Tiririca estava errado. Temer deve saber

CNI reduz projeção do PIB e Copom continua condicionando corte de juros às reformas

Santos-Dumont era mais prudente que Tiririca, eleito deputado com o slogan “pior do que está não fica”. O chamado pai da aviação desafiou a lei da gravidade, mas nunca se atreveu a negar as leis de Murphy ou qualquer outra do mesmo tipo – formulada, por exemplo, como “tudo pode piorar”. O presidente Michel Temer acaba de ver comprovado o erro tiriricano. Quando viajou para participar da reunião do Grupo dos 20, na Alemanha, tinha um enorme problema imediato: escapar das flechadas do procurador-geral da República (“enquanto houver bambu, haverá flechas”, tinha dito o arqueiro Rodrigo Janot). Então aconteceu o milagre da multiplicação dos abacaxis.

Enquanto o presidente circulava entre outros chefes de Estado e de governo em Hamburgo, outra encrenca se agravou. Com a deserção do senador Acir Gurgacz (PDT-RO), ficou mais difícil a aprovação da reforma trabalhista. Depois de ter-se declarado favorável ao projeto, o político recuou, para acompanhar, segundo disse, a decisão de seu partido. Pelas estimativas conhecidas na sexta-feira, o governo só teria como certos 42 votos, 1 a mais que o mínimo necessário. Se o projeto cair no Senado, será mais difícil apostar na mudança da Previdência, a proposta mais audaciosa do governo.

Com esse fracasso, o cenário ficará mais enevoado, as perspectivas serão mais incertas e o Executivo será forçado, quase certamente, a recalibrar seus planos ou a enfrentar negociações muito mais custosas para conseguir apoio. A redução dos juros, fator importante para a dinamização da economia, poderá ser freada. É cedo para dizer se apenas ficará mais lenta ou se o Comitê de Política Monetária (Copom) decidirá interrompê-la. De toda forma, a nova situação será levada em conta, garantiu em entrevista à GloboNews o presidente do Banco Central (BC), Ilan Goldfajn.

“Reformas”, disse ele, “são necessidade, não opção.” A frase poderia ser meramente uma declaração enfática de apoio à pauta de mudanças preparada pelo governo. Mas o compromisso até agora sustentado pelo Copom, formado por dirigentes do BC, vai muito além da retórica. O afrouxamento da política tem sido condicionado a alguns fatores bem definidos: 1) as perspectivas da inflação e, particularmente, de alguns componentes do índice, como os preços de serviços; 2) as possibilidades de ajuste das contas públicas, com atenção especial à expectativas de aprovação e de implementação da agenda de reformas.

Desde outubro do ano passado a taxa básica de juros, a Selic, foi reduzida de 14,25% para 10,25%. Continua elevada, mas novos cortes podem ser feitos se nenhum entrave importante forçar uma revisão da política. Até a última semana o mercado seguia apostando em mais afrouxamento. Pela mediana das projeções, a taxa estará em 8,5% no fim deste ano e em 8,25% em dezembro de 2018. Se essas expectativas estiverem certas, deverão cair também as taxas de mercado, facilitando o consumo e as decisões estratégicas das empresas. Além disso, juros mais baixos diminuirão os custos financeiros do Tesouro, melhorando as contas de governo e abrindo caminho para o controle do endividamento do setor público.

Mas nada disso é realizável, sem efeitos muito ruins, por mero voluntarismo. Os agentes do mercado podem simplesmente recusar-se a financiar o Tesouro se a remuneração dos títulos for considerada irrealista. Além disso, política monetária muito frouxa normalmente resulta em mais inflação e em desafios mais difíceis, quando os preços voltam a crescer aceleradamente.

Os brasileiros tiveram essa experiência mais de uma vez. O fiasco da política seguida entre agosto de 2011 e abril de 2013 deve ter proporcionado lições interessantes a quem dá alguma atenção aos fatos. Irrealismo é tentar operar com juros abaixo da taxa estrutural, aquela compatível com uma economia sem maiores pressões inflacionárias. A atual direção do BC tem-se mostrado disposta a respeitar essa restrição, para evitar tropeços e recuos políticos muito custosos.

Sem as incertezas quanto à evolução dos ajustes e à execução da pauta de reformas seria muito mais fácil prever a evolução dos juros. O recuo da inflação seria muito mais seguro e daí resultariam benefícios para o consumo, para a produção e para a criação de empregos – com a contribuição, naturalmente, de juros mais civilizados. Diante de tantas incertezas, seria um exagero celebrar, agora, a deflação de 0,31% registrada em junho, ou a inflação de 3% acumulada em 12 meses, o número mais baixo desde março de 2007. A insegurança, nesta altura, contamina todas as projeções.

Recuperação ameaçada é o título do Informe Conjuntural publicado na sexta-feira pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). Incertezas políticas, segundo o subtítulo, “podem comprometer a reativação da economia”. As estimativas já são modestas. A equipe da CNI reduziu de 0,5% para 0,3% o crescimento previsto para o produto interno bruto (PIB). O número anterior havia sido fixado em abril. A projeção do PIB industrial passou de 1,3% para 0,5%.

O investimento em máquinas, equipamentos e obras deve ser 2,7% menor que o de 2016, em vez de 2% maior, como antes se calculava. A inflação recuará para 3,6%, bem abaixo da meta de 4,5%, mas as contas públicas continuarão em mau estado, com a dívida bruta do setor público subindo para 74,3% do PIB, 0,8 ponto acima da projeção formulada em abril. Em 2016 essa relação atingiu 69,9%. Sem o esforço de ajuste realizado até agora, o resultado previsto seria, naturalmente, muito mais feio.

Se a insegurança política aumentar, e se a agenda de reformas for travada, todo o cenário poderá ficar pior. O risco seria muito menor, é claro, se fosse possível paralisar os fatos enquanto os políticos se engalfinham em Brasília. Mas o mundo gira e a Lusitana roda, enquanto a economia se atola no pantanal da incerteza. Tiririca, de fato, exagerou no otimismo.

Fonte: “O Estado de S. Paulo”, 09/07/2017

RELACIONADOS

Deixe um comentário