do poder como meio para o roubo. No mensalão, trata-se de roubo como meio para a permanência no poder. O dinheiro do valerioduto era destinado essencialmente aos caixas do partido e do grupo político do presidente da República. Além da compra de votos no Congresso, servia também para despesas políticas gerais, custeio de candidaturas, alimentação da maquina partidária.

A grande chaga do mensalão não é a quantia roubada. É a ocupação da mais alta esfera de poder por um projeto político medíocre, no qual a energia para governar é desviada para os objetivos fisiológicos. Nos raros planos de governo propostos e executados pelo PT, como o Fome Zero, os resultados foram desastrosos. Pela simples razão de que ali não há planejamento, não há cérebros em busca de soluções, não há espírito público para fazer reformas estruturais – que podem ser eleitoralmente arriscadas.

Nos raros planos de governo propostos e executados pelo PT, como o Fome Zero, os resultados foram desastrosos

A privatização da telefonia, que melhorou a vida de todas as classes sociais, jamais seria feita pelo PT. Era uma medida inicialmente antipática para a opinião pública, parecia ser a entrega “do que é nosso” (“nosso”, no caso, era deles – os pendurados no cabide estatal das telefônicas). Até hoje o partido se enche de votos demonizando as privatizações, com a tática desonesta e eficiente de defender minorias organizadas, como se estivesse defendendo o povo.

É típico desse projeto de poder, desmascarado pelo escândalo do mensalão, transformar o Ministério da Educação em degrau para a prefeitura de São Paulo. Num dos casos mais gritantes de inépcia administrativa já vistos no MEC, o então ministro Fernando Haddad conseguiu presidir três anos de descalabros seguidos na aplicação do Enem, transtornando a vida de estudantes no Brasil inteiro. Era uma época em que Haddad estava destacado por seus chefes (Lula e Dirceu) para um objetivo mais nobre: dar pinta nos palanques de Dilma Rousseff.

E aí está o governo Dilma, prestes a completar seu segundo ano sem um projeto relevante sequer, sustentado politicamente pela paz econômica da conjuntura – que nada têm a ver com ações governamentais. Uma presidente que assumiu para segurar a grande ocupação fisiológica, que demite os ministros que apodrecem em público, mas nem todos. Vide Fernando Pimentel, o consultor-fantasma das indústrias mineiras, um morto-vivo no Ministério do Desenvolvimento – cuidando do desenvolvimento petista, exatamente a mesma missão de Fer­nando Haddad.

O eleitorado de São Paulo é brinca­lhão. Cansou de ver em ação esse minis­tro marqueteiro, usando o MEC como plataforma de truques populistas, como defender livros didáticos com erros de português (“nós pega o peixe”) e até tor­rar dinheiro com propaganda oficial para sustentar o factoide. Mais um ministro candidato de labora­tório, escalado para fazer média com minorias organizadas, para fazer provocações rasteiras a um possível adversário de seus chefes em 2014, enfim, pau para toda obra.

Eis que esse militante travestido de administrador aparece em primeiro lugar nas intenções de voto para o se­gundo turno. Ou seja: o eleitor paulistano está entediado de novo. Está ameaçando botar um pouco de palhaçada na política para ver o que acontece.

Vamos antecipar aqui o que acontece: conversão da máquina da maior cidade do país em palanque para 2014. O resto é secundário, eles só pensam naquilo. Valérios, Valdomiros e Sombras devem estar salivando. Até porque o Supremo acaba de liberar a lavagem de dinheiro em campanha eleitoral.

Fonte: revista Época

RELACIONADOS

Deixe um comentário

4 comments

  1. sergio souza

    Meu comentário será curto e grosso. OS RICOS DE SÃO PAULO NÃO SUPORTAM O PT, e fazem de tudo para difamar e criminalizar qualquer pessoa que se filie ou seja simpatizante do partido. Pois bem, O POVO DE SÃO PAULO NÃO É BURRO. Esse discursinho de que só existe corrupção a partir do Governo Lula NÃO ENGANA MAIS NINGUÉM. O processo de privatização (ou PRIVATARIA TUCANA) criou uma estrutura de serviços ineficientes e EXTREMAMENTE CAROS para os pobres. Ah, você não entende o que isso significa.

  2. Charles

    de toda bobagem que você escreveu, uma afirmação sua é correta “O eleitorado de São Paulo é brinca­lhão”, prova disso é já ter eleito Serra (senador, prefeito e governador), ter eleito Alkmin, Kassab, Jânio Quadros, ter collorido em 1989…
    São Paulo realmente, sempre teve um eleitorado pouco inteligente, não fosse isso, figuras tão nefastas como José Serra já teriam sido dizimadas da política, mas creio que isso está prestes a mudar …. afinal, antes tarde do que nunca.

  3. Arnóbio Freire

    Guilherme Fiuza,

    Você acreditar nas asneiras que diz,(mesmo porque esse discurso não é seu, é tucano!), é compreensível. Triste é a legião de “bem nascidos” que se prestam ao desserviço à nação ao reverberar essas insanidades.

    Para seu governo, e espero que viva o suficiente para ver isso, a PRIVATARIA promovida no Brasil é considerada MUNDIALMENTE como a maior sangria de um povo perpetrada por uma gangue que se apoderou do poder, e do qual pretendia se locupletar durante 20 anos! O maior escândalo de corrupção de toda a América Latina ocorreu durante o governo FHC, basta consultar especialistas do mundo inteiro que eles vão te confirmar isso! Quanto ao caso do “mensalão” CUJOS AUTOS comprovam não ter havido será o termômetro para o desmonte total dessa estrutura pode de poder da qual o PT não faz parte. O PT governa, mas não tem o poder. Se tivesse, certamente estariam valendo as velhas jurisprudências. Vamos ver como serão julgados o mensalão tucano e outras maracutaias tucanas…

  4. Edilson

    GUILHERME FIUZA,PARABENS PELO SEU DISCURÇO,FORRA PT