Sensação de segurança

O vício de nos evadirmos da realidade cobra sempre seu preço. Muitas vezes, impõe perdas incalculáveis, como ocorreu agora, em Santa Maria, com mais uma tragédia causada pela desídia.

Uma lição deve ser aprendida de uma vez por todas:

O Estado não pode ser o fiscal da segurança. Nem das pessoas, nem das propriedades, pois nunca perde nada em caso de sinistro. Apenas seguradoras privadas poderiam atestar se um determinado local tem a devida e esperada segurança para o público que a frequenta.

Não podemos nos guiar apenas pela sensação de segurança porque um determinado estabelecimento cumpriu com a burocracia estatal para funcionar. Devemos nos certificar de que estamos em um lugar efetivamente seguro e que, em caso de alguma ocorrência com danos pessoais ou materiais, seremos devidamente indenizados por seus responsáveis.

Ocorrendo qualquer sinistro, os prejuízos das vítimas serão cobertos pela empresa seguradora.

O livre-mercado e as instituições privadas podem e devem ser as fiadoras das condições oferecidas ao público por estabelecimentos como a casa noturna de Santa Maria

Para minimizar a possibilidade de que tenha que arcar com sinistros inesperados, qualquer seguradora responsável incentivará ou exigirá que condições ótimas de redução de riscos sejam aplicadas, o que trará efetivamente, maior segurança às pessoas e às coisas que a elas pertencem.

Alvarás ou laudos emitidos por órgãos do governo servem apenas para assegurar o recolhimento de taxas pelo poder público. Quando instados a assumir responsabilidade civil, pecuniária ou criminal, não demoram para se esquivar. Muitas vezes, culpando as próprias vítimas.

O livre-mercado e as instituições privadas podem e devem ser as fiadoras das condições oferecidas ao público por estabelecimentos como a casa noturna de Santa Maria, através de contratos de seguro bem feitos.

Imaginarmos que o Estado se responsabilizará pelos danos que causar, seja por omissão ou por incompetência, nada mais é do que seguirmos agindo sob efeito do vício da negação da realidade.

RELACIONADOS

Deixe um comentário

2 comments

  1. Milton Simon Pires

    Sou médico intensivista em Porto Alegre, RS. Estamos atendendo vítimas do incêndio em SM. Até agora já escrevi 3 artigos sobre o que ocorreu. Se quiserem posso enviar para Instituto, mas não tenho nenhum mail especifico. Os arquivos de texto tem imagens. Nenhum artigo é técnico (do ponto de vista médico). Todos eles são críticas ferozes ao que aconteceu, como foi o atendimento, quais as condições de atender estes pacientes no Brasil, e os riscos de uma Copa do Mundo ou Olimpíada.

    Att,

    Milton Pires

  2. Tarcisio Alves de Oliveira

    Vale como exemplo as salas de cinema. Seguem as normas internacionais de segurança e as exigências das seguradoras!
    Resultado. Não vemos nenhum grande desastre envolvendo vítimas. Mesmo nos casos de incêndio, não temos nenhuma catástrofe registrada nestes locais!!!