Um caudilho singular e de muitas faces

“Depositei minha esperança no tempo. Seu ventre enorme abriga mais esperanças do que os acontecimentos do passado – e os eventos do futuro devem ser superiores aos do passado.” Hugo Rafael Chávez Frías apelou, como sempre, a Simón Bolívar para abrir o discurso aos venezuelanos no qual comunicou que se submetera a uma cirurgia de remoção de um tumor pélvico, em Havana, em junho de 2011. O ventre do tempo, mesmo enorme, não tinha espaço suficiente para as esperanças incomensuráveis do caudilho. Chávez deixa o mundo dos vivos quatro cirurgias e uma reeleição depois. Na derradeira partida para Cuba, pela via transversa da nomeação de um sucessor, ele finalmente disse a seus concidadãos a verdade sobre o câncer que o destruía.

Nas democracias de massas, quando se trata da saúde, da doença e da morte, espera-se dos estadistas nada menos que a transparência absoluta. Chávez, porém, nunca acreditou na noção “burguesa” do interesse público. A sua vida estava consagrada a algo diferente: uma missão histórica. Por coerência, uma qualidade da qual não carecia, a doença e a morte precisavam se subordinar ao mesmo imperativo. O segredo férreo sobre o tipo de câncer, a opção desastrosa pelo tratamento em Cuba, a encenação eleitoral da cura e da reabilitação inscrevem-se na lógica política que marca o chavismo com um sinete singular. Como regra, caudilhos são líderes destituídos de ideologias. Chávez foi, sob esse aspecto decisivo, um caudilho especial.

A visão de mundo de Chávez não surgiu pronta da leitura de algum livro, mas evoluiu ao longo de uma trajetória em três etapas. O primeiro Chávez emergiu após o golpe frustrado de 1992, na roupagem do condotttieri nacionalista, antiamericano, hipnotizado pelos mitos românticos de Bolívar e do ex-presidente Cipriano Castro (1899-1908) – este, um caudilho extravagante, ganhou essa alcunha de “Bruto Louco” do ex-secretário de Estado americano Elihu Root por desafiar o presidente Theodore Roosevelt.

Moldado em parte pelo pensamento do sociólogo argentino Norberto Ceresole, o chavismo original flertava com o antissemitismo e almejava construir um Estado autoritário, de traços fascistas. Sua meta histórica era a restauração da Grã-Colômbia, ou seja, a reunificação geopolítica de Venezuela, Colômbia e Equador.

Chávez adaptou sua ideologia ao longo dos 14 anos no poder, mas sua morte representa o fim da ‘revolução bolivariana’

O chavismo de segunda água organizou-se em 1999, no alvorecer do mandato presidencial pioneiro, quando o caudilho rompeu com Ceresole e aproximou-se de outro sociólogo, o alemão Heinz Dieterich, um obscuro professor no México que alcançou notoriedade com o conceito do “socialismo do século 21”. A expressão significa, essencialmente, capitalismo de Estado.

Nos anos seguintes, Chávez iniciou um programa de nacionalizações, controles de preços e “missões sociais” e concluiu um pacto estratégico com Cuba. Criou a Aliança Bolivariana para as Américas (Alba), converteu a petroleira PDVSA em aríete de política externa e engajou-se no financiamento dos governos de Bolívia, Equador, Nicarágua e Honduras.

Na versão chavista, o sonho bolivariano de unidade da América hispânica foi traduzido como um projeto de unificação da América Latina sobre o alicerce da Grã-Colômbia. Durante a etapa ascendente da “revolução bolivariana”, o líder venezuelano qualificou a Colômbia como ” Israel da América Latina”, “um Estado terrorista subordinado ao governo dos EUA”, e apostou suas fichas na guerrilha das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc).

“O Ayacucho deste século é a Colômbia”, proclamou Chávez no seu discurso mais aventureiro, referindo-se à Batalha de Ayacucho, de 1824, um triunfo decisivo do general Sucre na guerra de Bolívar contra os espanhóis. A falência militar das Farc, evidenciada em 2008, assinalou o encerramento da fase ofensiva da política externa do caudilho venezuelano.

