Um bom azeite, cebola, um tantinho de sal — é o que basta para cozinhar muita coisa boa, inclusive um bom bife. Mas a cebola está cara, subiu muito durante o ano, e a carne bovina mais ainda. Qual o problema? Troquem por tomate, recomenda o secretário de Política Econômica da Fazenda, Márcio Holland.

Não deve ser bom cozinheiro. Churrasco sem carne bovina não vale, mas, vá lá, o combo coxa/asa de frango quebra o galho em dias de orçamento apertado. Tudo bem com o tomate, mas só neste momento. O produto não é confiável a médio prazo, pois o preço costuma ter altas espetaculares a qualquer problema climático. Pode-se tentar a batata, também baratinha por ora.

Agora, sem cebola não dá. Alguns sugerem o alho, erradamente. O alho vai bem com a cebola, não em vez dela. Além disso, o alho também não é confiável. Sabiam que o maior produtor mundial é a China? Pois então, quando a safra chinesa é boa, o preço cai por aqui, por causa da importação. Quando dá algum problema por lá, como aconteceu no início deste ano, o preço local dispara. Além disso, o governo brasileiro não acha errado tocar imposto no alho chinês, tornando-o mais caro, para ajudar os produtores locais.

Pois é, não tem jeito. Solta daqui, aperta dali. E quando esse tipo de conversa é colocado por uma autoridade como o secretário de Política Econômica, encarregado de definir as grandes linhas, é sinal de que a inflação está espalhada, é persistente e o governo não encontra nada melhor que um tomate para combatê-la.

A inflação está espalhada, é persistente e o governo não encontra nada melhor que um tomate para combatê-la

Cozinheiros e consumidores têm até o direito de se sentirem ofendidos. Não fazem outra coisa senão procurar as alternativas mais em conta. Macarrão caro? Vamos de batata. A carne pelo frango, o frango pelo peixe, o feijão pela mandioca e assim se toca o orçamento doméstico. Não precisa o secretário explicar. O ambiente fica desconfortável, como agora, quando a alta de preços é muito espalhada, o que estreita as margens de escape.

Tudo considerado, isso quer dizer o seguinte: o governo não sabe o que fazer para derrubar a inflação. Também parece que não sabe muito bem a causa. Já disse que era só uma inflação de alimentos. Só comida?

Depois disse que estava todo mundo enganado. Na verdade, sustentavam a presidente Dilma, o ministro Mantega e o secretário Holland, não havia inflação, pois o índice oficial de preços, o IPCA, estava dentro da meta. A presidente chegou a dizer, em debates do primeiro turno, que a inflação era zero. Zero! Baseava-se no índice de um único mês, que todo mundo sabia ser um acontecimento único.

Nem era zero, nem estava na meta. Esta, definida pelo Conselho Monetário Nacional, é de 4,5% no ano, com margem de tolerância de dois pontos. Logo, 6,5% é o teto tolerado para situações excepcionais — e não por quatro anos seguidos. Muito azar, não é mesmo?

Depois, quando a inflação estourou mesmo os 6,5%, como agora… ora, por que não comem tomate?

Repararam na sequência? É só alimentos; está na meta; não comam carne bovina. Neste momento, portanto, eis o que sugere o secretário, o índice só furou o teto porque a população não sabe fazer compras.

Será que eles acreditam nisso ou seria mais uma dessas “coisas de campanha”? É difícil para a presidente que busca a reeleição admitir que tem inflação. Mas, se ela sustenta que sua política econômica está correta, então deveria ter como explicar o fenômeno. Às vezes, problemas ocorrem mesmo quando se aplica a política conveniente. E o segundo turno poderia ser um momento adequado para se explicar isso.

Poderia.

No lado da oposição, se Aécio diz que a inflação alta é culpa do governo, então precisa informar como pretende combatê-la, com quais instrumentos (juros? Corte de gastos públicos?) e em qual prazo pode alcançar a meta.

Digamos que no debate preliminar — tem ou não tem inflação — a oposição leva. Na fase seguinte, o governo sai com essa do tomate. A oposição não pode simplesmente dizer que a cebola é insubstituível.

Piada

Sugerida por uma ouvinte da CBN, a Tatiana. Qual o eufemismo petista para privatização? Concessão.

E o tucano para racionamento de água? Administração de recursos hídricos.

Fonte: O Globo, 9/10/2014

RELACIONADOS

Deixe um comentário