Sábado, 10 de dezembro de 2016
Mantenedores mantenedores

O triunfo de Dilma: deu tudo errado

Na noite de 23 de janeiro de 2013, Dilma surgiu triunfante em rede nacional de televisão para anunciar uma redução de 18% na conta de luz de todos os brasileiros, acentuando: “Primeira vez que acontece no país”.

Embora já fosse bastante, a presidente não ficou nisso. Explicou, “com números”, conforme ressaltou, que o “Brasil vai ter energia cada vez melhor e mais barata”.

Foi além. Desafiadora, atacou os pessimistas e zombou das “previsões erradas” daqueles que “diziam que não iríamos conseguir baixar os juros e nem o custo da energia”.

De fato, naquele momento, a taxa básica de juros era de 7,25% ao ano, a mais baixa na era do Real e a conta de luz caiu no dia seguinte.

Animada com isso, Dilma informou que os investimentos estavam em alta, empregos idem, salários subindo, de modo que o Brasil vivia “dos melhores momentos da história”.

Os pessimistas estavam certos, a presidente, errada, muito errada

Hoje, todo mundo sabe, os juros estão nas alturas — a taxa vai passar dos 14% — e a conta de luz não para de subir. Desde 2013, ano em que Dilma anunciou a redução, já ficou 60% mais cara, na média nacional. E ainda há vários reajustes previstos para este e o próximo ano. O desemprego sobe — 500 mil vagas formais fechadas este ano —, o PIB empacou, o salário perde poder de compra para a inflação e os investimentos públicos e privados desabaram.

Os pessimistas estavam certos, a presidente, errada, muito errada. Como Dilma pode ter se equivocado tanto?

Começa que ela não ouve ou não entende as críticas. Ninguém dizia que o governo não conseguiria ou não podia reduzir juros e tarifas de energia. Os críticos diziam, sim, que essas medidas eram insustentáveis mesmo no curto prazo.

Para resumir o ponto de vista dito pessimista: a redução da conta da luz se fizera por um artificialismo que desorganizava o setor elétrico; naquele momento, a tendência do custo da energia, sem truques, era de alta. Quanto à inflação, já estava alta e, mesmo assim, contida artificialmente pelo controle de preços administrados, como o da gasolina.

Era o ponto de vista correto. Dirá o pessoal da presidente: agora, em retrospectiva, é fácil falar. Negativo. Como bem apontava Dilma, os críticos e pessimistas diziam, fazia tempo, que o modelo econômico dela iria explodir em inflação, baixo crescimento, juros altos, contas públicas em déficit e desorganização de diversos setores, como o elétrico, hoje atolado em dívidas, prejuízos para a Petrobras.

Também diziam que o aumento do crédito e do consumo era insustentável; que não havia ambiente para investimento privado e que o governo não conseguiria dar conta das promessas de investimentos dos PACs. Lembram-se do trem bala?

Pois é — e não foi a primeira vez que a presidente exibiu um triunfalismo infundado. No início de seu governo, em março de 2011, deu uma entrevista para o jornal “Valor Econômico”, garantindo que em seu mandato a economia cresceria na faixa de 5% ao ano, com inflação de 4,5%, na meta.

Também atacou os pessimistas e disse que era adivinhação daqueles que sustentavam não haver condições para uma expansão sustentada.

A coisa saiu ainda pior do que imaginavam os pessimistas. A média de crescimento anual do PIB (2011/14) ficou em 2,2%, só melhor que o período Collor. E a inflação foi de 6,16%.

Discursos e entrevistas da presidente Dilma podem ser encontrados no site do Planalto. Essa exposição não seria um motivo suficiente para a presidente vir a público e dizer “desculpaí, foi mal”?

Mas não. A presidente e seus próximos dizem que passamos por um probleminha passageiro, consequência da crise mundial, e que logo, logo… os pessimistas serão derrotados.

De novo, como pode se equivocar tão completamente?

_________________

Socialistas no capitalismo

Dá para entender o desconforto de Alexis Tsipras e seu ministro das Finanças, Euclides Tsakalotos.

Imaginem: você faz sua formação intelectual no marxismo; inicia-se na política dizendo que a União Europeia e Zona do Euro formam uma construção neoliberal, uma falsa democracia, e que tudo se resume num sistema de dominação capitalista pelo qual os países ricos do Norte exploram os pobres do Sul. Ah, sim, e que o sistema financeiro europeu está lá para garantir os lucros imorais dos banqueiros, danem-se as pessoas. E que pregar ajuste fiscal é terrorismo de credor contra o devedor.

Aí, surpreendentemente, seu partido de extrema esquerda ganha a eleição prometendo o socialismo — e lá está você sentado à mesa com os terroristas neoliberais, tentando salvar o sistema financeiro/capitalista, prometendo ajustes e sacrifícios em troca de uns trocados a mais.

Não pode dar certo.

Fonte: O Globo, 9/7/2015

Um comentário

  1. Tirando os problemas imprevisíveis da seca que tivemos está tudo bem, pois o Brasil sempre teve água suficiente e energia até demais.

Escreva um comentário

Seu e-mail não será publicado.