Da derrota no referendo constitucional de 2007, que coincidiu com a ruptura com Dieterich, surgiu um terceiro Chávez. A reinvenção ideológica já se esboçava desde a reeleição, no ano anterior, quando o caudilho anunciou a decisão de substituir a coalizão de partidos chavistas por um Partido Socialista Unificado da Venezuela (PSUV). A ideia não era dele, mas do trotskista britânico Alan Woods, um novo confidente e crítico feroz do “socialismo do século 21”. Woods propunha a radicalização socialista da “revolução bolivariana”.

Em tese, o PSUV deveria cumprir a função de organização revolucionária de massas, corrigindo o traço caudilhesco do regime chavista, que se equilibrava sobre uma coleção de máfias lideradas por burocratas e militares ligados ao condottieri. Na prática, o partido incorporou à sua máquina diversas facções chavistas, reproduzindo no seu interior o sistema de arbitragem política típico do caudilhismo.

Palimpsesto é o manuscrito várias vezes reescrito, pela superposição de camadas sucessivas de texto que não recobrem totalmente as camadas anteriores, de modo que a escritura mais recente mantém relações complexas com as precedentes. O chavismo é uma doutrina de palimpsesto que mistura a Pátria Grande bolivariana, os impulsos românticos do nacionalismo, um visceral antiamericanismo e os dogmas do marxismo.

O bizarro caldo ideológico resultante não apontou um rumo, mas conservou as portas abertas para as opções táticas do caudilho. Nos últimos dois anos, sob os impactos combinados dos fracassos econômicos, do crescimento da oposição e da batalha de Chávez contra o câncer, a “revolução bolivariana” quase estancou, frustrando suas correntes mais radicais.

“Chávez une o que é diverso: o povo”, explicou Aristóbulo Istúriz, um dirigente do PSUV, sintetizando a natureza do caudilhismo. A obsessão chavista pela reeleição presidencial ilimitada não refletia um apego excepcional do condottieri pelo poder, mas a sua aguda percepção da fragilidade da “revolução bolivariana”.

Nos primeiros, gloriosos tempos do chavismo, o regime patrocinou a publicação de uma edição de centenas de milhares de exemplares do Quixote de Cervantes para distribuição gratuita entre os venezuelanos. Dom Quixote descreve sua missão como a destruição da injustiça – mas a injustiça definitiva é a morte. Chávez sabia que não tinha o direito de morrer pois, sem ele, não há chavismo nem “revolução bolivariana”.

Fonte: O Estado de S. Paulo, 06/03/2013

RELACIONADOS

Deixe um comentário

3 comments

  1. wagner cardoso

    Grato, Demetrio. Sempre lucido e inteligente. Avanti !

  2. fabio nogueira

    Tão ultrapassadas são os seus comentários,professor.

    Chavez em 14 anos de poder,fez muito mais aos anteriores presidentes venezuelanos que alternavam no país. Nesse período,a população vivia na miseria pura. Hoje graças a Chavez o povo se sente feliz e menos miseravel graças a Chavez e sua politica de distribuição de renda.

    Na verdade o senhor e a burguesia mimada deve ter lá no fundo uma baita dor de cotuvelo de Chavez e demais presidente de origens popular.

  3. Eduardo

    Todos os dias, tendo entender, do fundo do coração, o ódio que o senhor e seus pares – geralmente jornalistas da Rede Globo / Globo News – sentem de Chavez. confesso não ser muito fã dele; ele me soa postiço, escancaradamente populista. No entanto, que direito temos nós de julgar o que o povo venezuelano elegeu democraticamente (sim, durmam com esse barulho: DEMOCRATICAMENTE).Os americanos votaram em Bush e achamos o máximo; os italianos em Besrlusconi e não criticamos com a mesma veemência. A cada dia que passa, me convenço que a menos expectativa de redução da miséria apavora os senhores, ainda que essa expectativa seja um populista pouco competente como Chavez. Não sou nada chavista, mas desconvio – E MUITO – da bandeira de pessoas como o senhor, segundo as quais a miséria, na forma que se apresenta nos últimos 500 anos, é a melhor coisa que poderia existir na face da terra…